OSVANDIR E AS TESTEMUNHAS

OSVANDIR E AS TESTEMUNHAS
Imagem Google

“A caçada para o índio, representa uma luta até as últimas
consequências, com o objetivo da matança”.
Rosane Volpato
Numa daquelas noites, depois do trabalho duro na mata, à beira da fogueira, Osvandir ouviu do Pajé Katimbú esta história:
“Foi há muito tempo, quando tudo era só mata fechada naquela região. Os índios tinham como costume iniciar os jovens guerreiros em uma caçada no meio da floresta.
O primeiro grande animal que aparecesse era para caça do índio iniciante. Ninguém podia atacá-lo, salvo em caso de perigo eminente para ele.
Assim foram preparados para o grande dia, as cerimônias de iniciação dos jovens. O Cacique da tribo acompanharia a todos nesta caçada, pois seu filho também estaria entrando na fase de jovem para guerreiro. Era o ritual tradicional da caça. Alguns pintavam o corpo, destacando-se o vermelho e preto e usavam o termo “mrü kubin” que quer dizer “matar caça”.
No centro da mata, um barulho forte de um grande animal correndo. Todos de armas em punho. Era hora de demonstração de força, ação e reação. Luta corporal para vencer ou ser derrotado.
O guerreiro partiu de um lado, do outro a onça pintada, faminta, sem saber por onde atacar.
O ponto de encontro seria numa velha árvore próximo de um desfiladeiro.
A visão do animal um pouco embaçada, ia mais pelo olfato, de acordo com o vento.
O homem, também com visão prejudicada, via com os sentidos, pelo tato.
Ela ouviu um grito, ele ouviu um urro. Lança em punho, garras estendidas.
A luta era eminente. Ela sentiu um gosto de sangue na boca, ele um estranho contorcer do estômago.
Eles nem perceberam que por ali estavam mais sete guerreiros da tribo.
Um bem próximo da cena, outro bem afastado. Aquele lá embaixo no desfiladeiro e além, o do alto da pedra gigante. Um na frente e outro atrás.
A luta ia começar quando o valente guerreiro caiu sobre o animal que também estava morto.
A testemunha que estava próxima afirmava que tinha visto tudo. O Valente guerreiro transpassara o animal com a sua lança, mas recebera uma flechada de outro guerreiro que assistia a cena. Só que a flecha era para o animal.
A segunda testemunha que se encontrava mais distante disse que tudo ocorrera ao contrário. O animal foi morto pela lança do guerreiro e que uma faca atirada na onça por outro, acertou o índio.
A terceira foi mais objetiva, ela observava do alto da pedra gigante; disse que ao atacar, a onça se espetou sozinha na lança e o guerreiro caiu em cima de sua faca.
A quarta que estava lá no fundo da grota informou que o fato se deu da seguinte maneira: o guerreiro veio correndo tropeçou numa moita ao atirar a lança, esta atingiu o animal que lhe deu uma dentada na veia jugular.
A quinta veio da frente falou que tanto a onça como o guerreiro, deram uma trombada, a lança espetou-se no animal e o guerreiro com a faca na mão cortou o outro pulso e morreu.
A sexta que estava atrás da moita, disse que não pôde observar direito porque o mato atrapalhou a sua visão, mas o que viu por último foi os dois caindo, primeiro a onça e depois o guerreiro.
O pajé que tudo ouvia, sem nada dizer, resolveu chamar a alma do guerreiro. A fumaça branca subia pelo céu azul, um cheiro forte de alecrim e outras plantas pairava no ar.
Aos poucos uma pequena imagem, parecida com holografia, foi se formando ao lado de um arbusto. Todos em silêncio. Uma fina brisa caía sobre a mata.
Pajé Katimbú fumava um cachimbo indígena, feito de barro; cada baforada trazia uma nova mensagem, segundo suas crenças.
Daí a um certo tempo ele contou como tudo aconteceu segundo lhe foi revelado pela alma do índio.
“Eu vinha correndo em direção ao animal para matá-lo. Atirei a lança, que acertou em seu coração. A minha faca caiu ao lado da onça. Ao ver a caça ali no chão, sofri um ataque cardíaco de tanta emoção. A morte foi instantânea. Este é o meu depoimento”.
O sábio Pajé da mata levantou-se, bateu a poeira, deu um espirro e falou:
__ Nem tudo é o que parece ser, nesta grande floresta.
Manoel Amaral
www.casadosmunicipios.com.br

O ASSASSINATO DE UM PRESIDENTE

 Imagem Google

 Não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por seu país.” John F. Kennedy

O jornal noticiou que um louco fora internado no hospital. Tinha mania de querer matar o Presidente.

O Presidente estava preparando-se para partir. Iria visitar um estado que lhe era hostil, para acalmar os ânimos na política.

A política da esposa era outra e avisava sempre: __ Cuidado querido. Quero que você volte vivo! A gente nunca pode confiar num louco. Ele é sempre capaz de cometer desatinos…
__ Desatinos! O que há? Está com medo querida? Já viajei tanto e nunca me aconteceu nada. Tudo é a prova de bala no carro…

O carro americano, modelo 1963, deslizava suavemente no asfalto e a rádio anunciava que um louco fugira do hospital. O rádio do carro foi desligado por um instante.

Há instante dali, num recanto da cidade mais próxima a conversa era diferente: __ Você já está com o fuzil?
__ Já!
__ Então faça tudo como te ensinamos. Você não deve perder tempo. Estaremos te esperando do outro lado da rua.

Do outro da rua principal dera entrada o carro presidencial e vinha uma fila enorme de outros carros atrás. Os Senadores, Deputados, Governadores e Jornalistas sempre acompanhavam o presidente onde quer que ele fosse. Um forte dispositivo de segurança estava preparado.

Preparado ninguém está para o imprevisto. O presidente sentindo muito calor (teria o ar condicionado enguiçado?), mandou abaixar as capotas à prova de bala, justamente na hora em que virava a esquina.

Na esquina, do alto do prédio mais próximo, um tiro partiu. Todos ouviram, mas ninguém foi atingido. Outros três foram disparados de locais diferentes e o presidente foi atingido na cabeça e no pescoço.

Pelo pescoço abaixo o sangue escorria e hemorragia instalou-se naquele cérebro.

Naqueles cérebros a confusão se formava: __ Mataram o presidente! Assassinos loucos!

O louco saiu correndo, escada abaixo, atravessou a rua mas foi preso por um soldado que já estava ali para isso.

Enquanto isso, o carro presidencial dava entrada no hospital da cidade.

Na cidade o comentário era muito grande e um boato começou a ser espalhado no meio da multidão:
__ Um louco matou o presidente, dando três tiros lá de cima!

De cima, mais alto em pensamento do que a camada popular, os jornalistas imaginavam diferente:
__ Foram três tiros vindo de locais diferentes, o louco preso não era o assassino, o tiro vindo do prédio da esquina não atingiu ninguém.

Ninguém imaginava que o suposto assassino do presidente ia para o matadouro. Os saldados levaram o psicopata para a rua central da cidade. Ele não parecia doente mental, alguém que perdeu a razão, pelo contrário, articulava bem as palavras e seus gestos eram bem compreendidos. Contudo qualquer coisa o impedia de falar o que desejava. Queria gritar para todos que não estava louco. Que aquilo tudo não passava de uma farsa! Até a fotografia com o fuzil! Tudo combinado! Planejado!

Planejado também estava a sua morte! Quando fez um esforço maior para falar, um tiro a queima-roupa provocou uma fumaça no meio da multidão e a câmara da TV pode captar o último gesto do inocente útil, ainda algemado a um soldado.

Um soldado sem qualquer esforço pegou o atirador, ainda com a arma na mão.

Na mão da polícia estava o segredo da morte dos dois e ninguém se atreveu a verificar a verdade. O Relatório famoso, dizia que não havia complicação com organismos internacionais e que o único culpado era o “assassino louco,” o outro era apenas um “espectador exaltado.”

MANOEL AMARAL
Em dezembro de 1963
Do Autor de “Osvandir na Amazônia”
E-booK, na Editora Amazon:
http://www.amazon.com.br/s/ref=nb_sb_noss_2?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&url=search-alias%3Daps&field-keywords=Osvandir

OS APÓSTOLOS DA IGREJA DOS MENSAGEIROS

OS APÓSTOLOS DA IGREJA DOS MENSAGEIROS
Imagem Google

A sua Igreja era muito diferente, ninguém contribuía financeiramente, pelo contrário, recebia.

Eram bolsas de todos os tipos, cursos onde eles eram pagos para frequentar as aulas.

Quando era para votar, recebiam uma graninha extra. O dinheiro “corria solto” naquelas paragens. Vinha numas malas pretas de um banco escolhido a dedo pela organização.

O mestre era o contrário dos outros mestres religiosos: não via nada, nada comentava e não sabia de nada.

Mas muitos milagres lhe eram atribuído: a multiplicação do dinheiro e a transformação da água em pinga. Tinha até a transposição de um rio que não acabava nunca e moía um dinheirão.

Funcionava assim: um Projeto era feito para consumir “x”, mas acabava com vários “xxx”. A alegação era de que tudo subia no período das construções. Também aquilo não iria beneficiar os pobres, ali só os ricos fazendeiros teriam água à vontade.

Se o povo manifestava, logo apareciam os “homens de preto” e quebravam tudo, por ordem da Igreja.

A internet e as eleições eram completamente dominadas por eles. Se aparecia um para falar bem de um contrário as direções da Igreja, no mesmo momento mais de mil, postavam a favor do Mestre dos Mestres.

A urna eletrônica, apesar de sua propalada modernidade, foi rejeitada por todos os países vizinhos. Era muito fácil fraudá-la.

Naquela Organização tudo era planejado para arrecadar dos órgãos públicos o máximo possível. Inventaram as Instituições Filantrópicas que conseguia limpar todos os fundos.

Naquela Igreja eles não tinham preconceitos contra as mulheres e as nomeavam para todos os escalões.

Ali todo “fiel seguidor” era pago e muito bem orientado. Quando havia eleições eles se transformavam em verdadeiros cabos eleitorais.

Mas como toda instituição, existe altos e baixos, a corrupção também atingiu a Igreja dos Mensageiros.

Foi tanto dinheiro distribuído que até os santos desconfiaram. Aí a justiça resolveu processar 12 apóstolos.

Os novos apóstolos não eram pescadores, mas lavavam o dinheiro na rede.
Os apóstolos da mídia desciam a rua cercado por seguranças e muitos carros pretos. Eram muito assediados.

Alguns foram pregar nas cadeias, outro se apressou e foi para Itália.

Muita coisa ainda está sendo investigada e acreditamos que a maioria vai escapar de uma punição, mas já é um bom começo.

O perigo é transformar estes Apóstolos em mártires.

No meio dessas confusões novas Igrejas surgirão.

Manoel Amaral

www.casadosmunicipios.com.br

OSVANDIR E AGOSTINHO NO RIO II – FINAL

Capítulo II

O CAVEIRÃO

“A violência destrói o que ela pretende defender: a dignidade da vida, a liberdade do ser humano”
(Papa João Paulo II)

Tudo parecia tranquilo naquela manhã de quinta-feira, Osvandir acabava de chegar de mais um passeio turístico pelas praias de Copacabana.
Tomara banho e seguira para o restaurante do hotel para almoçar.
Quando estava saboreando o último gole do vinho francês Chateauneff que estava sobre a mesa, o seu celular tocou. Era a Bebel, mulher do Agostinho, solicitando ajuda. Alguém iria passar no Hotel para apanhar Osvandir e levá-lo até o local.

Naquela apreensão sem saber o que seria, Osvandir ficou lendo uma revista Época, ou melhor, olhando as figuras. Mulheres lindas desfilavam na calçada de Copacabana. Um friozinho vinha do mar e assolava a todos.
Um carro parou na entrada do hotel, o coração de Osvandir começou a bater mais forte, mas acalmou-se logo após, quando notou uma bela mulher loura, descer do veículo.

Era a acompanhante que iria levá-lo até onde estaria o seu novo amigo Agostinho. O motorista, meio suspeito, portava uma estranha barba ruiva e um longo bigode a atravessar-lhe o rosto. Um chapéu panamá encobria-lhe parte da cabeça. Os óculos escuros de aro largo, cobria todo seus olhos. Tinha mais ou menos uns 35 anos. Falava pouco e media as palavras.

Um mistério rondava o ar, o que seria que estava para acontecer? Agostinho estaria em perigo de vida? Fora assaltado mais uma vez?

Torturado por estes pensamentos começou logo a conversar com a passageira, sua acompanhante.

― O que foi que aconteceu? Mais um assalto?
― Não! Não! Você vai ficar sabendo logo que chegarmos a Favela da Rocinha.
Um barulho, já seu conhecido, fez-se ouvir lá nos morros. Era uma metralhadora, cuspindo fogo em algum lugar.

Num balanço do veículo, Osvandir pode notar uma arma na cintura do motorista. Parecia uma Pistola Taurus PT 92, para 12 tiros. O medo foi tomando conta do nosso aventureiro.

Rio de Janeiro não era brincadeira não. Uma autoridade paralela governava o Estado. Estava escrito no rosto daquele motorista.

Os Grupos de Elite, das favelas possuem armas muito mais pesadas e mais possantes que as armas dos policiais. Tem até um  Fuzil HK G3 – de calibre 7.62×51 mm atira 600 tiros por minuto e suas balas percorrem mil metros em um segundo. Olha só o absurdo, 600 tiros por minuto. É bala que não acaba mais. Por esta razão que existe tantas mortes por bala perdida. Não são perdidas, saem desta arma; quando os atiradores, bêbados ou drogados, saem atirando a esmo.

Dava para perceber que se aproximavam do local, devido a barulhada de balas cruzando no espaço. A Favela da Rocinha é a maior da América Latina, tem 150.000 habitantes, que na maioria é gente simples, honestas, que trabalha para ganhar o seu suado pão de cada dia. Tem de tudo, é uma cidade dentro da cidade. Tem até governo próprio. Os traficantes dominam maior parte do local, com seus possantes AK-47 que é  a arma mais usadas por eles, em São Paulo e Rio de Janeiro.

Desceram num local nada recomendável, havia um barracão lá no fundo, com telhas de amianto e uma pequena varanda na frente. Estava ainda por terminar, as paredes de tijolos velhos, sem reboque.

Osvandir ficou com um pé atrás, com a pulga atrás da orelha. Qualquer coisa não ia bem. Os homens estavam nervosos, correndo para um beco bem estreito e escuro. Vários tiros foram ouvidos ali por perto, anunciavam qualquer coisa.

A mulher agachou-se atrás de uns velhos tambores de óleo. O motorista sacou a arma e atirou para os lados do beco. O clima estava quente. Os sequestradores perderam o homem da TV Globo. Agostinho havia fugido do cativeiro. Não havia nada que negociar. Osvandir também arrumou um jeito de escapar daqueles dois.

Enquanto o Caveirão, carro especial da Polícia, roncava lá em baixo e um confronto era montado, as pessoas fugindo do local. O comércio cerrava as portas. Tudo parecia um clima de guerra. Quem não está acostumado com aquilo, fica muito assustado.
Foi aí, que por um milagre, apareceu no começo da rua, um táxi. 

Osvandir deu sinal e ele foi parar mais embaixo. Entrou apressadamente e mandou e que seguisse para o Hotel Copacabana Palace:

― Vá direto, não faça nenhuma parada, pago o dobro da corrida!
         ― Sim Doutor! Disse o taxista.

        Quando já refeito do susto, saboreando um copo de água mineral, Osvandir ficou sabendo pela TV que havia um confronto na Favela pelo desaparecimento de Agostinho da TV Globo, do cativeiro.

        Os repórteres informavam que ninguém sabia de mais detalhes…

FIM

Manoel Amaral
www.casadosmunicipios.com.br

NOTA DO AUTOR: Este texto foi enviado, graciosamente, para Rede Globo para compor algum capítulo da Série “A Grande Família”, em resposta o autor recebeu o seguinte e-mail: 

Manoel Amaral

Rede Globo quer se relacionar e interagir com seu público, criando uma programação cada vez mais próxima de quem nos assiste. Informamos, contudo, que a nossa política interna não permite o recebimento ou a análise de materiais (tais como sinopses, roteiros, modelos de programas, formatos etc.) elaborados por profissionais que não são contratados pela emissora. Agradecemos seu interesse e sua audiência.


Cordialmente,
Globo.


Saiba mais: www.redeglobo.com.br
Siga @rede_globo
E curta nossa página no www.facebook.com/RedeGlobo


OSVANDIR E AGOSTINHO NO RIO

OSVANDIR E AGOSTINHO NO RIO I
Imagem Globo
Capítulo I

COPACABANA PALACE
“Fica sempre a dúvida: essa guerra ali, essa guerra acolá, porque há guerras em todos os lugares, é realmente uma guerra por problemas ou é uma guerra comercial para vender essas armas no comércio ilegal?”
(Papa Francisco)
Osvandir estava rememorando as aventuras por que passou no meio da Floresta Amazonas, algumas palavras mais pronunciadas naquela região, veio-lhe a mente a linda imagem de Caá-Potyra, a “Flor do Mato”, morena de olhos azuis, com aquela meiguice de índia ainda não aculturada.
O avião moveu-se para cima e depois para baixo, qualquer coisa não ia bem. Uma fumaça saía de um lado da asa direita. Passageiros em polvorosa. As máscaras de gazes caíram, dando a impressão que a coisa era mesmo grava. Mas já estávamos próximo ao Aeroporto Santos Dumont, no centro do Rio de Janeiro.

Naquela segunda-feira, uma névoa intensa cobria a região, não se avistava ninguém, nem nada, a partir de uns 50 metros de distância.

Ao apanhar as malas notou um motorista de táxi de bigode fino, olhos castanhos, magro, de uns 30 anos, nem bonito nem feio, aquele tipo de pessoa que qualquer um pode reconhecer na rua. Ali estava AGOSTINHO, motorista de táxi, típico carioca, com aquele linguajar característico, soltando o “s”, contador de histórias.
― Olha só quem eu encontro no Rio, falou Osvandir.
― Sim Senhor, para onde vai? Respondeu Agostinho.
― Para Copacabana.
― Vou levar o Senhor para um bom hotel, pode deixar.

No trajeto, Agostinho começou a contar uma história, mas Osvandir estava com sono e não ouvia muita coisa. O motorista aproveitou-se para dar umas voltas, enquanto o velocímetro rodava, rodava e os valores iam subindo. A corrida teve seu preço triplicado.

Ele pegou a Via Perimetral, virou na Av. Presidente Vargas, passou pela Praça da República, virou a esquerda e já estava saindo do centro.

Uma parada acordou Osvandir, um barulho de metralhadora pipocou no ar. Eram as quadrilhas em constante luta pela posição de comando nas favelas. Estávamos atravessando a Favela Dona Marta.
― Já estamos quase chegando doutor, pode ficar tranquilo.

Agora sim, ele contornara uma rua estreita, naquela escuridão e voltara para o local indicado: Copacabana.

Passou pelo túnel André Rebouças seguiu direto beira mar, pegando a Av. Atlântica e algumas quadras depois deixou Osvandir no Copacabana, aquele lindo hotel que os chineses estão tentando construir uma réplica lá em Pequim.
― Agostinho, quando foi inaugurado o Copacabana Palace?


― Em setembro de 1923, considerado o mais suntuoso edifício do gênero que possui a América do Sul e um dos mais lindos do mundo. O hotel tornou-se um ponto de convergência da alta sociedade carioca e turistas do mundo inteiro. Tenho trazido para cá pessoas dos EUA, França, Alemanha, Rússia, são tantas que nem lembro mais.

Ao descer do veículo Osvandir dirigiu-se a portaria do hotel para confirmar sua reserva.

― Apartamento Luxo Clássico, com vista para a praia de Copacabana e sala de estar. Falou o atendente.
― “Rio, Cidade Maravilhosa”. Temos atrações incríveis como museus, igrejas e prédios históricos e com suas belezas naturais como o Pão de Açúcar, o Corcovado, o Jardim Botânico e o Parque da Lage; o Rio é uma cidade incomparável! O carregador de malas não cansava de explicar.

Osvandir cansado, dirigiu-se ao apartamento para uma soneca.
Uma hora depois desceu para o café da manhã no Restaurante Pérgula, próximo à piscina.

Naquele primeiro dia iria visitar o Cristo Redentor e o Pão de Açúcar, na parte da manhã.


Ligou para o Agostinho, o celular não atendia. Aguardou alguns instantes e tornou a ligar.

― Alô, é o Agostinho? Aqui é o Osvandir, lembra-se, de ontem, quando você levou-me até o Copacabana Palace Hotel.
― Onde você está?
― Estou na portaria do Hotel.

Meia hora depois chegou o motorista de táxi, apavorado, dizendo que tinha sido assaltado pela terceira vez neste mês.

Explicou onde queria ir e seguiram rápido, primeiro para o Cristo Redentor, aquela estátua maravilhosa de onde pode avistar-se grande parte da cidade maravilhosa. Várias pessoas e países diferentes estavam ali aos pés de uma das maravilhas do mundo.

Seguindo para o Pão de Açúcar, uma pequena parada para tomar água de coco e devorar aquele churrasquinho de camarão.

― Osvandir, o bondinho do Pão de Açúcar é considerado um dos mais seguros do mundo. As atuais linhas são dotadas de dispositivos de segurança, com alarme em todos os pontos. O percurso é todo programado e controlado por equipamento eletrônico.


― Sei disso Agostinho, são três estações – a da Praia Vermelha, Morro da Urca e Pão de Açúcar – interligadas por quatro bondinhos.
― Você vai subir comigo?
― Não! Tenho medo de altura!

Enquanto nosso amigo subiu da Urca até o Pão de Açúcar o Agostinho ficou por ali, batendo papo com turista e se metendo em confusão.

Do bondinho podia-se ver a Praia Vermelha e adjacências.

De volta para o hotel, Osvandir resolveu ler os jornais do dia.
Pegou o Estadão e a primeira manchete que viu foi a seguinte:

Globo vai dar continuidade ao programa “A Grande Família”.

A seguir tecia uns comentários sobre a audiência do programa que ia muito bem.

(Continua)

Manoel Amaral

NOTA DO AUTOR: Este texto foi enviado, graciosamente, para Rede Globo para compor algum capítulo da Série “A Grande Família”, em resposta
o autor recebeu o seguinte e-mail: 

Manoel Amaral

Rede Globo quer se relacionar e interagir com seu público, criando uma programação cada vez mais próxima de quem nos assiste. Informamos, contudo, que a nossa política interna não permite o recebimento ou a análise de materiais (tais como sinopses, roteiros, modelos de programas, formatos etc.) elaborados por profissionais que não são contratados pela emissora. Agradecemos seu interesse e sua audiência.


Cordialmente,
Globo.


Saiba mais: www.redeglobo.com.br
Siga @rede_globo
E curta nossa página no www.facebook.com/RedeGlobo

COMO COMPRAR E-BOOKS SEM O KINDLE

COMO COMPRAR E-BOOKS SEM O KINDLE

Se você ainda não comprou o seu aparelho Kindle, nem por isso poderá perder as grandes ofertas da Amazon, com muitos e-books gratuitos ou de preços baixíssimos.

É só baixar o aplicativo gratuito no seguinte link:


Tem para Smartphones:
Computadores:
Tablets:
Todos gratuitos, e aí você poderá comprar ou baixar os e-books e ler nos aparelhos citados.

O “Osvandir na Amazônia”, de nossa autoria, está no seguinte link:


Ao preço de R$6,74. Leia o livro e deixe o seu comentário.

Manoel Amaral
www.casadosmunicipios.com.br

OSVANDIR NA AMAZÔNIA

OSVANDIR NA AMAZÔNIA
M. F. Amaral

Iamgem: Jossi Borges

Sinopse

OSVANDIR NA AMAZÔNIA
Autoria de M. F. Amaral

SINOPSE


Osvandir é uma pessoa incomum. Um grande aventureiro, um verdadeiro “detetive do fantástico”, ele está sempre buscando a verdade, seja onde for… Suas aventuras são as mais incríveis e na sua longa jornada como caçador de aventuras extraordinárias, ele atravessa o Brasil e se depara com criaturas do outro mundo, mitos que surgem como realidade palpável, índios perigosos, tesouros perdidos.
Esta é apenas a primeira das suas aventuras. Preparem-se para as próximas, que logo virão!

Link para aquisição do e-book: http://www.amazon.com/dp/B00GLAOGMQ

A COMENDA DA LIBERDADE E CIDADANIA

A COMENDA DA LIBERDADE E CIDADANIA



 “Se todos quisermos, poderemos fazer deste país uma grande nação.  
Vamos fazê-la.” Joaquim José da Silva Xavier – Tiradentes
Por voltas de 10 horas chegamos a Fazenda do Pombal, berço de Tiradentes para participar da entrega da 3ª Comenda da Liberdade e Cidadania, representando a Academia Divinopolitana de Letras, Augusto Fidélis  juntamente com mais de 100 pessoas.

Todos os anos é feita a entrega a cidadãos mineiros, brasileiros e estrangeiros que contribuíram com o desenvolvimento socioeconômico, turístico e cultural da região, de Minas Gerais, principalmente na região do Rio das Mortes.

A principal função da Comenda, além de condecorar aqueles que se destacaram no cenário nacional, é de despertar nos cidadãos, principalmente nos jovens, o sentimento de nacionalidade”, explicou o chanceler da iniciativa, Eugênio Ferraz.

Este ano coube a Prefeitura de Ritápolis a organização, na Fazenda do Pombal, da entrega da Comenda da Liberdade.
O encarregado do evento foi o secretário de Cultura e Turismo do município, Jaci Mauro Damasceno.

O evento teve início às 10h30min, com a entrega das medalhas e dos certificados da comenda e se estendeu até por volta das 14 h.

“Contou com uma palestra sob o tema “O Auto da Devassa”, revelando detalhes da vida de Tiradentes, e uma apresentação musical”, informou Damasceno.

“Houve indicações das prefeituras das três cidades e dos presidentes das três Câmaras, além de institutos históricos e culturais da região. Haverão agraciados de todo o país, pessoas de projeção, que trazem o desenvolvimento de uma forma direta ou indireta para o evento”.
Fazenda do Pombal
Berço de Joaquim José da Silva Xavier, a Fazenda do Pombal, hoje, além de ser um importante patrimônio histórico, é uma reserva ecológica administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente.

A TV Campos de Minas esteve presente neste evento entrevistando personalidades que fazem a diferença, diretamente de Ritápolis,  o berço, morada e pontos de lutas de Joaquim José da Silva Xavier, o mártir da Inconfidência Mineira, símbolo máximo de um grito de liberdade.

Fonte: Gazeta de São João del-Rei 

Manoel Amaral
www.casadosmunicipios.com.br
http://www.amazon.com/dp/B00GLAOGMQ link para o meu e-book lançado hoje.

AS 12 APOSENTADORIAS

O VELHINHO E AS 12 APOSENTADORIAS
Imagem Google

Ele achava que tinha pensado em tudo. Agora ia viver muito bem e viveu.

Uma aposentadoria para cada mês do ano, uma foto diferente, um nome diferente e consequentemente uma carteira de identidade também de outra cidade, ou preferencialmente de outro estado.

Foi o que ele fez, percorreu vários estados e em cada um procurou um cartório, dizendo-se do interior e que nunca tinha sido registrado. De posse da Certidão de nascimento ia logo para uma loja de fotografia e fazia a sua fantasia própria.

Na primeira, ele era mineiro, tratou logo, segundo a tradição, de arranjar um velho chapéu de palha, terno de brim bege e camisa branca. Providenciou também um bigodinho de roceiro, daqueles bem fininhos, de amargar. Um par de botinas velhas completou o personagem.

A foto ficou uma beleza, quer dizer, uma feiura danada. Mas estava pronto o seu primeiro personagem.

O segundo foi um paulista, chapéu de lebre, abas curtas, terno listrado e camisa de um azul claro, sem bigode e sapato de bico fino.

O terceiro foi o Rio Grande do Sul, um chapéu de lebre, abas compridas, lenço vermelho no pescoço, um bigodão, dente de ouro e algumas alegorias lá do sul. Passou um pouco de vermelho nas bochechas para provar que era castigado pelo frio.

O quarto, do Rio de Janeiro,  já era de camisa listrada, tênis branco, short, cabelo penteado para trás e óculos escuros.

O quinto foi um nordestino muito bem caracterizado, chapéu de couro de cabra, camisa aberta ao peito, calça jeans e bigode também fino. Um facão na cintura e um relho do outro lado.

E o sétimo? Arranjou uma caracterização de Goiás, chapéu aba grande, enrolada para cima, como nos cantores de Sertanejo. Cinturão todo enfeitado com peças cromadas. Bota de bico fino,  camisa de manga comprida e calça jeans.

Em Mato Grosso arranjou uma vestimenta quase igual a de Goiás, diferenciando apenas nas cores e no lugar de Bota estava usando um chinelão de couro cru, era o oitavo personagem.
Partiu para Bahia e arrumou umas roupas de baiano folgado, enrolou um pano vermelho na cabeça, camisa branquíssima, e umas calças largas, também brancas, um sapato branco, sem salto. Era o nono cidadão que pousou para foto.

Em Pernambuco, como o calor era muito, arrumou um chapéu de palhinha, tipo Panamá, uma camisa colorida e um confortável par de sandálias. Chegara ao décimo, que conseguiu enganar o INSS.

Agora tinha mais dois, um ele tirou a foto de boné e óculos com uma camisa com listras verticais.

A última ele fez um velhinho de barba branca e um chapéu furado e bem surrado, com camisa também até rasgada, sentado num caixote.

Estava montado o sistema de arrecadação daquele velhinho esperto.

Doze nomes, doze fotos diferentes, doze documentos falsos, doze contas bancárias e doze aposentadorias.

O resto foi fácil, pegou estes caras que estão ávidos por uns trocados e que sempre sabem o caminho mais fácil para encaminhar os papéis lá na burocrática agência do INSS.

Foi entrando com os pedidos de aposentadoria por idade, uma em cada mês, começou logo em janeiro para não se atrapalhar.

O difícil foi aparecer no banco com a carteira de identidade do mês. E o traje da foto para não despertar nenhuma suspeita do banco.

Mas como ele recebia as aposentadorias mensais, uma em cada cidade teve que abrir contas em doze bancos e deu preferência a estes de Associação Rural, e que por sinal são os mais assaltados hoje em dia.

Viveu folgadamente por mais de cinco anos recebendo doze aposentadorias, isto é doze salários mínimos mensais.

E ainda passeava por todo lado onde tinha que receber as granas mensais.

Mas tudo tem um fim, a Polícia Federal estava passando um pente fino no INSS, denominada de “Operação pega Velho” e que consistia em por na cadeia todo mundo que fraudava aquela instituição. No Nordeste foram muitas aposentadorias canceladas e em todos estados do Brasil.

Um investigador deu de cara com o velhinho fraudador por acaso, com cruzamento de dados da Receita Federal, por questão de idade.

O velhinho colocou em todas as suas aposentadorias a mesma idade, setenta anos e também a data de nascimento sempre foi a mesma: 12 de dezembro.

Pega um dado aqui, outro acolá, verifica uma fotografia e nome do pai e mãe, estava pronto o balaio de gato em que ele se meteu: sempre colocou a mesma mãe e o mesmo pai nas carteiras de identidade.

Foi chamado ao INSS para uma conversa sobre dados faltosos numa das pastas e foi feito o fragrante.

Para completar as suspeitas ele entregou uma carteira diferente da que estava no processo. Foi um azar danado, era sexta-feira 13, ele tinha chutado um gato preto na rua e passado debaixo de uma escada. E para por fim nas crendices, a noite ouviu uma coruja cantar numa velha casa perto da sua.

Estava armado o golpe para prendê-lo. O diligente investigador olhou para sua cara e para as duas fotos, a do processo e da carteira que apresentou: era o mesmo homem, apenas com trajes diferentes. Pronto! Tudo fora por água abaixo.

Ele não foi preso porque morreu no outro dia, antes do amanhecer.

Manoel Amaral
www.casadosmunicipios.com.br

NOVOS CÍRCULOS APARECEM EM IPUAÇU/SC

Imagem Google, hoje, 02/011/13, Ipuaçu/SC
Incidente em Rosvolândia

Em 2008, Osvandir juntou o material, barraca de camping, lanterna, máquina digital, binóculo, dez metros de corda, outros bagulhos menores e cartões de crédito; pegou o carro e sumiu na estrada. Destino: Riolândia, São Paulo.

Assim que chegou a cidade foi logo a banca de jornal e comprou um regional O Jornal “BOM DIA” de S. J. Rio Preto, com a seguinte manchete:

Riolândia atrai curiosos para ver rastros de ‘E.T.’
Canavial se torna atração na região e arrasta dezenas de
moradores de cidades vizinhas para ver o ‘fenômeno’

Cidade pequena, cerca de 8.500 habitantes, norte Estado de São Paulo. Prefeito assustado com repentino aumento da população no município. Câmara Municipal preocupada com repercussão do fato na mídia internacional.

Tudo aconteceu num terreno de uma pousada turística. Osvandir hospedou-se na cidade, num pequeno hotel.

Uns acreditam que ali tenha pousado um Disco Voador de grandes proporções, deixando aquelas marcas.

A única testemunha, disse que já repetiu a mesma história mais de 50 vezes para pessoas curiosas, ufólogos e autoridades.

Alguns moradores do lugar também informaram que na mesma noite ouviram barulhos e os cães latirem, depois tudo caiu num silêncio profundo.

Os céticos afirmam que tudo não passa de uma armação para atrair turistas para o local. Os crédulos acreditam mesmo que uma nave espacial de grandes proporções pousara naquele local.

Depois de muitas medições, conferindo também a radiação, Osvandir chegou a conclusão que tudo aquilo não passaria uma manifestação da natureza.

Osvandir aproveitou o público: jornalistas, ufólogos e outros visitantes, para fazer um grande círculo no meio do canavial, a título de ilustração.

Pegou a corda de dez metros que levou, pediu uma marreta, um pau para estaca e foi para o meio do canavial. Plantou a estaca num determinado local, passou uma argola de metal sobre ela e amarrou a corda naquele aro. Convidou duas pessoas para ajudá-lo. Uma ficou no centro controlando a descida da corda, Osvandir e outro ficaram na ponta. Esticaram a corda até o fim dos seus dez metros. Foram andando, fazendo o círculo devagarzinho, primeiro passaram a corda nas canas, mais ou menos um metro de altura, depois baixaram para meio metro e finalmente o mais rente possível do chão.

O que se viu depois de pronto foi um perfeito círculo, com 20 metros de diâmetro! Todo mundo ficou sabendo direitinho como poderiam fazer círculos em canaviais, arrozais, trigais e outros ais.

Mas o que se viu em Riolândia não chegava nem perto daquilo. Apenas umas canas rebaixadas talvez por um forte vento. A tal tesoura de vento que eles falam no interior. É o que a maioria acredita. Só foi visto porque está muito próximo da estrada da Pousada e do rio.

Alguns turistas que chegaram depois adoraram o círculo do Osvandir. Acreditaram mesmo que aquilo seria de ETs.

É assim que se produzem os fatos, aquela mentira vai se tornando realidade devido a pouca informação e muita ignorância. Já tem gente levando até santo pra lá. Estão fazendo romaria…

Acredita-se que tenha interesse financeiro no fato. Alguns hotéis e pousadas já estão cobrando mais caro e todos estão lotadas a semana inteira. Tem serviço de Táxi que leva o pessoal até o local.

João,  nosso amigo de Minas, articulista, descobriu que Riolândia já consta até da Wikipédia, a grande enciclopédia digital: “Poucos dias depois do ocorrido, já podemos encontrar citações do caso de Riolândia nas principais mídias do ramo ufológico, em blogs, comunidades, fóruns, sites nacionais e internacionais”. Tudo feito às pressas, alguns links acabam dando em Portugal.

Mas Osvandir, de tanto conferir as medidas, acabou desistindo e foi ver se conseguia dormir, para a partida no dia seguinte. Não conseguiu, teve que dar entrevistas para os canais de TV e jornais. Muita chateação, falação e repórteres escalados para a matéria que nada entendiam do assunto com perguntas impróprias. Algumas até engraçadas, porque não dizer hilárias.

Cansado de tanta besteira Osvandir resolveu voltar para casa. Arrumou tudo, foi pagar as despesas na portaria do hotel e ficou surpreso: não devia nada. O proprietário disse que não ia cobrar nada porque de certa maneira ele havia contribuído com o esclarecimento dos fatos. Não entendeu nada, ficou até curioso com o assunto.

Na manhã seguinte leu a seguinte manchete no Jornal da região de Riolândia:

“NOVO CÍRCULO APARECE EM CANAVIAL DE RIOLÂNDIA”

No subtítulo a matéria dizia que o novo círculo aparecera na noite anterior e tinha aproximadamente 20 metros de diâmetro.

Manoel Amaral

www.casadosmunicipios.com.br