O COLETOR DE LIXO

O Coletor de Lixo
Zé Prequeté, lixeiro dos bons, trabalhava no morro recolhendo o lixo entre tiros de uma facção e outra.

O Chefão do Tráfico, que já estava com a sua cabeça a prêmio, o conhecia e estava sempre dizendo:

–Zé, passa lá em cima que tenho um lixo para recolher.

E ele ia sem medo nenhum, no meio daquele tiroteio diário.

Trabalhava de sol a sol e dava para tirar um dinheirinho para as despesas da casa.

Era solteiro, morava numa cabana, bem escondidinho aonde ia juntando tudo que poderia render-lhe algum dinheiro.

Também prestava serviços à população, quais sejam carregar uma sacola da D. Maria nas escadarias todas por uns trocados, ou levar algumas malas até a parte baixa.

Aquela manhã estava feia, o tiroteio aumentou, a ordem era não sair de casa.
Nos postes uns cartazes com foto do Chefão e embaixo uma palavra escrita com letras grandes: PROCURADO. E o valor era alto: R$50.000,00. Tudo em polvorosa, não sabia o que fazer, ficar em casa é que não podia.

Pegou o seu velho carrinho, subiu a ladeira, desceu o morro e foi parar num local onde nunca tinha ido; uma construção esquisita. Parecia uma torre, com várias janelas redondas de concreto puro, no meio daquelas casinhas pobres, algumas até feitas de papelão.

Zé entrou, pé-ante-pé, bateu numa caixa velha e ninguém respondeu. Pensou: –Não deve ter ninguém por aqui.

Olha daqui, pesquisa acolá e descobriu uma escada em espiral e no centro um cano grosso, igual aquelas de bombeiros. Resolveu descer pelo cano abaixo praticando uma travessura que sempre quis fazer.

Lá no andar de baixo não tinha móveis nem nada. Mas ao encostar-se numa parede ela moveu-se e o Zé assustou-se. Quando percebeu estava do outro lado, num quarto bem escuro. Olhou a fiação elétrica, não tinha. Ainda bem que nunca esquecia a sua velha lanterna. Focou nas paredes: nada e nem no teto. No piso umas Saliências esquisitas lá num cantinho.

Antes de tomar qualquer decisão pensou bastante. Foi até lá e viu que eram de metal. Passou a mão na testa, limpou o suor e foi em frente: apertou o primeiro botão. Um buraco apareceu e alguma coisa brilhou lá no fundo.

Zé Prequeté sentiu o coração bater fraco, sua pressão estava baixa. 

Sentiu uma tontura e dor de cabeça. A vista escureceu, pensou que ia desmaiar, sentiu um cansaço, visão embaçada e ficou com vontade de vomitar; pegou uma balinha no bolso e deitou-se no chão por alguns minutos. Quando melhorou foi ver o que tinha encontrado.

Pegou uma corda que sempre trazia enrolada na cintura, amarrou numa viga de aço e desceu com a lanterna em punho.

Cerca de três metros, para baixo, deparou com sacos e mais sacos plásticos, com notas de cem e cinquenta reais. Moedas desconhecidas e pareciam de ouro. Pegou um pacotinho de notas de cinquenta reais e umas cinco moedas.

Antes de voltar para sua cabana, fez questão de deixar  tudo igual como encontrara.

Pegou uma nota de cinquenta reais,  comprou alguns pães e pediu ao caixa da padaria que trocasse por notas menores.

Levou a moeda que brilhava, lá embaixo, onde tinha um joalheiro seu amigo e perguntou o que achava.

–Olha Zé, esta é uma moeda muito valiosa e não deve ficar andando com ela por aí.

–Quem sabe o Senhor poderia guardá-la para mim?

–Posso e te passo um recibo para sua segurança.

Capítulo II
O CASTELO

Zé subiu novamente o morro, desceu a escarpa e foi para aquele lugar secreto. Desta vez levou uns sanduíches e água.

Pegou as cordas amarrou na viga de aço e desceu até o fundo do buraco.
Amarrou todos os pacotes de dinheiro, que nem sabia quanto seria e puxou tudo para cima. Colocou um-a-um todos os pacotes no seu carrinho e cobriu com umas caixas velhas.

As moedas colocou-as num saco plástico reforçado.

Ainda ficaram vários sacos que levaria na segunda viagem.

Viu armas e muita munição, não quis pegar nada. Na favela quem está armado a polícia prende.

Desceu até a sua cabana, colocou tudo numa caixa de papelão e várias caixas por cima.

Visitou a parte baixa, fez barba e cabelo com o seu amigo.

Visitou a joalheria onde deixara a sua moeda valiosa e teve uma notícia não muito agradável: Ela fora assaltada na noite anterior e os ladrões mataram o proprietário.

Sobre a sua moeda o filho não soube informar nada.

O jovem não quis continuar o negócio do pai e mudou-se.

José, que não era bobo nem nada, tratou de mudar-se daquele local, procurando um apartamentinho lá embaixo. Pagou três meses adiantados, conforme norma da casa.

Comprou roupas novas e duas malas grandes, pensando no futuro.
Alguns meses depois viu uma reportagem sobre terras no Estado de Goiás. Resolveu que deveria ir para aquele estado tentar nova vida.
Informou sobre o preço da passagem aérea, achou um absurdo, mas comprou uma para o fim de semana.

Ele que nunca havia saído do morro, agora estava voando para outro estado e com as duas malas recheadas.

Procurou os jornais e anúncios de venda das fazendas. Ligou para alguns proprietários, foi anotando os preços e comparando.

Achou uma que lhe servia: foi ver o preço, quase caiu de costas. Conferiu com outras imobiliárias e o preço era aquele mesmo.

Contou um pacote de dinheiro: tinha R$5.500.000,00, perguntou ao advogado da empresa com aquele preço o que poderia comprar. Não queria coisa grande e sim conforto e próximo à cidade. O gado iria comprando aos poucos, nada que houvesse suspeita.

Visitou vários locais e viu um que poderia dar negócio, o problema era que a proprietária era muito bonita e ele não gostava de fazer negócio com mulher.

Mandou prepararem a documentação e marcou o dia para o pagamento. Informou que seria à vista, dinheiro vivo.

O corretor de olho no gordo dinheirinho da corretagem arrumou tudo direitinho marcando daí 15 dias, para assinaturas.

Zé que agora era Senhor José Dias mudou para aquele local e foi aprendendo como lidar com gado, como comprar e vender.

Conversou muito com vizinhos interessados na sua grana.

Lá no fundo da casa tinha uns tanques repletos de peixes já em ponto de comer, muitas tilápias e outros peixes.

Um dos tanques tinha só traíras, pois elas comem os outros peixes.

Zé resolveu até fazer um churrasco num sábado e convidou os vizinhos. 

Foi fazendo amizades, nisso ele era perito.

Quanto ao dinheiro estava bem guardado.

Viu e ouviu pela TV que a polícia havia invadido o morro e encontrado várias armas e aquele prédio ela conhecia bem…

Ficou bem caladinho e até arranjou uma namorada que lhe foi apresentada num churrasco.

Seu pai havia falecido e deixado um enorme herança e precisava de alguém para administrar os seus bens.

José Dias, rico, ficou mais rico ainda, acabou casando-se com a mulher que lhe apresentaram. 

Os filhos foram aparecendo e uma ilustre figura que por ali apareceu até veio lhe pedir o seu apoio, queria candidatar–se a Senador.

Na realidade ele queria era algum dinheiro para campanha. José pediu que ele passasse no escritório da cidade, no outro dia.

Assim foi formando um mito sobre este misterioso fazendeiro do Estado de Goiás. Histórias e piadas foram criadas e seu nome correu todo o estado.

Manoel Amaral

O BOLO DA DEMOCRACIA

BOLO DA DEMOCRACIA

Povo participando da Democracia
Foto: Guia da Semana
Engredientes:
100 mau caracteres;
100 caras de paus;
1.000 políticos safados;
100 kg Gordas verbas federais;
100 de delatores;
10.000 ladrões do erário;
10.000 falsários;
10.000 infratores;
10.000 traficantes;
10.000 “di-menores”;
100.000 votos nulos/brancos;
1 t de reformas;
100 t corrupção;
10.000 máquinas lavagem de dinheiro;
10.000 máquinas para contagem de dinheiro;
100 juízes bem corruptos;
10.000 l gasolina cara e suja;
10.000 kg projetos políticos;
10.000 Obras paralisadas;
10.000 escolas fechadas;
10.000 hospitais fechado e com salários atrasados;
100 frigoríficos podres;
100 kg pega-pega ladrão;
10.000 l águas estagnadas com mosquitos e doenças;
10.000 kg Remédios vencidos;
100 Estadões falidos;
100 partidos corruptos;
1 dólar pagamento impostos dos ricos empresários;
100 Verbas fundão partidos;
100 kg canela de pobre vencida;
100 kg cravo ferradura para ferrar todo mundo;
100 t Maconha Paraguaia;
100 t cocaína Colombiana;
10.000 lava-jatos, uma em cada cidade;
100 tanques de guerra enferrujados para conter a patuleia;
100 bancos falidos;
100 bilhetes premiados da Mega sena;
100.000 l água da Estatais;
1.000 kg Mandioca da Dilma;
3 mulheres sapiens;
10.000 l de vento estocado;
30 canais de TV só para faroestes;
1 Prato vazio do Programa Fome Zero;
100 pinguelas para futuro, é pouco;
100.000 cabeças de bois iguais aos da JSS;
100 bi para rombo orçamento;
153 deputados que ficaram na cadeira do presidente;
100 deputados levando marmitas para reunião;
100 refinarias enferrujadas como aquela dos EUA.
Misturar tudo com cimento de massa rápida.
Assar na forma da Gerdau, neste caso pode partilhar entre vários altos fornos que estão desmatando o país.
A cereja do bolo: um dólar devolvido por um Político honesto.

OS TAMBORES

OS TAMBORES

Ele, trabalhador rural, estudou muito e tornou-se especializado em tratores. Mecânico, mas de vez em quando era recrutado para trabalhar a terra.

Até comprou uma fazendinha lá para as bandas dos ribeirões. Terra preta, boa para plantar tudo.

Resolveu pelo milho que estava com boa saída para rações e alta cotação no mercado.

Procurou um amigo que trabalhava com fotografia aérea e fez um mapa de sua fazendinha.

Alugou um trator do seu vizinho por alguns dias.

Separou o local e começou a aração. Entre altos e baixos, ia tudo muito bem.
Até que encontrou alguns cupins novos e resolveu ir com calma.

Já estava escurecendo e alguma coisa, parecendo com tronco de árvore fez um barulho diferente. Desceu, calmamente e observou um buraco com um tambor de 200 litros, de PVC, cor preta,  enterrado naquele local.

Antes de abri-lo resolveu retirá-lo do local, estava bem pesado. Foi preciso usar o trator. Com medo de poluição que poderia conter resolveu tomar todos os cuidados.

Colocou-o na camionete e levou para sede da fazenda. Nem pensou em abri-lo.
Continuou o trabalho com o trator e mais outro barulho esquisito, outro tambor. E mais outro e um último.

Levou tudo para a casa e já ia colocá-los num velho barracão, então resolveu abri-los.

Pensou numa coisa e deu outra. Achou que seria droga e era dinheiro.

Pacotes com notas de 100 e de 50 reais e até dólares. Muito bem embalados.
Quanto teria ali? Nem fazia ideia.

Pensou em conseguir uma máquina para contar, depois desistiu.

De onde viria aquilo tudo? Com todo este barulho sobre corrupção algum político ou traficante sentiram-se amedrontados e acharam melhor enterrar a fortuna.

O pequeno fazendeiro comprou quatro tambores de 200 litros da mesma cor daqueles que achou. Colocou adubo neles e nos outros cobriu o dinheiro com um plástico e também colocou um pouco de adubo em cada um. Deixou tudo naquele velho barracão.

O medo era tanto que não sabia o que fazer. Em casa nem um pio, sobre o assunto. Nada de falar sobre os achados.

No terceiro dia de trabalho apareceu uma visita. Conversa daqui, conversa de lá e andando nos arredores o visitante entrou no barracão e perguntou:

–Para que tanto tambor, Euzébio?

–É aqui que guardo adubo para as plantações e o barracão está muito velho, com goteiras por todo lado, então comprei esses para proteger da umidade. Pode ficar aí por mais tempo sem estragar.

Destampou e mostrou ao homem que sacudiu a cabeça e pensativo falou:
–Você tem cada ideia.

Joaquim foi embora e Euzébio voltou a pesquisar o terreno. Buscou as fotos aéreas e procurou indício de algumas escavações recentes.

Não encontrou mais nada. Só capim naquelas planuras. Arou até terminar a área que pretendia plantar e pronto. Semeou o milho.

Queria mais tempo para pensar sobre o que achou.

Depositar em banco nem pensar. Gastar, comprando imóveis, muito menos.
Tomou uma decisão: depois da colheita do milho pegaria tudo e mudaria para a Chapada dos Guimarães.

Manoel Amaral

GOLPE DO PLANO COLLOR

GOLPE DO PLANO COLLOR

“Brasil?
Fraude explica.”

Logo nos primeiros dias de 2017, se você receber um adorável telefonema de Brasília ou do Rio de Janeiro, comunicando que tem uma “bolada de dinheiro” te esperando na Caixa, não fique tão feliz e pensando: comecei o ano bem, com o pé direito.

Mas em contrapartida a telefonista vai te pedir para depositar o valor das custas processuais. Coisa pequena de R$3.000,00 ou um pouco mais. E você pega dinheiro aqui e ali e sai em disparada para o banco. A sua sorte é que encontra o seu velho amigo e advogado da família.

Conta a história para ele. Nem ouviu a metade e solta esta: –É golpe meu filho! Aliás, muito conhecido na internet.

Dr. António, figura popular naquela cidade, já atendeu muitos casos como esse, mas quando a pessoa já tinha caído no golpe, depositado o valor solicitado na dita conta informada ao coitado do pato. Brasileiro é assim mesmo, não para para pensar, cai em tudo quanto é “Conto do Vigário”. Até naquele do bilhete premiado uma velhinha caiu nestes dias.

Mas Joaquim, o cliente de Dr. António, ainda insistiu que consultou e existem mesmo estas perdas do Plano Collor e muita gente está recebendo dinheiro por isso.

–Claro, claro, Senhor Quim, é verdade, mas no seu caso trata-se de um golpe que larápios estão aplicando por aí.

–Mas eles indicaram o número do processo, os meus dados todos e a advogada que estava atuando.

–Estes resíduos do Plano Collor sempre existiram e os estelionatários aproveitam disso, ligam para as casas das pessoas, geralmente aposentados, na tentativa de enganá-los.

–Informam que o dinheiro depositado é para pagamento de custas.

–Já vi um caso de um Senhor que depositou R$20.000,00 de sua poupança e perdeu tudo.

Ludibriam as pessoas utilizando de duas ferramentas emocionais: a ganância e o medo.

“As promessas de dinheiro fácil” ocorrem em todo o Brasil e tem muita gente que cai. “Ninguém denuncia por vergonha”.

É o chamado “Conto do Vigário” digital. Eles usam de todos os meios disponíveis: e-mail, celular e até carta para praticar os seus crimes.

Geralmente eles falam que são pessoas importantes e podem liberar o seu dinheiro mais rápido.

A Previdência não telefona para os idosos. E em hipótese alguma, a pessoa deve fazer depósito bancário esperando receber muito dinheiro em troca.
O INSS não é a Caixa que sorteia a Mega-Sena da Virada.
Manoel Amaral
ADLetras – Cadeira 08

BANDIDOS MODERNOS

BANDIDOS MODERNOS


Mais um banco foi explodido, R$50 milhões foram levados. Essas notícias nem repercutem mais. Os Bandidos usam as armas, os carros, as motos e até aviões modernos.


Enquanto a polícia não tem condições de enfrentá-los. Falta tudo: gasolina, pneus, carros novos e armamento. Elementos bons eles têm, mas o Governo não supre as suas necessidades.

Todos os dias, vemos novos assaltos a bancos em cidades pequenas, os bandidos levam todo o dinheiro e fica tudo por isso mesmo.

Fizeram até uma imitação do grande assalto ao Banco Central de Fortaleza, há alguns anos, quando levaram mais de 140 milhões. Eles alugaram uma casa velha anexa ao banco e num feriado derrubaram uma parede da agência e carregaram tudo que tinha lá dentro.

Num outro caso usaram até uma pá carregadeira para destruir a entrada do estabelecimento bancário. Em todos os casos tudo foi muito bem planejado: polícia imobilizada, população assustada. Explosão de madrugada e o dinheiro some no ar. Se recuperam alguma coisa, não passa de 10% do total, isso quando a importância é revelada.

As estratégias são as mesmas: rodovias desimpedidas para fuga, carros dando todo apoio. Atiram para todo lado para intimidar o povo. Fazem barreiras com carretas ou outros obstáculos que ninguém pode ultrapassar.

Num desses casos, em cidade pequena, tiveram a audácia de quebrar os cadeados e colocando novos impedindo a polícia de sair com as viaturas para perseguição. Sem contar os pregos “miguelitos” que são sempre usados.

Em casos mais difíceis entram por estradas de terra e a seguir por rodovias asfaltadas.

Explodem carros-fortes com a maior facilidade. Levam tudo e até cofres inteiros.
Costumam sequestrar pessoas para garantia de fuga segura e depois as abandona em postos de gasolina ou mesmo no meio do caminho.

Eles agem com esperteza e rapidez não dando tempo para ninguém revidar.

Suas quadrilhas são grandes e cada setor trabalha na sua área, ignorando o serviço do outro, mas tudo muito bem controlado.

São assim os bandidos modernos.

Manoel Amaral
http://www.casadosmunicipios.com.br/blog/

ABRIL VERMELHO

ABRIL VERMELHO II

Abril deste ano já começou vermelho pelo MST e  Reforma Agrária.
Segundo Dudu Cunha, após a saída do PMDB da base governista, aí começou o “feirão de ofertas cargos e ministérios.” Para barrar o impeachment só mesmo o Feirão do Petrolão.

E o Dólar subiu, subiu e agora está baixando. Está na casa dos $3,50.
Aqui em Minas a RF deflagrou a Operação Falsa Patroa foram identificados várias Declarações de Pessoas Físicas com suspeitas de irregularidades.

Aqui no Brasil quem quer ajudar os pobres vai preso. Acabaram de denunciar o criador da “fosfo”, Gilberto Chierice, por curandeirismo. Já foi fechado na USP o  laboratório que fazia a “pílula do câncer”. Anotem aí: daqui algum tempo vai aparecer um laboratório com tudo registrado e venderá a mesma pílula por um preço absurdo.

E o vírus Zika continua fazendo os seus estragos. Nome de carro foi mudado. Muita gente quer até mudar de nome, D. Maria Zica diz que não aguenta mais tanta gozação.

A saúde está um caos. No Rio de Janeiro, ainda pior, verbas são destinadas ao setor, mas caem num buraco sem fundo.

Hospitais, sem fins lucrativos, são fechados para alegria dos que cobram até o sorriso das enfermeiras.

A Operação Carbono 14, um desdobramento da Lava Jato, quer esclarecer a morte de Celso Daniel. Depois de anos algumas testemunhas já foram para o beleléu.

E os “Santos” do Partido do Governo dizem: “Querem semear o caos e ódio”. Criticando a nova fase da Operação Lava Jato.

“Se eles são capazes de incomodar um ministro do Supremo vamos incomodar as casas deles, as fazendas e as propriedades. Vai ter luta, e não vai ter golpe”.  Aristides Santos, Líder da Contag.

E o Delcídio Amaral, que por estes dias fez uma operação na vesícula para retirada de pedras. Muito corajoso este homem.

E o aumento dos remédios, um horror. Ainda bem que tem muitas farmácias por aí para gente conferir preços.

Teste brasileiro que detecta o Zika Vírus no sêmen de pacientes. O teste já está sendo usado para prevenir infecção da mãe e do bebê.

Um hacker da Colômbia diz ter influenciado eleição em 8 países. Mas a nossa urna eletrônica é invulnerável.

E Belo Monte também virou um Monte de Dinheiro. Rendeu muita propina.
E as listas? Eram apenas 200 e poucos, passou para 316 e agora são muito mais Deputados, Senadores e Governadores comprometidos com a Operação Lava Jato que envia lama por todos os lados. E hoje é a lista de PANAMA PAPERS, até o Presidente da Argentina está com problemas. Vários países e muito papel higiênico para limpar a lama.

Juros do Cartão de Crédito estão acima de 400 % ao ano. Os bancos vão muito bem e continuam dando lucros espantosos.

Vocês não vão acreditar, tem agora um estudo para tratamento de pedófilos. É o mesmo que trata câncer de próstata.

Querem impeachment para o Vice-Presidente. É muito engraçada esta situação, se não fosse lastimável.

Em Brasília pegar dengue está dando um lucro danado: R$400.000,00 por Deputado que ficar em casa no dia da votação.

E a RF boazinha como ela é, disse para todos que quem quiser regularizar o seu dinheirinho depositado lá no Panamá, podem declarar que cobrará apenas 15% de imposto.

Prejuízo de mais de R$ 3 bilhões a quatro das maiores entidades de previdência dirigentes da Previ (dos funcionários do Banco do Brasil), da Petros (Petrobrás), Funcef (Caixa Econômica Federal) e do Postalis (Correios). Estou aguardando quando chegarem ao FGTS, acho que o rombo vai ser muito grande.

Esta parece até piada, mas aconteceu mesmo. Dois ladrões entraram num banco embrulhados em papel alumínio para burlar o alarme, não adiantou,  descobertos e foram em cana.

O Governador de Minas está sendo investigado na Operação acrônimo que apura esquema de lavagem de dinheiro em campanhas eleitorais.

 

Dilma sofreu mais uma tremenda decepção, o impeachment continua

Manoel Amaral
ABRIL VERMELHO I
Abril veio, passou e deixou um rastro de notícias ruins no espaço.

Em abril vejam só a quantidade de enganos assassinatos e besteiras que cometemos em abril passado:
– Uma série de coisas graves acontecendo nos hospitais e postos de saúde: crianças recebendo leite na veia, pode uma coisa dessas?

– Criança tomando ácido que lhe queimou a boca, no lugar de remédio.

– Outro recebendo sabe-se lá que produto químico no lugar de soro.

Abuso de Autoridade: “Em Aracaju, Genilsom Alves, Tenente da PM, invadiu o maior hospital público do estado na caça de assaltantes e acabou matando dois pacientes. Ele buscava o assassino do irmão, que estava ferido”. (Estadão)

Onde estaremos seguros?

– E o pobre senhor foi internado com dor no ouvido, saiu do hospital operado de vasectomia. Processou o hospital e vai receber, finalmente, R$63.000,00, o Valdemar não era o Aldemar.

– Presa uma dupla de larápios que vendiam tablets e Notebooks falsificados, na beira da estrada. Maior parte das peças era de madeira e sucata. E ainda diziam que o preço estava baixo porque eram produtos roubados.

– Comida vencida encontrada em Creche, feijão velho e outros produtos.

– Comprimidos proibidos no Brasil, usados para melhorar o desempenho do homem, sendo vendidos em Shoppings de SP.

– Esta CPI do Cachoeira vai virar cascata…

– Leréia (com assento)  é nome de Deputado, em Minas é o mesmo que “conversa fiada.”

– Nas baladas de São Paulo estão vendendo uma bebida feita de etanol ou álcool etílico misturado com vinho, pode causar a morte.

STF julga constitucional reserva de cotas sociais e raciais no PROUNI.

– Morreu Tinoco, aos 91 anos,  da dupla Tonico e Tinoco; mais de mil gravações e 40 mil apresentações por estes sertões.  A verdadeira dupla sertaneja. Ouçam uma música da dupla, no link abaixo.

– E a poupança, hein? Vai, a partir de hoje, baixar o rendimento, conforme a taxa Selic.

– No Festival de Boteco deste fim de semana, em Garanhuns, será servida uma coxinha com uma carne branquinha…

– E a Presidenta Dilma quer gastar a bagatela de US$208 milhões de dólares para comprar uma aeronave A330-200, fabricada na França, a preço de hoje seria uns R$484 milhões de reais, para suas viagens internacionais, sem escala.

– Com essa só resta desejar um FELIZ DIA DAS MÃES!
Manoel Amaral
Escrito originalmente em 2012

MÚSICA DE TONICO E TINOCO: Adeus Paulistinha

OPERAÇÃO ÉDEN

OPERAÇÃO ÉDEN

Bom Jardim – Maranhão

Loura, bonita, 25 anos, Prefeita; a Lili está foragida desde a semana passada.

Ela é suspeita de desviar milhões em verbas dos públicos de um pequeno município do interior.

Com sobrenome de Leite, vendia leite na porta da casa da mãe para sobreviver na pequena cidade de Bom Jardim, no Maranhão.

Estudou apenas até completar o ensino fundamental. Valia-se da simpatia e da boa aparência para atrair a freguesia e acabou chamando a atenção de Humberto Dantas dos Santos, o Beto Rocha, fazendeiro de Lagarto (SE), com quem iniciou o namoro que mudaria sua vida para sempre.
Com patrimônio em torno de R$ 14 milhões, incluindo fazendas, caminhonetes de luxo e apartamentos em São Luís, o fazendeiro Beto não mediu esforços até agradar aquela jovem linda.

Ele já estava sendo investigado pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) denunciado à Justiça por prática de “captação ilícita de sufrágio” (compra de voto).

Beto então renunciou e lançou a candidatura da namorada acabou elegendo-a com 50,2% dos votos válidos (9.575) frente ao principal adversário. Beto então assumiu a Secretaria Municipal de Assuntos Políticos.

No entanto acabou preso na “Operação Éden”, por problemas nas licitações do Município.

A rotina da jovem:  viagens, festas, roupas caras, veículos e passeios de luxo é incompatível com o salário de pouco mais de R$ 12 mil que Lidiane recebia como prefeita de Bom Jardim e passou a compartilhar por meio de fotos nas redes sociais.
E até respondeu para algumas colegas: –“Eu compro é que eu quiser. Gasto sim com o que eu quero. Tô nem aí pra o que achem. Beijinho no ombro pros recalcados”.
Em outro post, ela diz: —“Devia era comprar um carro mais luxuoso pq graças a Deus o dinheiro tá sobrando (sic)”.
E aquela cidadezinha do interior de Maranhão é considerada a segunda pior cidade para se viver no Vale do Pindaré, composto por outras 22 localidades.

Ela desviou muito dinheiro e provocou muitas fraudes: “contratos firmados com “empresas-fantasmas, nas licitatórias, transferências bancárias suspeitas e desvio de dinheiro da merenda escolar.”

Agora está sendo procurada pela Polícia Federal que montou um esquema de vigilância em rodovias, portos, aeroportos, rodoviárias e até em fazendas de amigos, onde ela poderia estar escondida, mas ainda não conseguiu encontrá-la.
Ela montou pistas falsas para enganar a Polícia e continua gastando o dinheiro retirado dos pobres daquele município.

Manoel Amaral

CIBERCRIMINOSOS

CIBERCRIMINOSOS

Imagem Google


R$ 2,5 bilhões, um dos maiores roubo a banco da história.

O Jornal The New York Time informou que o relatório do Kaspersky Labs revelou um esquema de “assalto digital” a banco muito interessante.

Os hackers realizam o maior roubo a banco da história. Os prejudicados eram os bancos e não os seus clientes.

Mais de 30 países foram assaltados, menos o Brasil.

Estima-se que em alguns meses mais de US$900 milhões foram roubados.
Como “assalto digital” este foi um dos mais sofisticados esquemas, sendo o maior de história de roubo a bancos.

Os cibercriminosos usaram os mais sofisticados esquemas de roubo a bancos até agora descobertos.

Esse seria o maior e mais sofisticado roubo a bancos da História, em termos de táticas e métodos.

Eles se infiltram em computadores de funcionários de bancos através de malwares e ficam monitorando por um tempo todas as atividades realizadas no computador para identificar padrões de transações e tudo mais.

Até hoje, nenhuma quantia maior que US$ 10 milhões foi transferida para não levantar grandes suspeitas.

Todo esse dinheiro acaba sendo pulverizado em várias contas de laranjas em diversos países pelo mundo. Em seguida, a grana é sacada em caixas eletrônicos.

Acreditam que pelo menos 100 bancos tenham sido invadidos. A maioria está na Rússia, mas instituições financeiras nos EUA, Japão, Suíça e outras nações também foram atacadas.

Manoel Amaral
FONTE:

OS LIVROS MAIS VENDIDOS

OS LIVROS MAIS VENDIDOS NO BRASIL EM 2014

Osvandir na Amazônia (Pedra da Morte Livro 1)

9 Nov 2013
por Manoel Ferreira do Amaral
FICÇÃO
Se eu Ficar: Viva para roubar
O sangue na Câmara
A culpa é das estrelas do Partido
O Guardião do Templo
Jogos vorazes política
Cidades de Concreto
Empresa Roubada
Cinquenta tons de Vermelho
Tudo em chamas
Correr ou morrer
Dinheiro Roubado
Super faturamento de Contrato
Osvandir no Amazonas
NÃO FICÇÃO
Nada a perder
A capital no século XXI da Corrupção
Propinas não têm limites
Tudo ou Nada:
Sonho grande todo Deputado tem
A história da garota da Câmara
As Deliciosas Receitas do Tempero no Congresso
O Diário de Demi Lava a jato
Não sou uma dessas Deputadas
Diário de um Petrolão
Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil
A Elite Branca
Memória da Ditamole
AUTO AJUDA
Ansiedade  das empreiteiras
Não se apega ao dinheiro, não
Geração de Valor.
As 25 leis brasileiras de sucesso
As regras de ouro no Senado
O monge e o Presidente
Quem roubou dólares de mim?
O Poder da Escolha do Candidato
Eu não consigo Roubar
A arte roubar com propina
Presidenta Blindada
Deputados inteligentes enriquecem juntos…
Terapia Financeira no Senado
Os Segredos do doleiro Milionário
Observação: Os livros grafados em vermelho estão com os títulos originais.

Fonte: Revista Olha, Arma-zona e outras livrarias.

O CASSINO DO GOVERNO FEDERAL



O jogo (em cassino) no Brasil é proibido, já as loterias são liberadas e veja só a quantidade de jogos que já temos, sem contar as outras raspadinhas e os bilhetes da federal e os estaduais.
É uma jogatina só. Se o pobre tem R$2,00 vai correndo a lotérica mais próxima e faz uma “fezinha” na Mega Sena.
Jogo do bicho nem se fala mais, foi ultrapassado, coisa de pobre, que confia em tudo.
Tinha uma que eu gostava muito era Loteria Esportiva, mais conhecida por Loteca. Gostava de ver na televisão a zebrinha falar: –Deu zebra! Conhecida desde a década de setenta. E aqueles cartões perfurados, muita gente tentava fraudar, cortando com gilete.
Abaixo a arrecadação da Caixa com a jogatina:
Em 2007, R$ 5,2 bilhões,
Em 2008, R$ 5,8 bilhões ,
Em 2009, R$ 7,3 bilhões,
Em 2010, R$ 8,8 bilhões,
Em 2011, R$ 9,7 bilhões,
Em 2012, R$10,4 bilhões,
Em 2013, R$ 11,4 bilhões.
Calculem bem: 11, 4 bilhões, é muito dinheiro, que é esparramado para todo lado. Tem fiscalização nisso tudo?
Há alguns anos tentaram montar uma CPI, mas acho que não deu em nada, nunca mais ouvi falar no assunto. Foi abafada, com certeza!
Urgentemente é preciso que alguém cobre seus deputados e senadores para instalar nova CPI das loterias da Caixa.
Não é preciso acreditar naquelas lendas bobas da internet que dizem: Uma única pessoa ganhou 550 vezes na loteria esportiva.”
Ou outra que diz: “que ganhou 107 vezes, outro que ganhou 327 vezes e outro que ganhou 206 vezes. Todos esses casos são escabrosos
E tem a pior de todas: cidadão que ganhou 107 vezes no mesmo dia, em sete modalidades de loteria, em vários estados diferentes da Federação”.
Na época dos Anões do Orçamento, fins da década de oitenta, tinha o tal de João Alves que ganhava toda semana nas loterias.
Os envolvidos roubaram mais de R$ 100 milhões públicos, com esquemas de propina, para favorecer governadores, ministros, senadores e deputados. “ Wikipédia
“Liberavam para as empreiteiras a inclusão de verbas orçamentárias para grandes obras, em troca de polpudas comissões.”
Para lavagem do dinheiro o dito João Alves dizia que havia ganhado na loteria. Na realidade ele comprava bilhetes premiados.
O deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ), em maio de 2013,  disse que “os jogos da Caixa Econômica Federal estão sendo utilizados para lavagem de dinheiro.
O Senador Álvaro Dias também já fez denuncias a respeito de fraudes nas loterias da Caixa, podendo ser verificado no vídeo abaixo.
O TCU apontou: falhas e demonstrou a necessidade de aprimorar os procedimentos de controle do sistema de loterias, com vistas a coibir a prática de lavagem de dinheiro.”
Agora vem a Copa do Mundo em Junho e podem ter certeza, novos tipos de jogos vão ser explorados, inclusive pela internet.
Manoel Amaral
www.casadosmunicipios.com.br
Fonte: Jornal do Brasil
Wikipédia
https://www.youtube.com/watch?v=3XWuKkUuF_U