OSVANDIR & DOURADO


DOURADO VIROU OURO

“Não são as espécies mais fortes que sobrevivem,

nem as mais inteligentes,

e sim as que respondem melhor à mudança.”

Alexandre Bortoletto

Nem a chata dançarina Lia;

A falação da policial Maroca;

A estratégia do Advogado Alex;

O Jogo da tuiteira Tessália

A inocência do publicitário Michel;

A dança do ator Uillian;

A moda do estudante Serginho;

As previsões do engenheiro agrônomo Eliéser;

A maqui(n)ação do Dicesar;

Os olhos verdes da cirurgiã Fernanda;

O sotaque nortista de Ana Marcela;

O corpo sarado do Personal Trainer Cadu;

Nem o jornalismo de Angélica;

Nem o cacau da empresária Cláudia;

O doutorado em lingüística da Elenita;

A Joseane que rodou na primeira semana.

Nada disso adiantou, Marcelo Dourado arrancou o primeiro prêmio. Mas não haveria um engano? Foi o Bial quem errou, pegou a lista de cabeça para baixo. O povo votou para o Dourado sair, não para ganhar o primeiro prêmio.

Manoel Amaral

BBB 10 E OSVANDIR

A chata da Lia enchia a cara num canto, agarrada ao Cadu. Dicesar e Serginho dançavam na pista. Fernanda tropeçando em todo lugar. Anamara falando que nem papagaio e brigando com a Lia. E o Dourado cuspindo por todo lado.

Era este o panorama daquela noite, por volta das vinte e três horas. Mais uma festa do na casa do BBB 10, em 17 de março, tocava a banda Crossover, com participação de Junior Lima (da ex-dupla Sandy & Jr).

Entraram os mascarados e fantasiados de preto, verificaram os banheiros, a cozinha, os quartos que por sinal estavam bem bagunçados e a sala de jantar. Foram até no quarto do líder experimentar as bolachinhas. Dançaram ao som da banda, comeram, beberam e saíram sem ninguém desconfiar quem seriam eles.

Na saída, um dos jovens mascarados, esbarrou na bateria do conjunto e deixou cair a sua máscara. Rapidamente agachou-se, fazendo um passo de dança, agarrou um pedaço de tecido, cobriu o rosto e saiu pela porta dos fundos.

Só quem estava bem próximo pode notar, era Osvandir, que fora convidado para participar daquele evento.

Manoel Amaral