CIBERCRIMINOSOS

CIBERCRIMINOSOS

Imagem Google


R$ 2,5 bilhões, um dos maiores roubo a banco da história.

O Jornal The New York Time informou que o relatório do Kaspersky Labs revelou um esquema de “assalto digital” a banco muito interessante.

Os hackers realizam o maior roubo a banco da história. Os prejudicados eram os bancos e não os seus clientes.

Mais de 30 países foram assaltados, menos o Brasil.

Estima-se que em alguns meses mais de US$900 milhões foram roubados.
Como “assalto digital” este foi um dos mais sofisticados esquemas, sendo o maior de história de roubo a bancos.

Os cibercriminosos usaram os mais sofisticados esquemas de roubo a bancos até agora descobertos.

Esse seria o maior e mais sofisticado roubo a bancos da História, em termos de táticas e métodos.

Eles se infiltram em computadores de funcionários de bancos através de malwares e ficam monitorando por um tempo todas as atividades realizadas no computador para identificar padrões de transações e tudo mais.

Até hoje, nenhuma quantia maior que US$ 10 milhões foi transferida para não levantar grandes suspeitas.

Todo esse dinheiro acaba sendo pulverizado em várias contas de laranjas em diversos países pelo mundo. Em seguida, a grana é sacada em caixas eletrônicos.

Acreditam que pelo menos 100 bancos tenham sido invadidos. A maioria está na Rússia, mas instituições financeiras nos EUA, Japão, Suíça e outras nações também foram atacadas.

Manoel Amaral
FONTE:

IMPUNIDADE, PROPINAS, FRAUDES

IMPUNIDADE, PROPINAS, FRAUDES, ROUBALHEIRA, ASSALTOS E ETC.
Estamos no Brasil
www.novotopico.com

Sugestões para ajuste fiscal deste ano e dos seguintes:
– Vender o AeroLula, optar por um modelo mais simples.
– Cortar Salários pela metade, dos Ministros, Presidentes, Governadores, Embaixadores, Senadores, Deputados e dirigentes de estatais.
– Continuar cortando “altos salários” seja lá de onde for.
– No futebol, altos dirigentes, fazer também algumas intervenções.
– Diminuir a equipe de governo e principalmente as viagens.
– Os acompanhantes do Governo Federal, em viagens ao exterior, podem ser cortados pela metade e ainda ficaria muito grande. Veja o exemplo de delegações de outros países.
– Diminuir o número de ministérios, Secretarias, de Deputados, Senadores, Vereadores e por aí.
– Dar menos dinheiro para outros países. Obras fora do Brasil, nem pensar.
– Não gastar mais nenhum tostão na transposição do Rio S. Francisco.
– Por fim a roubalheira na Petrobrás e em outras estatais.
– Acabar com tudo que só serve para desviar dinheiro público.
– Evitar ao máximo, desvio de bilhões em verbas, em todos setores.
No mesmo esquema, os Governadores e Prefeitos deverão acompanhá-la.
– Impedir saída dos minerais estratégicos do País e trabalhar para conseguir o enriquecimento do Urânio.
– Terminar as obras paralisadas, o mais rápido e gastando menos possível, moralizando o sistema.
– Acabar com a metade das ONGs dos Parlamentares, que são nada mais, na menos que um buraco sem fundo, não fazem nada.
– Não deixar o dinheiro público ir para o ralo.
– Colocar a PF na “cola” da Caixa Loterias, investigar os ganhadores de prêmios por mais de uma vez.
– Controlar os empréstimos do BNDS e nada a “Fundo Perdido”, não estamos mais no tempo de por dinheiro na mão de qualquer um, muito menos sem comprovação de gastos ou aplicação.
– Acabar de vez com essa “roubalheira generalizada e impune”.
– Diminuir os impostos para melhorar a arrecadação. É bom que se diga: “Nunca houve neste país uma equipe de governo que arrecadasse tanto.” Quase dois trilhões de reais. (www.impostometro.com.br) E gastasse ainda mais.
– E os crimes, assaltos cinematográficos e tantas balas perdidas? Solucionar isso de vez. Como? Não sei. Talvez criando novas equipes de investigação. Visitem EUA ou outro País.
– Parar de falar que Pré-Sal é “salvação da lavoura”. Isso não leva a nada.
– Mandar estes marqueteiros de última geração, para aquele lugar…
– Gastar menos na propaganda de Governo.
– Pegar os corruptos e corruptores e soltar em alto mar onde existir
 muitos tubarões.
– Autorizar só obras que vá realmente beneficiar a população.
– Empreiteiras no cabresto, isto é: nada de superfaturamento propina e roubalheira. E se uma obra afundar, cair ou explodir; ninguém receberá nada em pagamento, mais que justo.
– Deixar de mentir para os eleitores, isso ajudaria muito.
Se não der resultado é melhor pedir o boné do SMT e sair da cadeira.
“Só assim deixaremos de ser piada no exterior”

De um brasileiro indignado

A GUERRA DA ÁGUA

Imagem G1

São Paulo sofre com a falta d’água, por aqui ainda vemos muitas domésticas lavando a calçada e marmanjos jogando água no carro.
O Sistema Cantareira já está no fundo do poço. Dizem que foi falta de investimento noutro local, para garantir no futuro, deu no que deu.
O Rio de Janeiro não quer deixar o Governador de São Paulo fazer uma ligação do Rio Paraíba do Sul, com medo de também ficar sem água.
É muita falta de inteligência dos administradores anteriores ter apenas um sistema de captação para uma cidade como São Paulo.
As guerras do futuro serão por causa da água. Há 4.500 anos, na Mesopotâmia já havia conflitos pela mesma razão. (UOL).

No Brasil a “Guerra da Água” vai começar já, o IGAM (Instituto Mineiro de Gestão das Águas) quer: “O pagamento pelo uso da água é devido por atividades que fazem captações em cursos de água ou subterrâneas que superem 86.400 litros por dia. Também são cobrados o aproveitamento de potenciais hidrelétricos e o lançamento de esgotos e efluentes em corpos d´água.”

Possível redução de oferta de água potável em regiões subtropicais secas e aumento de disputas por água. Relatório divulgado mostra que os mais pobre sofrerão mais com o aumento da temperatura global. (O Tempo)

Enquanto isso a PF ataca doleiros na Operação Lava Jato, que prendeu muita gente por lavagem de R$90 milhões de reais, não economizando água. E o apelido do bandido é “Quadrado”.
Cada um no seu quadrado, sendo enquadrado e vendo o sol nascer quadrado.
A Polícia Civil do Piauí informou que os R$ 600 mil em notas falsas apreendidos nesta quarta-feira (26 de março) em Teresina foram comprados pela internet.
Para ganhar credibilidade, os falsários, velhos conhecidos da polícia, usavam crachás da Câmara dos Deputados e de outros órgãos públicos.
Eles vinham aplicando uma série de golpes utilizando as cédulas falsificadas. Em outra ocasião foram pegos em Brasília com a quantia de R$ 6 milhões também em notas falsas.
Com estas notas novinhas compravam imóveis no litoral e um deles comprou até 40 quilos de ouro.
Junto com o dinheiro falsificado foi encontrado uma coisa inusitada: o livro “Como convencer alguém em 90 segundos”  de Nicholas Boothman,  segundo o qual “é a garantia de uma comunicação de sucesso, transformando as conexões instantâneas em duradouras e pro­dutivas relações de negócios.”
Neste livro, o especialista ensina ainda como usar o rosto, o corpo, a atitude e a voz para causar uma primeira impressão marcante, estabelecendo confiança imediata e criando fortes víncu­los de credibilidade.
Estamos precisando deste livro para vender nossos livros…
Outra quadrilha que assaltava bancos com dinamites preferia aquecer as notas, mas se deu mal e foram presos pela polícia.
E a refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos? Collor foi derrubado por muito menos, comparado com os bilhões perdidos nesta negociata da estatal brasileira.
Enquanto isso uma comissão interna diz que vai apurar as denúncias.
E a CPI da Petrobrás segue uma caminho tortuoso. Interessante que nesta semana as ações da empresa subiram de preço.
Vá entender o mercado de ações! Coisa de louco.
Manoel Amaral
Fonte: Folha de São Paulo
Jornal Estadão
Jornal Globo
Jornal O Tempo
Revista Veja
UOL

B. CASSIDY & S. KID – V

B. CASSIDY & S. KID – V

AS FARC

Como as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – FARC monitoravam o sistema de rádio da polícia, ficaram sabendo que qualquer coisa estranha estava acontecendo.

De imediato, vinte terroristas, armaram um bloqueio depois de uma curva.
Kid estava achando tudo muito tranquilo, cutucou Cassidy que já cochilava. 

Este se assustou e perguntou do que se tratava:
¿Qué pasa amigo?
O motorista parou o carro e pensou que queriam descer.
–No quiero bajar.

Pelo pouco tempo que estavam naquele país até que a fala não estava tão ruim.

Quando ouviram um tiro de fuzil, aí a coisa piorou. Cassidy & Kid saltaram do veículo e se esconderam próximo de umas pedras. Nem se lembraram de levar o dinheiro.

José Ramon e Pretta abaixaram-se e ficaram esperando para ver o que acontecia.

Um grande tiroteio lá para os lados da curva. A polícia resolveu atacar os membros das FARC achando que eles tinham alguma coisa a ver com o assalto.

As FARC – Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colômbia, o Ejército del Pueblo, são consideradas uma organização terrorista pelo governo da Colômbia e pelo governo dos Estados Unidos.

Eles lutam contra “el deliberado propósito de enriquecer a una élite local privilegiada, en grave perjuicio delos intereses de las grandes mayorías colombianas”.

Pois é, mas a luta lá longe continuava, até que os quatro amigos entendessem que aquilo tudo não tinha nada com eles.

Ramon reconheceu um amigo no meio do mato e fez um sinal para aproximação. Ele andava meio sumido, tinha entrado para as FARC.

Tudo arranjado, com alguns bolívares nas mãos e o assunto resolvido, iria conversar com o seu chefe.

Benedito Cassidy, Salvador Kid, Pretta Silva e José Ramon infiltrar-se-iam no bando e ninguém diria mais nada.

No outro dia três cadáveres foram encontrados na estrada, os rostos desfigurados. A polícia  boliviana informou a Interpol que haviam matado os bandidos brasileiros.

Manoel Amaral

B. CASSIDY & S. KID – IV

B. CASSIDY & S. KID – IV

Os Terroristas

Os nossos amigos não sabiam que a polícia já tinha fotos de Pretta que agia em atitude suspeita dentro do banco e tudo foi registrado pelas câmaras de segurança.

Cassidy, mais esperto, pensou em entrar no fim do dia, quando os funcionários estivessem saindo, o que facilitaria o controle da ação e a fuga.

Estudadas todas as possibilidades, acharam melhor entrar mesmo à noite. 

Aqueles dias de heroísmo acabaram, agora era melhor tomar mais cuidado.

Alugaram uma casa próxima ao banco, compraram alguns macacões azuis, de instaladores de TV a cabo e trabalharam a noite inteira, serrando as grades de uma  das janelas dos fundos do banco. Deixando a mesma presa apenas pela parte superior, de maneira que a hora que fossem usá-la era só puxá-la para cima e a entrada ficaria fácil.

Estudaram os sistemas de alarme e a possibilidade de desligá-los, mas não era tão fácil assim.

Resolveram entrar assim mesmo, retirar o dinheiro dos caixas eletrônicos sem explosões, apenas usando maçarico.

Vieram na noite de quinta feira, retiraram o dinheiro mas na saída tiveram a surpresa de encontrar com soldados da polícia boliviana que foram avisados pelos alarmes por detectores de presença de infravermelho.

Refeito do susto dobraram a esquina e entraram no carro que já estava ligado.

O motorista era um cara experiente e conhecia todos os caminhos daquela região. Foi logo saindo para periferia e atingindo a rodovia principal.

Aquele não era um dia de sorte, mais adiante, num entroncamento havia novos policiais a espera dos assaltantes do banco.

José tomou um desvio, estrada de terra e partiu para o meio da floresta.

Manoel Amaral

B. CASSIDY & S. KID – III

B. CASSIDY & S. KID – III

O Primeiro Assalto

Cidade grande, diferente das que assaltavam no Brasil. Kid já foi logo para o centro financeiro, ali nos arredores da Praça 24 de Setembro.

Viu muitos bancos, mas optaram por um pequeno, para experimentar. 

Analisaram as saídas, o trânsito e outros detalhes que ia anotando no seu caderninho de bolso.

Cassidy estudava a possibilidade de contratar algumas pessoas para ajudarem na empreitada. Sondava nas periferias da cidade. Comprou um carro, mesmo sabendo pouco da língua.

Pretta fez um depósito na agência e anotou todos os detalhes internos. Inclusive ficou muito amiga de um dos seguranças, que a convidou para sair à noite.

Ela fotografou, disfarçadamente, as câmaras de segurança de todo o saguão e da parte onde estavam os caixas e o cofre.

Trabalho terminado deu abraço apertado no segurança e soltou um suspiro apaixonado, coisa que ela sabia fingir sempre.

Dois dias depois voltou ao banco para concluir alguns detalhes que Cassidy achou importante.

Reuniram à noite nas imediações da Av. San Martín, no bairro Equipetrol, para devorar o churrasco à boliviana na Casa Típica de Camba.

Kid ressabiado pela dor de barriga que sentiu na viagem, comeu pouca carne, preferindo mais as saladas.

Ficou combinado que o assalto seria numa quinta-feira, do início do mês, quando o movimento financeiro era maior, dia de pagamento dos aposentados.

Estudaram duas opções: entrar à noite, explodir os caixas eletrônicos e tentar abrir o cofre ou invadir o banco durante o dia, o que acharam mais perigoso.
Pretta sugeriu que ela entraria ao meio-dia, pela frente e os dois amigos entrariam pelos fundos, por causa da porta giratória detectora de metal, rendendo os velhinhos, sem atirar em ninguém.

Kid achou melhor explodir tudo à noite e sair com o dinheiro, indo direto para alguma floresta que encontrassem.

Manoel Amaral

THE NEW WEST – I – Os Cowboys do Asfalto

THE NEW WEST – I

OS COWBOYS DO ASFALTO

“Mais que de máquinas, precisamos de humanidade.”

Charles Chaplin


Eles chegam em seus velozes cavalos mecânicos, portando equipamentos eletrônicos de alta geração.

No lugar de máscaras usam capacetes, com viseiras rebaixadas tornando-os assim irreconhecíveis.

Usam calças e blusões de couro negro, botas especiais e luvas.

Numa aceleração constante, no meio daquele trânsito caótico, atingem qualquer local com muita facilidade.

Andam sempre em dupla. O cavalo do velho oeste carregava apenas um assaltante; hoje, o mecânico, leva dois.

Visam a vítima, param no local escolhido. Um desce e faz a coleta do dinheiro dos postos de combustíveis.

O outro fica ali a espera do colega, para a fuga desenfreada no meio da rua.

A Polícia vai atrás, quando é alertada a tempo, mas dificilmente consegue prender os assaltantes.

Estamos no “Novo Oeste”, onde assaltar e matar são coisas corriqueiras.

Cidades do interior não tem mais sossego. As pequenas agências ou postos bancários são assaltados com mais facilidade.

Eles chegam, amarram e prendem os funcionários (geralmente mulheres) nos banheiros.

Abrem o cofre com muita agilidade, recolhem o dinheiro, limpam também as gavetas dos guichês de atendimento e ainda têm a audácia de assaltar os clientes do banco.

Muitas vezes dinamitam os caixas eletrônicos levando tudo, quando não levam os ditos.

Quando são presos, um sempre escapa e o dinheiro roubado não aparece.

Tempos modernos, como diria Charles Chaplin.

Manoel Amaral

http://osvandir.blogspot.com

OSVANDIR E AS CHUVAS ESTRANHAS

CHUVA DE SANGUE

Até 27 de fevereiro de 1903, grande quantidade de matéria, vermelha como sangue, caía na Bélgica, Holanda, Alemanha, Suíça, Austrália, Inglaterra, Oceano Atlântico, Áustria, Canárias e na Rússia sendo que em alguns casos quase toda a matéria era orgânica, aproximadamente dez milhões de toneladas.

CHUVA DE PEIXES VIVOS

Em um dia claro e quente de maio do ano de 1956, peixes vivos precipitaram-se do céu em uma fazenda em Chilatchi, Alabama, EUA. Testemunhas disseram ter visto os peixes caírem de uma certa nuvem que se formou a partir de um movimento espiralado “vindo do nada”.

CHUVA GELATINOSA

Em agosto de 1994, a cidade de Oakville, em Washington recebeu uma chuva de uma substância gelatinosa, transparente que cobriu o lugar de aproximadamente 640 habitantes. Um oficial de polícia teve que parar a viatura pois a substância era viscosa e começou a ‘colar’ no pára-brisa impedindo a visão. No dia seguinte, caiu doente.

CHUVA DE PETRÓLEO

Chuva no deserto? Isso aí, e também não consegui entender. O ponto final foi à chuva de petróleo que caiu sobre os soldados na Guerra do Golfo. Eles ficaram indiferentes mesmo sabendo que andavam e estavam encharcados de um produto altamente inflamável. A falta de conexão com a realidade abala ainda mais a força da narrativa.

CHUVA ÁCIDA

Chuvas em regiões muito poluídas podem carregar certas substâncias presentes no ar, provocando efeitos bastante danosos. Estas precipitações, que podem ocorrer sob a forma de chuva, geada, neve ou neblina, são chamadas de chuvas ácidas.
A chuva ácida pode contaminar o solo, as plantações, os rios e os lagos, que levam as substâncias venenosas trazidas da atmosfera até locais muito distantes de seu ponto de precipitação.

CHUVA DE PEDRA

Há cerca de uns 10 anos, caiu uma forte chuva de pedra em Nova Serrana-MG, destruiu até telhados de galpões industriais. A maioria dos carros foram danificados. Nunca se viu pedras de gelo tão grandes.

CHUVA DE PEIXES EM MINAS

Em fevereiro de 2007, CHUVA de PEIXES caiu em PARACATÚ-MG, esse fenômeno deveria ser melhor explicado. Várias pessoas presenciaram o fato.

CHUVA DE BALAS PERDIDAS

O Rio vive mais um capítulo (a chuva de balas perdidas que já fez mais de 30 vítimas inocentes em uma semana) da violência urbana que já dura há décadas.

CHUVA DE LIXO ESPACIAL

Fevereiro 2008 – Um grande satélite de espionagem dos Estados Unidos perdeu energia e propulsão, e poderá colidir com a Terra entre fevereiro e março, informam fontes do governo americano. Um foguete será lançado para destrui-lo, pois seus tanques de combustíveis contém substâncias letais.
CHUVA DE TRAFICANTES
1960/2008 – Uma chuva de traficantes continua caindo nas favelas do Rio e São Paulo e até hoje estão lutando contra a polícia.

CHUVA DE DINHEIRO

AGOSTO 2005 – Essa não caiu na rua ou na mão do povo. Ficou nas mãos de poucos privilegiados. É o caso do maior assalto a Banco no país. Até hoje não se sabe onde foi parar a maior parte do dinheiro.
Ladrões cometeram um assalto ao Banco Central do Brasil, em Fortaleza, no Ceará, entre 6 e 7 de agosto de 2005. Foi provavelmente um dos maiores assaltos a banco do mundo e o maior assalto a um banco brasileiro. A escavação demorou cerca de três meses.
Segundo a Polícia Federal, com base em estimativas a partir do peso das notas roubadas (3,5 toneladas), foram roubados aproximadamente R$164,7 milhões. As notas todas empilhadas daria uma altura de quase 33 km.

CHUVA DE TAPIOCA

Um político, com o seu cartão corporativo, pagou conta de tapioca.

CHUVA DE POLÍTICOS CORRUPTOS

Uma chuva de políticos corruptos caiu sobre Brasilia.

CHUVA DE BURACOS

Sem contar a dita chuva, uma grande quantidade de buracos estão atrapalhando os motorista que trafegam por nossas estradas.

CHUVA DE MOSQUITOS

Janeiro
2008 – Uma chuva de mosquitos da febre amarela abateu sobre o Estado de Goiás.

CHUVA DE DROGAS

Em Fevereiro de 2008 uma chuva de drogas de todas espécies caiu nas quadras, pistas, ruas e nos salões de bailes de carnaval do país.

CHUVA DE CARTÕES CORPORATIVOS

1998/2008 – Uma chuva de cartões corporativos foram distribuídos aos funcionários do primeiro escalão do Governo Federal, desde FHC e continuam dando problemas até hoje.

CHUVA DE CHAVES

Uma chuva de Chavez está sempre caindo na Venezuela.

CHUVA DE ÓVNIS

Janeiro/Fevereiro 2008 – Muitos óvnis já apareceram nos canaviais de Riolândia-SP.

CHUVA DE VOTOS

Fevereiro 2008 -Nos Estados Unidos uma chuva de votos caiu nas urnas, todos em favor do Candidato Obama.

CHUVA DE AGENTES

Muitos espiões internacionais estão envolvidos no roubo de documentos da Petrobrás. Dá até filme no estilo de James Bond.

CHUVA GELATINOSA

Uma forte chuva gelatinosa caiu sobre a cidade de Riacholândia. Osvandir foi investigar e encontrou uma avião caido no canavial, todo cheio de gelatina.

Manoel Amaral
www.afadinha.com.br

================================================
FONTE: O Osvandir faz questão de indicar as fontes de tudo que publica:
FORT, Charles. O Livro dos Danados. Trd. Edson Bini, Marcio Pugliesi. São Paulo, Hemus, 1978.
http://www.fenomeno.matrix.com.br/fenomeno_fenomenos_1_agua-peixe.htm
http://fortran.dec.uc.pt/~saag/chuvaas.htm
http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080127034420AAbcIPp
Perguntas Yahoo
WIKIPÉDIA
Cadernos de anotações do Osvandir