O beijo de língua do til, na portuguesa

Ou o beijo do til e a língua portuguesa

A Sátira e a Paródia, sarcásticas, saíram juntas com o Humor Negro, que agora havia mudado de nome para Humor Afro-Descendente, por questões raciais; estavam em festa de estranhos.

O C saiu abraçado com a , (cedilha), fazendo a maior festa.

O Q estava encostado no muro parecendo um gato perdido na noite, a procura de sua gata.

Os estrangeiros K, W e Y estavam querendo entrar de penetra na festa. Alguém até gritou:
__ Pegue este aí do meio, que parece uma âncora de navio inglês e fica querendo botar banca por aqui, ora!

O Y pegou o (travessão) e partiu para cima do _ (underline). Se não fosse a intervenção do K a coisa tinha ficado feia.

A ? (interrogação), com aquela mão de Capitão Gancho, saiu interrogando todo mundo, queria saber onde estava a ! (exclamação), que não parava de dar saltos e ficar com a cabeça para baixo.

A @ (arroba) juntou-se com $ (cifrão) e foram tomar uma cerveja no bar do % (por cento).

Nesse meio tempo chegou o ¨ (trema) e reclamou para os : (dois pontos) que ninguém queria sair com ele, estava abandonado.

O + pensando melhor resolveu se juntar ao = para promover a união entre as pessoas.

Quando * (asterístico) apareceu, o & (tironiano) ficou impressionado com tanta beleza.

Os ( ) (parênteses) que não tinham mais parentes por ali, aproveitaram para fazer a maior farra.

As { } (chaves) e os [ ] (colchetes) largaram a matemática num canto e foram namorar num lugar mais escuro.

O § (parágrafo) e Item perguntaram para a / (barra) como estava a barra, esta respondeu que ia tudo bem.

A (reticência), toda inocente, ficava no escurinho cochichando com o etc.

O ~ falou para o “a” e o “o” que poderiam perder a esperança que ele não iria mais ficar em cima deles. Sabendo desta decisão, o ^ também disse ao “e” e ao “o” que não iria posar de chapéu só para embelezá-los.

O . falou para “,” sair de baixo, não formariam mais o ;.

Ele o # (sustenido, mais conhecido por cardinal ou popularmente por joguinho da velha) não era um bom músico, por isso o ´ (agudo) e o (grave) disseram que não poderiam sair juntos, foi apenas uma desculpa, eles havia arranjado duas garotas, as “” (aspas).

As bebidas foram diminuindo, os ânimos crescendo e novamente o K, o W e o Y apareceram para arranjar confusão. Queriam entrar de qualquer jeito.

Quando tudo parecia perdido chegou um baixinho, preto e redondinho e resolveu a situação. Apagou as luzes e mandou todo mundo ir embora. Era o valente ponto final.
Foi aí que Osvandir percebeu que havia cochilado em cima do teclado do computador.

Manoel Amaral 🙂

OSVANDIR E O ATAQUE

“Um Cavalo-de-Tróia do ransonware invade seu PC e
compacta todo o conteúdo da pasta “Meus Documentos”
para um arquivo protegido por senha.”
(Fernando Mellis)

Estávamos numa sexta-feira, véspera de um feriadão, pois na terça seria dia-santo, então ninguém iria trabalhar na segunda, ficando tudo paralisado até quarta-feira.

Osvandir chegou de uma de suas viagens na quarta de manhã. Ao consultar a sua caixa de e-mail, verificou uma mensagem meio esquisita.

Exigiam um determinado valor para liberar arquivos do Windows, com extensão .DOC.

Indicavam a conta onde deveriam ser depositado o tal valor.

Osvandir lembrou que uma semana antes havia aberto, por acidente, um e-mail com anexo de extensão .EXE.

A primeira coisa que lhe veio à mente foi verificar os arquivos com as suas histórias, que iniciam sempre com o seu nome.

A decepção foi muito grande! Não encontrou nenhum arquivo, nas pastas, e nem na listagem normal da abertura de MEUS DOCUMENTOS. Olhou no Desktop, nada! Nenhum arquivo com início da palavra Osvandir. Ficou apreensivo! Todas as suas histórias foram retiradas dos arquivos do computador, bem como outras que tinha relação com tais documentos.

Ligou para um de seus amigos e fez a exposição do problema. Ele respondeu:
__ Pode ser um CAVALO-DE-TRÓIA, instalado inadvertidamente em seu computador. Ele compacta todo o conteúdo da pasta “Meus Documentos” para um arquivo protegido por senha, caro amigo.

__ O que poderemos fazer? – perguntou aflito Osvandir.

__ Primeiro alguns conselhos: Jamais abra arquivos com anexos e nem rode executáveis, se não conhecer bem quem é o remetente. Todo cuidado é pouco em fim de ano, quando recebemos Cartões de Natal, solicitação de nova amizade, faturas falsas, e-mails de bancos (eles não enviam e-mails para ninguém), ofertas de jóias ou eletrônicos (celulares, câmeras digitais) a preços baixíssimos.

__ Mas as tentações são muitas e é muito difícil resistir a tais ofertas.
__ Pois é meu caro, mas aí é que reside o perigo. Cuidado com as ofertas gratuitas de toque de celular, músicas e leilões. Todos podem conter vírus.

__ Mas e agora, o que eu faço?

__ Vamos tentar solucionar este problema! Este tipo de “seqüestro” é chamado de “Ransomware”. Os hackers (na realidade os crackers) seqüestram os arquivos do computador, criptografando-os e tornando-os ilegíveis e inacessíveis. Os arquivos só são devolvidos mediante pagamento de resgate.

__ Então é pior que estes seqüestros por telefone, onde os bandidos exigem certa quantia para soltar uma pessoa, que na realidade, não foi raptada, mas a família que não sabe disso, fica muito apreensiva e dependendo da situação, pode até pagar o resgate.

__ Aqui precisamos fazer uma distinção: Hackers são do bem, Crackers são do mal. Os primeiros trabalham na segurança das empresas, os segundos tentam invadir os computadores, para obter vantagens ilícitas.

__O que resta é verificar se tem cópias em CD, nos arquivos. Se não tiver, procure a polícia. Não pague nada e não visite nenhum link presente no pedido de resgate.

__ E não tem nenhum programa de recuperação de arquivo?

__ Pode até ter, mas outro cuidado, ao fazer download de programas gratuitos, pode estar levando para o seu computador, vírus.

__ Meu Deus! Então não poderemos fazer mais nada, que pegamos vírus.

__ Também não é assim. Precisamos tomar cuidado com e-mails que tem anexos de extensões .cmd, .bat, .scr ou .exe. Deverá manter seu Sistema Operacional e aplicações de segurança, como anti-spam, anti-phishing, antivírus e anti-spyware, sempre atualizados.

__ Estou até com medo de mexer no computador. Lembro de uma vez que ao abrir as páginas que sempre trabalho, as letras foram caindo uma a uma. Fique horrorizado e desliguei o computador. Depois fiquei sabendo que eram os meus sobrinhos que pretendiam passar-me este susto.

__ Olha Osvandir, tem muitos crackers que invadem os sites de vendas para roubar informações pessoais dos consumidores que fazem compras pela internet usando computadores públicos ou redes de Wi-fi abertas.
__ Sei que existe até o Chupa-cabra, instalado nos equipamentos bancários, que retém dados dos cartões dos usuários.

__ Uma das precauções que recomendo é trocar todas as suas senhas,(até as dos cartões dos bancos) não usando nome próprio, data de nascimento e outras fáceis dos ladrões associarem.

__ Ao comprar pela internet devemos verificar o endereço físico da loja…

__ Isso é outra coisa que devemos prestar a atenção, precisamos saber, nome, endereço, telefone e e-mail, para o caso de uma devolução, troca ou reclamação qualquer. Só comprar de lojas conhecidas.

__ Agora mesmo vejo em meu grupo alguém reclamando que estão enviando e-mails a seus amigos oferecendo Viagra, como pode ser isso.

__ Pode acontecer de o computador estar infectado e enviando e-mails falsos, sem o seu conhecimento.

__ Olha aqui, Osvandir. Não precisa preocupar-se, todas as suas histórias estão gravadas em CD. Deve fazer isso toda semana, não se esqueça, – disse o seu sobrinho. Mande formatar o HD e depois instale os anti-vírus, para não ter mais problemas.

__ Ufa! – Desabafou Osvandir.

Não receba Presente de Grego, neste Natal; fuja do Cavalo-de-Tróia!

MANOEL AMARAL

OSVANDIR & ESSAS ADORÁVEIS GAROTINHAS II E III

ESTAS ADORÁVEIS GAROTINHAS II

Capítulo II
Nos Computadores

“Um dia eu sou menina,
no outro sou mulher.
Há dias em que o espelho é meu amigo,
outros, meu pior inimigo.”
(Bárbara)

Elas fazem tudo nos computadores. Com a mão esquerda digitam um texto no teclado, com a direita no mouse e com o fone nos ouvidos conversam com as amigas(os) ao mesmo tempo. Em MSN falam com uma terceira, discutem os temas das provas e comentam as novidades.

São multifuncionais, sem errar em nenhum lugar. Claro que o linguajar é bem reduzido, mas dá para todo mundo entender.

Não usam acento nenhum e criaram uma nova regra ortográfica da língua portuguesa.

Recortam fotos, clareiam fundos, corrigem posturas, mudam de posição e lá está uma nova foto para o álbum de fotografias do Orkut.

Criam blogs, ganham prêmios e selinhos e levam a vida como se o mundo fosse acabar amanhã.

Passam nos blog de suas amigas, leem o da Revista Capricho, ficam sabendo das últimas novidades.

E com facilidade acessam o twitter de qualquer lugar, do seu celular, ultra-moderno, ficam sabendo a maioria dos acontecimentos e envia uma mensagem curta o que faz com que isso seja transmitido e retransmitido rapidamente.

Uma novidade no Rio de Janeiro, logo é enviada para o país inteiro e o resto do mundo, traduzida pelo Google…

ESTAS ADORÁVEIS GAROTINHAS III

Capítulo III
Nos Parques de Diversão

Não basta ser linda, tem que ser maravilhosa.
Não basta querer, tem que poder.
Não basta ser boa, tem que ser talentosa.
Não basta ser inteligente, tem que ser esperta.
Não basta despertar vontade, tem que despertar desejo.
Não basta ser uma qualquer, tem que ser única!
(Brenda)

Pulam da Roda Gigante para o Carrinho de Choque, vão ao Carrossel, gritam na Montanha Russa e se assustam no Trem Fantasma. Acalmam na piscina de bolinhas e não querem saber de pequenos carrinhos.

Quando os pais pensam que tudo já acabou, ainda restam os Tobogans.

Comem pipoca, atiram nos bonecos de pelúcia, jogam argolas nas garrafas, compram algodão doce e misturam com churrasquinho de frango.

E agora os pais pensam que realmente acabou e elas dizem que vão passar no shopping…

E aí vão a praça de alimentação, jogar boliche, aparelhos eletrônicos e a dança do momento.

Quando exaustas, e os pais também, de segui-las à distância, ou de receber constantes telefones tipo mensagens enigmáticas:
__Pode vir, estamos no Shop… antes de completar a palavra, desligam!

MANOEL AMARAL
Leia o primeiro capítulo mais abaixo

OSVANDIR & O DIA EM QUE A INTERNET ACABOU IV

Capítulo IV

A VOLTA

“E tudo voltou como d’antes no castelo de Abrantes”
(Sábio Velhinho de Jerico)

O povo em polvorosa, gritando:
__ A energia elétrica chegou! Os rádios e TVs estão funcionando!
__ Mas o que estão falando sobre a estranha luz, perguntou Osvandir.
__ Nada ainda, respondeu Jeq.

A TV da sala da casa do Prefeito e a do bar da praça, estavam funcionando. Ora vinha a imagem de um militar, ora de um homem parecido com o Presidente.

A viagem do Osvandir foi adiada até segunda ordem. Precisava saber mais alguma coisa.

Foi com Jeq até a sua sala de trabalho e tentaram ligar o computador.
Só aparecia uma tela vazia e sem cor. Internet não estava conseguindo acessar.

Quando eles conversavam uma imagem apareceu na tela, que não parava de girar. Algumas letras foram completando o texto:

______________________________________________________________
A página não pode ser exibida
A página que você procura não está disponível no momento.
Talvez o site esteja passando por dificuldades técnicas ou você precise ajustar as configurações do navegador.

_______________________________________________________________

Que navegador? Não tinha nenhum para usar. Mas qualquer coisa já estava começando a funcionar.

Os nerds de garagem já estavam bolando planos para novos programas.
Google não existia mais, nem yahoo, muito menos UOL e Gmail. Funcionava muito mal um tal de Yagoo…

Os programas do Bil Gates foram para o beleléu… Uma vantagem grande foi que os vírus desapareceram.

Alguns joguinhos, simplezinhos, já estavam funcionando.

Os nossos arquivos foram todos deletados. Alguns processadores de textos foram entregues ao público gratuitamente.

Só os Militares estavam usando a internet fluentemente. O povão dependia das Companhias de Telefonia, Satélites, um inferno sem fim…

Um grupo de programadores estava trabalhando rápido para colocar à disposição do povo uma série de programas.

Um buscador já funcionava a todo vapor: Busk. Um navegador também começava a dar as caras: Jangada. O melhor processador de textos até o momento era o ÁgilStar. Neste campo de programação, os brasileiros estavam levando a melhor. Novos programas de e-mail: Carta e Recado.

Os blogs começaram a surgir, assim meio acanhados e os principais provedores de blogs eram: Valentepress, AsilBR. Todos os domínios passaram a ter números, ao invés de ponto com. O do Brasil era 666.

Os computadores estavam muito valorizados, porque a maioria foram abandonados e inutilizados. Senhor José, dono de grandes galpões de peças velhas de informática estava faturando bastante.

Foi aí que a China começou a vender aquelas porcarias bem baratinhas que todo mundo podia comprar. Os parentes de Bill Gates lançaram no mercado o Windows 3.0, limpinho, sem aquelas bobagens que pareciam árvore de natal, com presentinho dependurado por todo lado. Só processador de texto, mais nada. Pagava-se apenas uma pequena taxa de uso. O mercado reagiu, eles ficaram bilionários novamente.

As empresas fabricantes de anti-vírus, colocaram maliciosamente no meio, os seus vírus. O comércio eletrônico voltou a funcionar normalmente. Só o povo que estava um pouco atrasado com os assuntos da área.

O barateamento do CPU garantiu a aquisição de PC por muitas pessoas, o caminho seguido desde o ano de 2011 era o de simplificação.

Todos os programas eram “baixados” apenas para uso pessoal. Ninguém precisava mais comprar qualquer tipo de software. Estavam todos disponíveis na internet. Isto significa que os computadores eram usados apenas para a conexão. Ninguém precisava fazer dowload e nem comprar aquelas placas caríssimas.

Filmes? Vídeos? Fotos? Livros? Música? Estava tudo lá, bem guardadinho, como se você fosse procurar na locadora ou biblioteca.

A TV, o PC e o DVD finalmente estavam unidos num só aparelho.

Grandes espaços eram reservados na rede para os arquivos, cerca de 15 giga por pessoa física, para guardar o que quisesse, sem custo algum. Só as pessoas jurídicas pagavam um preço mensal.

Os Celulares começaram a gritar por todo canto e o petróleo do pré-sal, esquecido nas profundezas, voltou a jorrar e este país a funcionar. Funcionar?

“E tudo voltou como d’antes no castelo de Abrantes!”

Manoel Amaral

Leia mais Osvandir em: http://www.textolivre.com.br/component/comprofiler/userprofile/Manoel