CONCURSO LITERATURA

REGULAMENTO GERAL DOS CONCURSOS DA ACADEMIA DIVINOPOLITANA DE LETRAS
Edição 2015
I
OBJETIVOS
            Os objetivos principais dos diversos concursos, patrocinados pela Academia Divinopolitana de Letras são: aprimorar o gosto pela arte literária e incentivar novos talentos.
II
TÍTULOS DOS PRÊMIOS
            Para fazer memória de imortais da Academia Divinopolitana de Letras, os prêmios, em cada categoria, lembram os que se distinguiram no respectivo exercício literário.
III
CATEGORIAS E PRÊMIOS
            Em 2015, teremos:
Concurso de Sonetos – Prêmio Sebastião Bemfica Milagre
Concurso de Trovas     – Prêmio Jadir Vilela de Sousa
Concurso de Crônicas – Prêmio Nylce Mourão Gontijo
Concurso de Contos     – Prêmio Gentil Ursino Vale
Concurso de Poesia (versos livres) – Prêmio Rosa de Freitas Souza
IV
CONCORRENTES
            O candidato interessado pode concorrer, em qualquer das categorias ou em todas elas, mas com apenas UMA OBRA em cada. O trabalho deve ser digitado ou datilografado em TRÊS VIAS, espaço um e meio, de um só lado do papel A4, contendo o máximo de TRÊS FOLHAS, fonte Arial 12.
O tema é livre, sendo exigido texto inédito.
É vedada a participação de membros da Academia Divinopolitana de Letras.
IV
INSCRIÇÕES
            Os textos, que devem ser enviados pelo correio, na forma seguinte: a) um envelope, de maior dimensão, contendo, na parte externa, a indicação do concurso e respectivo prêmio e o endereço da Academia Divinopolitana de Letras abaixo mencionado e, na parte interna, o trabalho, com o título e subscrito com pseudônimo eum envelope menor, fechado, contendo, na face externa, o título do trabalho, a categoria e o pseudônimo escolhido e, dentro deste, ficha de inscrição no modelo anexo a este regulamente ou folha avulsa, tendo esta asinformações seguintes: nome completo, pseudônimo adotado, título do trabalho, endereço para correspondência, telefone e correio eletrônico, caso possua.
As obras concorrentes deverão ser enviadas exclusivamente para o seguinte endereço: ACADEMIA DIVINOPOLITANA DE LETRAS – Caixa Postal 28 – Divinópolis- Minas Gerais, CEP 35500-970.
A ausência de qualquer das formalidades exigidas para inscrição importam na desclassificação do concorrente.
V
PRAZO DO ENVIO DAS OBRAS E JULGAMENTO
            O prazo para envio dos trabalhos começa no dia 7 de fevereiro de 2015 e termina no dia 31 de julho de 2015. A data do envio será aferida pelo carimbo da postagem no correio.
Após conferência da regularidade do prazo de envio estabelecido neste regulamento, as obras serão selecionadas por Comissões Julgadoras, escolhidas pela Comissão Permanente e designadas pela Presidência da ADL, até o dia 5 de agosto do corrente ano, sendo constituídas exclusivamente por acadêmicos efetivos.
                              As Comissões Julgadoras designadas devem entregar o resultado de suas avaliações em 15 dias, contados do recebimento das obras a serem avaliadas e, de suas decisões, não há recurso.
A Comissão Julgadora, designada para qualquer das categorias, pode, a seu exclusivo critério, deixar de atribuir premiação ou conceder apenas certificados de participação, em parecer justificado, que a Comissão Permanente obrigatoriamente deve acatar.
VI
PREMIAÇÃO
            As obras, em cada categoria, serão classificadas, conforme entender a respectiva Comissão Julgadora, até o terceiro lugar, com as seguintes premiações: o primeiro colocado receberá troféu alusivo e diploma; o segundo e terceiro, diploma e livros ofertados pelos acadêmicos.
                                Não poderá haver empate em nenhuma colocação.
Não serão expedidos certificados de participação aos demais concorrentes.
                               A premiação ocorrerá em sessão solene da Academia Divinopolitana de Letras no dia 3 de outubro do ano em curso em local e horário a serem anunciados, devendo os premiados ser cientificados do resultado, e com pedido de confirmação de presença, no máximo até o dia 5 de setembro.    
VII
DISPOSIÇÕES GERAIS
A simples remessa de trabalhos significa aceitação completa deste regulamento.
Ficarão os trabalhos remetidos no arquivo da ADL pelo prazo de um ano, motivo pelo qual se recomenda aos que enviarem obras literárias mantenham cópias em seu poder.
Os casos omissos serão resolvidos, de modo definitivo e sem recursos, pela Comissão Permanente dos Concursos.
Comissão Permanente dos Concursos
Divinópolis,  7 de fevereiro de 2015
* Maria Aparecida Camargos Freitas
* Marco Antônio Pinto
* Fernando de Oliveira Teixeira
CONCURSO PERMANENTE DE LITERATURA
DA ACADEMIA DIVINOPOLITANA DE LETRAS
Categoria:
(  ) Sonetos         (  ) Trovas       (   ) Crônicas
(  ) Contos           (  ) Poemas: versos livres
Prêmio:
(  ) Sebastião Bemfica Milagre      (  )Jadir Vilela de Sousa  
(  ) Nylce Mourão Gontijo              (  )Gentil Ursino Vale
(  ) ROSA DE FREITAS SOUZA
Título:
Pseudônimo:
Nome do Autor:
Endereço (rua, número, telefone, endereço eletrônico):

O GOLPE DOS CARTÕES DE CRÉDITO



Ligo a TV e o Programa anunciava: Presa Quadrilha que usava cartão de crédito para gerar ponto que poderiam ser convertidos em passagens aéreas, diárias de hotel e outros benefícios.
Ai pensei: – Mas isso não é crime, está no contrato dos cartões de crédito – mas o programa foi desenrolando tudo e chegou onde estava a criminalidade.
Eles rodaram o mundo, uma família composta por quinze pessoas, conheceram a França, Suíça, Estados Unidos e muitos outros países.
Em três anos eles viveram um sonho que todos desejariam viver, Num ano torraram  R$39, milhões de reais.
Quem bolou o golpe foi um jovem de apenas 27 anos, técnico em informática, por sinal uma armação cheia de criatividade.
Teriam descoberto como multiplicar suas milhas aéreas.  O golpe era muito melhor do que estas histórias de cinema, eles vendiam e compravam deles mesmos, gerando pontos em centenas de cartões de crédito.
Forjavam gastos para poder usar cartões de crédito e, assim, criar milhas numa cascata. Uma viagem gerava gastos e assim os gastos criavam mais pontos nos cartões.
Haviam descoberto o “moto contínuo” nos preciosos Cartões de Crédito. Os bancos e as empresas dos cartões não estão nem aí para as despesas, quanto mais melhor. Os juros são altíssimos, daí pode surgir e prosperar estes golpes.
Usaram uma maneira simples de burlar todo mundo: emitindo boletos bancários falsos em que muitas vezes o pagador e o credor eram a mesma pessoa.
Como eram 15, poderiam emitir muitos boletos por mês e ninguém suspeitava de nada e isso tudo poderia ser convertidos em passagens aéreas, diárias de hotel e milhares de benefícios.
Tudo isso acontecendo numa rua pacata do Rio de Janeiro, onde foi planejado um dos maiores golpes com Cartões de Crédito.
Inventavam gastos irreais no cartão de crédito e criavam milhas.
Todos os boletos eram pagos com cartões de crédito, gerando mais e mais pontos para aquela família feliz que ficava viajando o ano inteiro, sem contar a casa cheia de objetos que compravam usando os pontinhos acumulados.
O dinheiro fazia um zig-zag entrando numa conta e saindo noutra da família, nunca deixando de gerar algumas milhas, para as próximas viagens. Trocavam estas milhas por passagens aéreas e estavam ganhando dinheiro negociando até com as agências de Turismo.
Foi aí que entrou em ação a PF e Ministério da Fazenda, investigando algumas contas que não fechavam. Colheram provas e um vasto arsenal de cartões de créditos, boletos bancários, passagens aéreas, notas fiscais e muitos documentos bancários.
E eu aqui pensando nos meus magros pontinhos, que nunca deram nem para uma passagem para o meu adorado Portugal.  Terra dos vinhos, dos azeites, dos azulejos azul e branco, dos pasteis doces e dos doces-doces das confeitarias.
Nem pensei em Lisboa, mas uma cidadezinha do interior, daquelas com menos de 10 mil habitantes; já estava bom.
Mas pobre é, e sempre será pobre.
Manoel Amaral

ONDE ENCONTRAR ASSUNTO PARA SUAS HISTÓRIAS

ONDE ENCONTRAR ASSUNTO PARA SUAS HISTÓRIAS

Imagem Google

Se for conto é tudo inventado, juntando um pedaço de uma conversa de rua com alguma coisa lida em qualquer lugar.

Uma observação da natureza, pássaros, animais, flores, árvores, etc.
Se for crônica costumo fazê-las baseado em jornais, notícias da semana ou do dia. O que se destacou das outras, assunto exótico.

Nos jornais populares é ainda melhor, muito fácil de encontrar o seu assunto.
Nos contos tomar cuidado que a realidade pode ser muito pior do que o romantismo do autor na sua ficção.

Hoje, com as drogas por todo canto a ficção não está significando grande coisa. A realidade, cruel, não passaria pela cabeça do escritor.

Então? Como dosar a pílula? Misture um pouco de realidade com um pouco de ficção e tudo vai dar certo.

Nos botecos, nos elevadores, na observação de pessoas na rua. Sente-se num local como uma praça e passe a observar, vai ver muitos assuntos para suas crônicas e contos.

Nas filas de bancos, supermercados, mercearias e até na sua igreja, podem surgir mil e uma histórias para você passar para o papel, omitindo os nomes, criando novos personagens, claro.

E aquelas anotações que você fez há uns dois anos, que estão no caderninho, em papel solto na gaveta ou no seu computador.

Eu tenho mais de 200 títulos para contos, que ainda não foram utilizados. Como já disse em outra postagem, escrevo primeiro o título, depois vou pensar na história.

No caso das anotações, coloco um roteiro para não esquecer o que deveria escrever.

E as histórias de sua netinha, que certamente daria um livro? Vá passando para o papel que no final dá certo.

Manoel Amaral

COMO COLOCAR TÍTULOS EM SUAS HISTÓRIAS

COMO COLOCAR TÍTULOS EM SUAS HISTÓRIAS

Imagem Google

Seria bom escrever todo o texto e só depois pensar no título, mas pessoalmente sempre faço o contrário primeiro coloco o título e só depois vou pensar na história.

Nas crônicas deve ter tudo a ver com o assunto, já nos contos deve ser bem chamativo, do contrário, não conseguirá nenhum leitor.

Nestes tempos de internet o título também deve ser curto, no máximo umas três palavras.

Em Portugal os títulos, quase sempre, são muito longos.

Seja criativo, mas não deixe de ver os jornais, as manchetes chamam os leitores, principalmente os jornais mais populares. E agora com os eletrônicos, os títulos tem uma importância enorme.

Se você está escrevendo uma história infantil é muito importante prestar atenção ao título, do contrário não venderá o seu livro.

Isso é muito interessante, mas já tenho visto uns títulos idiotas que mesmo assim vendem (deve ser à custa de muito marketing).

Tem um conto meu com o seguinte título: A personagem que matou o 
autor.

O SUBTÍTULO

Veja algumas capas de livros e verá que abaixo do título vem um texto, é o subtítulo. É para ajudar a chamar mais a atenção do leitor e complementar o título.

Manoel Amaral

www.casadosmunicipios.com.br