AÇAÍ OU ASSAÍ?

AÇAÍ OU ASSAÍ?

Imagem Google


Osvandir vem notando que as lanchonetes onde vendem açaí e outros sucos de frutas vêm prosperando muito na cidade.

Outro dia encontrou uma lanchonete com frutos do cerrado, o sucesso foi tanto que alterou o título para frutos do Brasil e está vendendo franquia para todos estados.

Já a minha neta diz que para ovelha montar um negócio é muito fácil, basta tirar a lã,  colocar nas paredes e está pronta a Lã House.

Mas comércio por aqui (e acredito que em todo o país) é assim: montam um bem pequeno e daí uns três meses, não aguentando o aluguel, contador, energia, telefone, empregados; já fechou as portas. Comércio tem que ter estratégia, observar e pesquisar o local, a data abertura também influencia. 

É preciso estudar os produtos, as despesas, os lucros e o capital de giro.
Se montar uma loja em Shopping ainda tem as altíssimas despesas de condomínio.

Nunca faça como o Joãozinho da D. Mariazinha: achou que estava na hora de trabalhar por conta própria e lá se foi. Alugou uma loja bem no centro, nem perguntou o preço. Comprou um grande estoque de roupas e ficou aguardando os clientes.

No fim do mês achou que as vendas estavam indo bem, foi até a uma agência de carros e levou um dos mais caros.

No terceiro mês as vendas não foram lá grandes coisas e o pobre do Joãozinho que já era pobre, ficou mais pobre ainda: teve que devolver o veículo.

Quanto as lanchonetes são de sucos, alimentos rápidos, cafezinho e outras bebidas. Por aqui tem gente especializada em empadas e distribui por toda a cidade.

É o tipo de comércio que também naufraga com muita facilidade. Tudo depende do ponto e da paciência do dono, já dizia um velho comerciante.
Mas vi a placa e achei engraçado: Venha saborear o nosso assaí. Até o programa do Word assustou-se e grifou a palavra de vermelho.

A palavra açaí se escreve mesmo com “ç”. A outra só se for o caso de um churrasquinho e então o sujeito diz: — Assa aí um churrasco de coração de frango, que eu adoro.

Vamos ficar por aqui. Amanhã tem mais.

Manoel Amaral