URNA ELETRÔNICA BRASILEIRA

URNA ELETRÔNICA BRASILEIRA

“Parodiando Collor: a urna eletrônica brasileira é uma carroça
Raul Takahashi

Esta semana fiquei muito preocupado com uma notícia que recebi sobre a nossa tão badalada urna eletrônica.

Na realidade ela não é tão boa como a propaganda diz.

Tem vários pontos vulneráveis e além do mais não fornece o registro digital do seu voto, caso queira.

Li um relatório 2º Relatório do Comitê Multidisciplinar Independente sobre as urnas eletrônicas argentinas de 2ª geração – 2011. Aí foi que cheguei a conclusão que a nossa é mesmo uma carroça como disse o Raul, da frase acima.

Não tenho mais confiança no sistema eleitoral informatizado. Fico imaginando a quantidade de fraudes que já houve sem nenhuma condição de constatação. A urna é uma caixa preta, apesar de não ser desta cor, como a dos aviões que na realidade é laranjada.

Não tem como o Fiscal de Partido fiscalizar a votação, a apuração; pois tudo é eletrônico. Imaginem com estes hackers que invadem tudo. Não tem mesmo segurança nenhuma, apesar dos tribunais dizerem o contrário, eu não acredito nisso.

Acho que o título eleitoral deveria ser com chip com todos os dados do eleitor e um dispositivo para evitar mais de uma votação no mesmo dia. Seria mais garantido. Tem em estudos um sistema que está sendo implantado de identificação pela digital, mas este já outro assunto.

A nossa urna não saiu da primeira geração. Tem muitos países que já aperfeiçoaram as suas, razão pela qual nunca confiaram na nossa.

A Argentina já produziu uma muito melhor que a nossa, bem mais moderna e com muitos recursos, como nos celulares de última geração. O cidadão não precisa teclar, apenas correr o dedo na tela, como fazem também nos tablets.

Segundo os técnicos em computação as fraudes em nossas urnas são de difícil detecção e não é confiável.

As da Argentina já possuem o registro material do voto, procedem auditoria automática do sistema e só utilizem programas de computador abertos, com esse Projeto de Lei do Voto Virtual, o Brasil vai na contramão da história.

O eleitor argentino pode conferir se o registro digital do seu voto contém de fato o seu voto. O eleitor brasileiro não pode.”

“Nenhum sistema informatizado é imune à fraude,” não sou eu que estou afirmando isto, são os técnicos em computação.

UMA COMPARAÇÃO DA ARGENTINA COM A BRASILEIRA

  1. O eleitor argentino pode conferir e até refutar o registro digital do seu voto, antes de deixar o local de votação e de forma simples e direta.
    O eleitor brasileiro não pode – no Brasil, o conteúdo do registro digital do voto é secreto até para o próprio eleitor, pois não lhe é permitido ver ou conferir o que nele foi gravado.
  2. Os fiscais de partido na Argentina podem conferir a apuração do voto eletrônico, verificando a integridade de cada registro de voto e assistindo sua contagem.
    O fiscal eleitoral brasileiro não pode – no Brasil, a apuração dos votos eletrônicos é secreta para o fiscal brasileiro, já que não lhe é permitido acompanhar e conferir a contagem dos votos.
  3. É plena a colaboração das autoridades eleitorais argentinas de todos os níveis para com a fiscalização, agregando segurança e confiabilidade ao processo eleitoral.

Tem mais uma coisinha, muito importante, que não falei: a apuração na Argentina é muito mais rápida que no Brasil.

tela é maior e possui touch-screen, em vez do teclado fixo, bem mais prático.

“ Na Argentina, após votar, o eleitor recebe seu voto na chamada cédula eletrônica e em papel impresso.”

“A urna argentina é mais rápida e “mais transparente” que a brasileira, por permitir que tanto o eleitor como o mesário possam conferir a “integridade do registro do voto”.

Confira demais dados na fonte abaixo, tem muita coisa interessante:

FONTE: http://www.brunazo.eng.br/voto-e/textos/argentina2011.htm

Manoel Amaral

http://osvandir.blogspot.com

OSVANDIR E A BEZERRA DE OURO



Assistindo a uma reportagem na TV, na manhã de domingo, 12 de junho de 2011, ouvi a notícia que na Argentina nasceu a primeira vaquinha da raça Jersey que dará um leite semelhante ao leite das mulheres.

“A bezerra é resultado da clonagem de dois genes humanos que codificam proteínas presentes no leite humano e de grande importância para a nutrição dos lactantes. Essas proteínas são a lactoferrina e a lisozima humanas, que têm funções antibacterianas, nutrem as crianças de ferro e fornecem agentes de imunidade contra doenças”, conforme informa cientistas do INTA Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária.

Osvandir logo ficou pensativo, se já estão clonando vaca e anunciando há muito tempo, já devem ter clonado seres humanos nos EUA, na Inglaterra, França e Bahia. E estão todos caladinhos para ver o que pode acontecer quando tiverem maior idade.

Quem sabe já temos até presidente, políticos e altas autoridades clonados e ninguém sabe disso, ou sabem e não dizem nada.

― Vou consultar ao FBI, a Cia e a polícia secreta de Israel ― disse Osvandir.

Por outro lado pensou novamente na possibilidade do emburrecimento do povo, todos podem estar sendo alvo de enxerto de DNA de animais, principalmente dos inocentes burrinhos.

Se na Argentina, que é mesmo ali, já produz até vaquinha (e bonitinha), que dá leite humano (de mulher, é claro), porque não poderiam estar incorporando ao seu código genético (DNA) através destas vacinas que são graciosamente aplicadas por postos de saúde do país inteiro?

Osvandir pesquisou e descobriu que um Laboratório (Bio Sidus), já está produzindo cavalos, da alta linhagem e reprodutores bovinos, para aprimorar as raças.

O Pampero”, foi o primeiro boi transgênico, anunciado por este laboratório que já investiu milhões de dólares em pesquisas, na Argentina.

Desde de 2002 vem produzindo leite em outra vaquinha a fim de obter a proteína de crescimento humano hGH (hormônio do crescimento) para tratamento de crianças com deficiências de crescimento, poderia também, ser usado em casos de “síndrome de desgaste” (“wasting”) associada à Aids e em tratamentos de rejuvenescimento.

Osvandir gostaria de sugerir que a Argentina clonasse uma nova vaquinha com leite especial, com elementos para melhorar a linhagem dos políticos. Principalmente um antídoto contra a pouca vergonha na cara e a corrupção.

Veja a foto da linda Vaquinha que dá leite de mulher no seguinte link:

http://routenews.com.br/index/?p=7451

OSVANDIR E O CARNAVAL 2009

“No carnaval, alegoria de pobre dura pouco.” Casseta&Planeta


Quarta-feira começou a barulheira lá pelos lados da Bahia.
Quinta e sexta-feira no Rio e em São Paulo, muita gente para ver os desfiles das escolas.

As fantasias não estavam tão brilhantes e luxuosas como nos anos anteriores, sinal que a crise mundial afetara também aquele setor.

Muito material reciclável foi forçosamente utilizado na confecção dos adereços. Penas de pavão, emas e outros pássaros raros, nem pensar.

Vários containeres ficaram retidos na alfândega por falta de pagamento dos impostos e taxas.

Os investimentos de grandes empresas, na hora “H”, não apareceram.

Osvandir não se fez de rogado, resolveu fugir do carnaval e quarta-feira já estava na Europa passeando e pegando um frio e até neve na Inglaterra. Logo ele que não pode nem abrir geladeira ou entrar em bancos que fica gripado por três dias.

Pegou o Eurotúnel, Túnel da Mancha, conhecido na Inglaterra por Channel Tunnel e em poucas horas estava em Paris, onde encontrou um clima mais ameno.
Ficou no famoso Hotel Lê Bristol e almoçou no restaurante que tem um lindo jardim ao lado.

Acabando de almoçar pegou as tralhas e partiu para a Alemanha. Vendo aquelas construções antigas, bem no centro de Berlim, lembrou das atrocidades da segunda guerra mundial, onde morreram mais de 6 milhões de judeus.

Judeus? Resolveu ir para o Oriente-Médio, queria visitar Israel. Em lá chegando assustou-se com os estragos da guerra contra os Palestinos.

Eles não aprenderam nada com Hitler, ou aprenderam demais? Estão seguindo o mesmo caminho massacrando uma minoria étnica.

Fugiu dali, foi para Austrália. O fogaréu estava consumindo várias hectares de árvores de eucaliptos. Cangurus saltavam por todos os lados.

Voltou, em vôo com escala na África, para América do Norte. Obama cada vez fundando-se nas dívidas de guerra, deixadas por outros presidentes.

De lá esteve no Canadá onde faz frio seis meses do ano e pegou uma nebrasca de gelar até picolé.

Assim que o tempo melhorou decolou para Venezuela onde o calor era aproximado ao de sua terra, em Minas. Esteve no Chile, em terras mais clamas, depois visitou a Argentina e finalmente chegou ao Rio de Janeiro na quarta-feira, quando estavam fazendo as apurações dos desfiles das escolas.

Em São Paulo, o resultado fora apurado na noite anterior, saindo vencedora a Vai-Vai, as demais ficaram só na esperança.

No Rio, depois de alguma confusão com os jurados, o resultado deu vitória para Salgueiro .
Osvandir havia comprado um jornal em cada lugar onde esteve e vejam abaixo as manchetes de cada um.

Em Divinópolis, que não tem carnaval, chega nosso herói, mais cansado do que quando partiu, pegou o seu travesseiro azul e foi sonhar com os carneirinhos…

Manoel Amaral

Carnaval nos EUA com Obama
http://i35.tinypic.com/28lcmeq.jpg

EUA
OBAMA DANÇOU O SAMBA
A CRISE DAS FINANÇAS NÃO CHEGOU AO BRASIL.

Canadá
NEM O FRIO IMPEDIU O CARNAVAL

Portugal
ORA, POIS POIS. CARNAVAL PORTUGUÊS É EM COIMBRA.

França
O PRESIDENTE CUMPRIMENTA O LULIN

Argentina
ATÉ CLARIN TINHA NO CARNAVAL

Chile
Chile cumprimenta as escolas vencedoras

Venezuela
VAMOS PULAR CARNAVAL FANTASIADOS DE VERMELHO

Canadá
NO FRIO NEM CANA DÁ

Austrália
CARNAVAL É FOGO!