BLACK FRIDAY

BLACK FRIDAY
(Sexta-Feira Negra)

Na próxima sexta-feira, dia 28 de novembro, teremos a Black Friday ou seja, a Sexta-feira Negra. É o dia de grandes descontos nas maiores lojas do Brasil e do Mundo.

Os compradores apressados (não vá confundir apreçado com “ç”) devem tomar cuidado com a Black Fraude, que são os descontos maquiados onde as lojas sobem o preço uma semana antes do Black Friday.

Black Friday no Brasil é assim: tudo pela metade do dobro e sem Black Blocs.
Os atleticanos poderão comprar várias raposas com descontos de 120%.

Os que estiverem fazendo compras na Av. Paulista, receberão um avião de presente, além dos descontos.

Todos poderão aproveitar para comprar cuecas  tamanho extra-GG para o caso de dinheiro na cueca.

Os petroleiros poderão adquirir um produto novo que Lava-a-Jato as nota de dólares.

As construtoras, agora que estão boazinhas, devem continuar fazendo as suas doações e depois fazendo delação premiada.

Aquela Senhora  que foi flagrada embarcando com 200 mil euros na calcinha pode aproveitar para comprar calcinhas mais resistentes.

Os Mensaleiros, que agora estão a um passo da “beatificação”, poderão adquirir novos ternos para o trabalho e as impagáveis maletas pretas.

Os candidatos que venceram as eleições poderão aproveitar para negociar as suas dívidas, obtendo um bom desconto.

Já os candidatos que perderam as eleições poderão reclamar na Black Fraude.

Aqueles vestidos vermelhos estarão com preços baixíssimos, as filiadas aos partidos de esquerda, devem comprar para usar o ano inteiro.

Os altos funcionários públicos vão aproveitar para negociar propina, uma semana antes eles solicitam um valor alto para depois baixar na Black Fraude.

O Governo Federal vai “fechar as contas” com um bom desconto, é dia de alegria, todos vão cooperar.

Os Prefeitos e Governadores que esbanjaram dinheiro público o ano inteiro, poderão aproveitar o “bonde” e também fechar as contas.

Os Deputados e Senadores aproveitarão a Black Friday para negociar vários Projetos com o Governo.

A alegria vai ser tanta que a população vai esquecer a Saúde, a Educação, o Meio-Ambiente, a Inflação, o Petrolão e as Eleições, mas devem tomar cuidado com a segurança porque nestes dias os bandidos estão todos soltos.
Black Fraude para todos!

Manoel Amaral
www.afadinha.com.br

O JOVEM CANDIDATO I & II


Imagem Google

“Uma eleição é feita para corrigir o erro da eleição anterior, mesmo que o agrave.”
De um lado os poderes do mal: os maus políticos, os traficantes, as drogas e os milhões. Do outro lado os do bem: a polícia, a justiça e a população sem tostões.
Tudo estava virando de cabeça para baixo. A eleição estava chegando.
Havia um candidato jovem, bonitão e rico. As estatísticas (compradas) indicavam que o candidato jovem subia como um foguete.
Dinheiro não faltava e apoiadores nem se fala. Doações caiam na rede como peixe. O partido novo estava vencendo em todas as regiões.
Seguindo a moda a agremiação não começava com a palavra partido. O nome escolhido foi União Renovadora Nacional -URNA. O partido foi registrado com a maior facilidade, um ano antes das eleições.
Não faltavam apoiadores e candidatos mil. A maioria das cidades que tinham tantos candidatos que era necessário fazer uma triagem: eliminavam a metade e só a outra metade poderia concorrer.
As cores estavam espalhadas por todos os morros, centros e bairros. As capitais estavam todas coloridas de verde e branco.
As fotos do candidato estavam dependuradas até em árvores, nas porteiras. Outdoors gigantes espalhados pelos prédios abaixo. Em todos os muros foram desenhados as imagens do partido. Não sobrou espaço para nenhum outro, que estavam encolhidos mediante o gigantismo daquele candidato. Todas as maneiras de propaganda foram utilizadas.
O símbolo era uma mão segurando a outra sobre um fundo verde e branco.
Inventaram milhões de insinuações de que o desenho tinha duas pistolas de cano longo, uma suástica etc. etc.
Milhões de bandeirinhas, bandeiras e bandeirões, bem como faixas de todos os tamanhos circulavam nas mãos de crianças, jovens e velhos.
Muitas mulheres foram arregimentadas para trabalhar como batalhão de frente. Os velhinhos estavam ganhando muito bem distribuindo santinhos por todo lado.
As escolas públicas e privadas, ávidas por algumas verbas a mais, promoviam debates imitando os candidatos e o jovem sempre ganhava de todos.
As grandes empresas estavam todas com aquele candidato apesar de distribuir doações para todos.
Os candidatos a Governadores, Senadores, Deputados Federais e Estaduais daquele partido estavam muito bem colocados. Onde aparecia as cores verde e branco tudo ia de vento em popa, em todos estados.
De Norte a Sul aquele partido ia vencendo a olhos vistos. Não faltavam eleitores, todos muito empolgados.
As urnas eletrônicas passaram por uma revisão. Agora não precisava nem de título eleitoral. Bastava a pessoa colocar o indicador no visor e os seus dados apareciam na tela.
Marcar o candidato ficou mais fácil ainda, por todos os lados tinham as fotos e os números.
Aquela besteira de proibir Showmício acabou. Por todo canto havia um candidato divulgando os seus textos e pensamentos.
Na TV, o prazo da União Renovadora Nacional – URNA era o maior devido as inúmeras coligações.
Os eleitores estavam muito bem tratados. Todos os dias recebiam bolsas, camisas, bonés e até dinheiro devidamente colocado num envelope branco. Sem contar os alimentos, que agora estavam mais baratos. Algumas cestas tinham até carne de primeira e papel higiênico.
Tanto candidato dando as coisas que estava difícil atravessar a rua. Pequenos brindes estavam espalhados em cada esquina, era só o eleitor apanhar.
Em cada casa tinha uma bandeira, nos prédios os bandeirões. Nas mãos das crianças as bandeirinhas.
Adesivos nos carros, placas nos quintais e nas esquinas, de todos tamanhos e gostos.
O dia 15 de novembro estava chegando, a vitória estava próxima.
Houve alguém que até disse que este candidato seria o “divisor de águas,” nunca ninguém fizera uma campanha eleitoral igual a esta.
Toda a eleição decorreu na maior tranquilidade.
Só aconteceu um caso muito interessante: um pequeno povoado com mil e poucos eleitores teve mais votos que habitantes.
Manoel Amaral
O JOVEM CANDIDATO II
“No meio de um povo geralmente corrupto a liberdade não pode durar muito.”
 Edmund Burke

Imagem Google
Não precisava nem contar os votos, todos sabiam que aquele candidato ia ganhar mesmo, a chuva de votos foi tão grande que ninguém acreditou. Ele foi eleito com mais de 80% dos votos. Os outros candidatos pegaram uns 15% e 5% para os votos nulos ou brancos.
A oposição não conseguiu fazer quase nenhum candidato.
Eleito e tomado posse, o jovem presidente foi logo tomando as providências para fazer um bom governo.
Primeiro diminuiu o número de Ministros. Convidou só homens gabaritados para os cargos e não esqueceu os pequenos partidos.
A primeira medida que tomou foi um alvoroço total: foram abolidos todos os incentivos fiscais e bolsas.
Agora as empresas deveriam competir com os produtos internacionais.
Os bolsistas deveriam fazer o mesmo, arranjar um emprego para pagar os estudos.
Outros benefícios de qualquer espécie foram acabando. Os que vivam na mamata, sugando os cofres da nação, foram ficando preocupados.
As ONGs receberam uma comunicação que para receber novas verbas federais deveriam comprovar o uso das anteriores.
A metade fechou, espontaneamente, as portas. Não tinham meios de comprovar todas as despesas. O dinheiro público tinha ido para o ralo.
Era tudo tão prático que diminuiu as saídas e aumentou as entradas de dinheiro.
Alguns impostos foram abolidos e outros tiveram as alíquotas rebaixadas, isto seria o novo incentivo para todos, não para determinados grupos.
O maior problema foi quando ele resolveu fiscalizar as obras das grandes empreiteiras, negar alguns empréstimos para grandes empresas e fiscalizar as licitações marcadas.
As empreiteiras, os canais de TV, as grandes revistas, os grupos sugadores trabalharam em surdina e começaram a montar um esquema para derrubar o jovem Presidente.
Pegaram um motorista que trabalhava no grupo presidencial, uma faxineira, montaram um falso filme sobre sexo e suborno.
Coitado do político, as manchetes das revistas e jornais só publicavam aquilo.
O povo é ingrato, é como folha de bananeira, vira de acordo com o vento. Não esperaram o resultado, o condenaram antes de o processo terminar. Foram todos contra ele.
Foi retirado do governo através de Impeachment. 
Grandes cartazes foram espalhados por todo lado: “O povo coloca o povo tira.”  
Os canais de TV filmavam uns dez manifestantes e replicavam transformando-os em mil, dez mil, fazendo crer que aquilo era no país inteiro.
O povo como sempre, foi manobrado e enganado, em favor de grupos.
Caiu o jovem Presidente da URNA – União Renovadora Nacional, outros bandidos tomaram conta do poder e tudo continuou com antes naquela republiqueta.
Manoel Amaral

OS APÓSTOLOS DA IGREJA DOS MENSAGEIROS

OS APÓSTOLOS DA IGREJA DOS MENSAGEIROS
Imagem Google

A sua Igreja era muito diferente, ninguém contribuía financeiramente, pelo contrário, recebia.

Eram bolsas de todos os tipos, cursos onde eles eram pagos para frequentar as aulas.

Quando era para votar, recebiam uma graninha extra. O dinheiro “corria solto” naquelas paragens. Vinha numas malas pretas de um banco escolhido a dedo pela organização.

O mestre era o contrário dos outros mestres religiosos: não via nada, nada comentava e não sabia de nada.

Mas muitos milagres lhe eram atribuído: a multiplicação do dinheiro e a transformação da água em pinga. Tinha até a transposição de um rio que não acabava nunca e moía um dinheirão.

Funcionava assim: um Projeto era feito para consumir “x”, mas acabava com vários “xxx”. A alegação era de que tudo subia no período das construções. Também aquilo não iria beneficiar os pobres, ali só os ricos fazendeiros teriam água à vontade.

Se o povo manifestava, logo apareciam os “homens de preto” e quebravam tudo, por ordem da Igreja.

A internet e as eleições eram completamente dominadas por eles. Se aparecia um para falar bem de um contrário as direções da Igreja, no mesmo momento mais de mil, postavam a favor do Mestre dos Mestres.

A urna eletrônica, apesar de sua propalada modernidade, foi rejeitada por todos os países vizinhos. Era muito fácil fraudá-la.

Naquela Organização tudo era planejado para arrecadar dos órgãos públicos o máximo possível. Inventaram as Instituições Filantrópicas que conseguia limpar todos os fundos.

Naquela Igreja eles não tinham preconceitos contra as mulheres e as nomeavam para todos os escalões.

Ali todo “fiel seguidor” era pago e muito bem orientado. Quando havia eleições eles se transformavam em verdadeiros cabos eleitorais.

Mas como toda instituição, existe altos e baixos, a corrupção também atingiu a Igreja dos Mensageiros.

Foi tanto dinheiro distribuído que até os santos desconfiaram. Aí a justiça resolveu processar 12 apóstolos.

Os novos apóstolos não eram pescadores, mas lavavam o dinheiro na rede.
Os apóstolos da mídia desciam a rua cercado por seguranças e muitos carros pretos. Eram muito assediados.

Alguns foram pregar nas cadeias, outro se apressou e foi para Itália.

Muita coisa ainda está sendo investigada e acreditamos que a maioria vai escapar de uma punição, mas já é um bom começo.

O perigo é transformar estes Apóstolos em mártires.

No meio dessas confusões novas Igrejas surgirão.

Manoel Amaral

www.casadosmunicipios.com.br

Untitled

O JOVEM CANDIDATO II
“No meio de um povo geralmente corrupto a liberdade não pode durar muito.”
 Edmund Burke
Não precisava nem contar os votos, todos sabiam que aquele candidato ia ganhar mesmo, a chuva de votos foi tão grande que ninguém acreditou. Ele foi eleito com mais de 80% dos votos. Os outros candidatos pegaram uns 15% e 5% para os votos nulos ou brancos.

A oposição não conseguiu fazer quase nenhum candidato.

Eleito e tomado posse, o jovem presidente foi logo tomando as providências para fazer um bom governo.

Primeiro diminuiu o número de Ministros. Convidou só homens gabaritados para os cargos e não esqueceu os pequenos partidos.

A primeira medida que tomou foi um alvoroço total: foram abolidos todos os incentivos fiscais e bolsas.

Agora as empresas deveriam competir com os produtos internacionais.

Os bolsistas deveriam fazer o mesmo, arranjar um emprego para pagar os estudos.

Outros benefícios de qualquer espécie foram acabando. Os que vivam na mamata, sugando os cofres da nação, foram ficando preocupados.

As ONGs receberam uma comunicação que para receber novas verbas federais deveriam comprovar o uso das anteriores.

A metade fechou, espontaneamente, as portas. Não tinham meios de comprovar todas as despesas. O dinheiro público tinha ido para o ralo.

Era tudo tão prático que diminuiu as saídas e aumentou as entradas de dinheiro.

Alguns impostos foram abolidos e outros tiveram as alíquotas rebaixadas, isto seria o novo incentivo para todos, não para determinados grupos.

O maior problema foi quando ele resolveu fiscalizar as obras das grandes empreiteiras, negar alguns empréstimos para grandes empresas e fiscalizar as licitações marcadas.

As empreiteiras, os canais de TV, as grandes revistas, os grupos sugadores trabalharam em surdina e começaram a montar um esquema para derrubar o jovem Presidente.

Pegaram um motorista que trabalhava no grupo presidencial, uma faxineira, montaram um falso filme sobre sexo e suborno.

Coitado do político, as manchetes das revistas e jornais só publicavam aquilo.
O povo é ingrato, é como folha de bananeira, vira de acordo com o vento. Não esperaram o resultado, o condenaram antes de o processo terminar. Foram todos contra ele.

Foi retirado do governo através de Impeachment. 

Grandes cartazes foram espalhados por todo lado:O povo coloca o povo tira.”  

Os canais de TV filmavam uns dez manifestantes e replicavam transformando-os em mil, dez mil, fazendo crer que aquilo era no país inteiro.

O povo como sempre, foi manobrado e enganado, em favor de grupos.

Caiu o jovem Presidente da URNA – União Republicana Nacional, outros bandidos tomaram conta do poder e tudo continuou com antes naquela republiqueta.

Manoel Amaral

O JOVEM CANDIDATO I

O JOVEM CANDIDATO I
Imagem Google
A luta entre os dois poderes era muito grande. De um lado os poderes do mal: os maus políticos, os traficantes, as drogas e os milhões. Do outro lado os do bem: a polícia, a justiça e a população sem tostões.

Tudo estava virando de cabeça para baixo. A eleição estava chegando.

Havia um candidato jovem, bonitão e rico. As estatísticas (compradas) indicavam que o candidato jovem subia como um foguete.

Dinheiro não faltava e apoiadores nem se fala. Doações caiam na rede como peixe. O partido novo estava vencendo em todas as regiões.

Seguindo a moda a agremiação não começava com a palavra partido. O nome escolhido foi União Renovadora Nacional -URNA. O partido foi registrado com a maior facilidade, um ano antes das eleições.

Não faltavam apoiadores e candidatos mil. A maioria das cidades que tinham tantos candidatos que era necessário fazer uma triagem: eliminavam a metade e só a outra metade poderia concorrer.

As cores estavam espalhadas por todos os morros, centros e bairros. As capitais estavam todas coloridas de verde e branco.

As fotos do candidato estavam dependuradas até em árvores, nas porteiras. Outdoors gigantes espalhados pelos prédios abaixo. Em todos os muros foram desenhados as imagens do partido. Não sobrou espaço para nenhum outro, que estavam encolhidos mediante o gigantismo daquele candidato. Todas as maneiras de propaganda foram utilizadas.

O símbolo era uma mão segurando a outra sobre um fundo verde e branco.
Inventaram milhões de insinuações de que o desenho tinha duas pistolas de cano longo, uma suástica etc. etc.

Milhões de bandeirinhas, bandeiras e bandeirões, bem como faixas de todos os tamanhos circulavam nas mãos de crianças, jovens e velhos.

Muitas mulheres foram arregimentadas para trabalhar como batalhão de frente. Os velhinhos estavam ganhando muito bem distribuindo santinhos por todo lado.

As escolas públicas e privadas, ávidas por algumas verbas a mais, promoviam debates imitando os candidatos e o jovem sempre ganhava de todos.

As grandes empresas estavam todas com aquele candidato apesar de distribuir doações para todos.

Os candidatos a Governadores, Senadores, Deputados Federais e Estaduais daquele partido estavam muito bem colocados. Onde aparecia as cores verde e branco tudo ia de vento em popa, em todos estados.
De Norte a Sul aquele partido ia vencendo a olhos vistos. Não faltavam eleitores, todos muito empolgados.

As urnas eletrônicas passaram por uma revisão. Agora não precisava nem de título eleitoral. Bastava a pessoa colocar o indicador no visor e os seus dados apareciam na tela.

Marcar o candidato ficou mais fácil ainda, por todos os lados tinham as fotos e os números.

Aquela besteira de proibir Showmício acabou. Por todo canto havia um candidato divulgando os seus textos e pensamentos.

Na TV, o prazo da União Renovadora Nacional – URNA era o maior devido as inúmeras coligações.

Os eleitores estavam muito bem tratados. Todos os dias recebiam bolsas, camisas, bonés e até dinheiro devidamente colocado num envelope branco. Sem contar os alimentos, que agora estavam mais baratos. Algumas cestas tinham até carne de primeira e papel higiênico.

Tanto candidato dando as coisas que estava difícil atravessar a rua. Pequenos brindes estavam espalhados em cada esquina, era só o eleitor apanhar.

Em cada casa tinha uma bandeira, nos prédios os bandeirões. Nas mãos das crianças as bandeirinhas.

Adesivos nos carros, placas nos quintais e nas esquinas, de todos tamanhos e gostos.

O dia 15 de novembro estava chegando, a vitória estava próxima.

Houve alguém que até disse que este candidato seria o “divisor de águas,” nunca ninguém fizera uma campanha eleitoral igual a esta.

Toda a eleição decorreu na maior tranquilidade.

Só aconteceu um caso muito interessante: um pequeno povoado com mil e poucos eleitores teve mais votos que habitantes.

Manoel Amaral

O CANDIDATO PERDEU A ELEIÇÃO

O CANDIDATO PERDEU A ELEIÇÃO


Candidato: palavra que vem do latim, “cândido,
ou seja, puro, sem pecado, desprovido de ganância e
maldade que visa o bem comum e não pessoal.”
Coitado do candidato que perdeu a eleição. Quase morreu de emoção!
Trabalhou tanto. Nem vamos falar nos cafés vencidos, biscoitos duros, conversas fiadas, pedidos dos eleitores, dinheiro gasto, campanha contra o tempo, outros concorrentes e tudo mais.
Vamos falar da decepção com os eleitores de duas caras, que mostram uma e depois aplicam a outra. Prometem votar em todo mundo e não votam em ninguém. Às vezes nem títulos têm, ou são analfabetos, votam errados em números que não existem.
Esse texto fala dos candidatos a vereador, porque candidato a prefeito todo mundo ajuda.
O vereador fica abandonado, jogado ao circo para ser devorado pelos famintos leões do eleitorado.
Em cidade pequena é ainda pior, poucos são os que votam e muitos os candidatos de todos os feitios.
Tem gente que entrou a primeira vez, achou que era só candidatar-se e estaria na Câmara, cama ou na fama. Ledo engano, a dificuldade é muito grande. Tem que ralar, gastar as havaianas, tênis ou sapato do bico chato, porque do bico fino ninguém aguenta. As mulheres, não acostumadas, sofreram várias cantadas e quebraram muitos saltos de sapatos. As rasteirinhas deram uma verdadeira rasteira nelas.
No início, os santinhos não chegavam, era aquela ansiedade, quando chegavam tinham muito erros. Eram distribuídos assim mesmo, não havia tempo para correção. As gráficas todas cheias de promessas não cumpridas.
Os prometidos patrocínios nunca chegaram, e os que vieram foram canalizados para a candidatura a prefeito.
Os apelidos não ajudaram em nada, pelo contrário, atrapalharam. Hoje as urnas eletrônicas não querem saber de nome, sobrenome ou apelido, só engolem números e vomitam resultados.
Muitos eleitores não sabiam em quem votar devido ao grande número de papéis na cidade. Partidos então, um montão. Nem sabemos para que tanto partido. Três ou quatro já seriam ótimos.
Os bons, os maus e os que não tinham a menor ideia de nada, estavam ali, sendo malhados pelo povo, como se palhaços fossem.
Santinhos, cartazes, eram todos massacrados, rabiscados, amarrotados e jogados no lixo. Sem contar os bigodinhos, óculos, dentes de vampiros, chapéus e outros nomes impublicáveis, eram acrescentados em tudo que era distribuído ao eleitor.
Todos queriam um candidato perfeito. Não existe candidato perfeito, todos têm os seus defeitos e qualidades.
Ninguém sabe por que a legislação eleitoral proibiu a distribuição de brindes e showmícios, aquilo não comprava voto de ninguém. Além do mais, passada as eleições, as camisas eram transformadas em pijamas macios e gostosos de vestir. A lixa de unha daria para comprar voto de alguém? Que coisa mais ridícula! E o showmício, como era bom assistir, de graça, muito artista famoso cantar as suas músicas de sucesso.
Era uma festa! Agora só papel, papel e mais papel. E nem serve para rascunho, está escrito dos dois lados.
Muitos candidatos inexperientes distribuíram páginas inteiras nas ruas. Não adianta, o povo não lê. Quanto menos texto melhor. O que vale são as imagens. Jornal tem que ter muitas fotos e um texto pequeno. No caso da internet, quanto menor melhor.
Ah, ia esquecendo. E os pobres candidatos que largaram a rua e enveredaram na internet. Ficaram só facebookando, tuitando, youtubando e internetando. Pura bobagem, em cidade pequena não surtiu efeito nenhum. Também curtir, sair seguindo alguém, vendo pequenos e horríveis vídeos caseiros ou pesquisando site e blog de candidatos não quer dizer voto garantido.
Passaram dias e noites clicando, teclando, digitando, escrevendo, falando, cansando… Gastaram um dicionário de palavras. Lavraram textos, fizeram discursos de três linhas no Twitter. Publicaram fotos no Face, usaram até o velho Orkut. Uns que nem conheciam nada de informática viviam falando em iogurte. Uma bobagem só.
O Face só dava Book. O Tu só White. Ora bolas, palavras novas, desconhecidas e o candidato velho, iletrado, cansado, sapato furado, não podia perder tempo. Pegou o sábio sobrinho de 14 anos e entrou no estranho mundo da teia, da net. Saiu decepcionado, o seu eleitorado minguado, em vez de ser usado, usou e abusou do candidato muito bem orientado pelo sabido sobrinho…
Muitos ficaram pelo meio do caminho: assassinados, enfartados, sequestrados, “acidentados”, tudo por paus-mandados.
E nem falamos nas várias contas que ficaram por acertar.
Manoel Amaral
osvandir.blogspot.com
Comentários:

manoel.amaral@gmail.com

CAMPANHA ELEITORAL VEREADORES

CAMPANHA
ELEITORAL PARA VEREADORES

As campanhas eleitorais 2012 já estão deflagradas, antecipadamente, a imprensa (escrita, falada e internet) iniciaram uma tola discussão perguntando se Vereador pode ou não comprar projetos de leis de Assessorias Particulares.

Pura bobagem, isto já vem sendo feito há muito tempo e os jornalistas fingem que não sabiam disto.

Por causa desta tola discussão é que todos só comentam em seus sites tal assunto. Desde o dia 20 que todos os jornais do país publicaram qualquer coisa sobre o assunto. Tudo teve início com uma entrevista que demos para o Jornal Estado de Minas a Alice Maciel e uma sua amiga, que se
fez passar por uma compradora de Projetos de Leis de certa Câmara Municipal
(que não vou citar é claro!).

Um assunto tão bobo tomou proporções tão grandes que no outro dia dei entrevista para os principais jornais ou eles pura e simplesmente copiaram de outros jornais (eles podem!).

A Rede TV procurou-me no sábado p. passado, marcando entrevista para as 14 hs, lá fui e respondi a todas as perguntas. O assunto era o mesmo: Quem comprava, quanto comprava, quando. Outro questionamento que todos fazem: pode o Vereador comprar projetos de leis de Assessoria Particular? Claro que pode, deve, convém e faz bem!

Tenho mais algumas entrevistas marcadas para esta semana. Do jeito que a coisa está indo, logo, logo estarei sentado ao lado de Jô Soares, Ana Maria Braga, Ratinho, Gugu e Faustão… Não duvidem!

Manoel Amaral

http://www.casadosmuncipios.com.br/

URNA ELETRÔNICA BRASILEIRA

URNA ELETRÔNICA BRASILEIRA

“Parodiando Collor: a urna eletrônica brasileira é uma carroça
Raul Takahashi

Esta semana fiquei muito preocupado com uma notícia que recebi sobre a nossa tão badalada urna eletrônica.

Na realidade ela não é tão boa como a propaganda diz.

Tem vários pontos vulneráveis e além do mais não fornece o registro digital do seu voto, caso queira.

Li um relatório 2º Relatório do Comitê Multidisciplinar Independente sobre as urnas eletrônicas argentinas de 2ª geração – 2011. Aí foi que cheguei a conclusão que a nossa é mesmo uma carroça como disse o Raul, da frase acima.

Não tenho mais confiança no sistema eleitoral informatizado. Fico imaginando a quantidade de fraudes que já houve sem nenhuma condição de constatação. A urna é uma caixa preta, apesar de não ser desta cor, como a dos aviões que na realidade é laranjada.

Não tem como o Fiscal de Partido fiscalizar a votação, a apuração; pois tudo é eletrônico. Imaginem com estes hackers que invadem tudo. Não tem mesmo segurança nenhuma, apesar dos tribunais dizerem o contrário, eu não acredito nisso.

Acho que o título eleitoral deveria ser com chip com todos os dados do eleitor e um dispositivo para evitar mais de uma votação no mesmo dia. Seria mais garantido. Tem em estudos um sistema que está sendo implantado de identificação pela digital, mas este já outro assunto.

A nossa urna não saiu da primeira geração. Tem muitos países que já aperfeiçoaram as suas, razão pela qual nunca confiaram na nossa.

A Argentina já produziu uma muito melhor que a nossa, bem mais moderna e com muitos recursos, como nos celulares de última geração. O cidadão não precisa teclar, apenas correr o dedo na tela, como fazem também nos tablets.

Segundo os técnicos em computação as fraudes em nossas urnas são de difícil detecção e não é confiável.

As da Argentina já possuem o registro material do voto, procedem auditoria automática do sistema e só utilizem programas de computador abertos, com esse Projeto de Lei do Voto Virtual, o Brasil vai na contramão da história.

O eleitor argentino pode conferir se o registro digital do seu voto contém de fato o seu voto. O eleitor brasileiro não pode.”

“Nenhum sistema informatizado é imune à fraude,” não sou eu que estou afirmando isto, são os técnicos em computação.

UMA COMPARAÇÃO DA ARGENTINA COM A BRASILEIRA

  1. O eleitor argentino pode conferir e até refutar o registro digital do seu voto, antes de deixar o local de votação e de forma simples e direta.
    O eleitor brasileiro não pode – no Brasil, o conteúdo do registro digital do voto é secreto até para o próprio eleitor, pois não lhe é permitido ver ou conferir o que nele foi gravado.
  2. Os fiscais de partido na Argentina podem conferir a apuração do voto eletrônico, verificando a integridade de cada registro de voto e assistindo sua contagem.
    O fiscal eleitoral brasileiro não pode – no Brasil, a apuração dos votos eletrônicos é secreta para o fiscal brasileiro, já que não lhe é permitido acompanhar e conferir a contagem dos votos.
  3. É plena a colaboração das autoridades eleitorais argentinas de todos os níveis para com a fiscalização, agregando segurança e confiabilidade ao processo eleitoral.

Tem mais uma coisinha, muito importante, que não falei: a apuração na Argentina é muito mais rápida que no Brasil.

tela é maior e possui touch-screen, em vez do teclado fixo, bem mais prático.

“ Na Argentina, após votar, o eleitor recebe seu voto na chamada cédula eletrônica e em papel impresso.”

“A urna argentina é mais rápida e “mais transparente” que a brasileira, por permitir que tanto o eleitor como o mesário possam conferir a “integridade do registro do voto”.

Confira demais dados na fonte abaixo, tem muita coisa interessante:

FONTE: http://www.brunazo.eng.br/voto-e/textos/argentina2011.htm

Manoel Amaral

http://osvandir.blogspot.com

O SEQUESTRO DO LEITOR

“Escrever é uma viagem perigosa para dentro de nós mesmos”
(Chistopher Vogler)

“Estava perambulando pelas páginas de um livro, quando senti que tinha sido seqüestrado. Não podia largá-lo, em hipótese alguma.Dizia o leitor aflito”

Neste esquema o leitor era obrigado a ler um conto diariamente. Uma tortura, mas real.

Aquele livro, grande, 364 páginas, antologia de contos, pegou aquele jovem desprevenido.

Não podia mais pensar nem agir como antes. Estava completamente comprometido com aquelas páginas.

Conta de energia, telefone, água, tudo ficou atrasado. Até a prestação da casa, que tinha uma multa e uns juros altos, ficou ali na gaveta.

A mensalidade da faculdade, a lavadeira, a prestação dos sapatos, das roupas, gente cobrando. Farmácia cortando o crédito e o cartão de crédito? Também embolando.

O trabalho de escritório foi esquecido, como se não existisse. O chefe ligou várias vezes, ele nem atendeu. Olhava na bina do aparelho telefônico e sabia quem estava ligando e desligava na cara do cidadão.

Tudo correndo desta maneira. A vivência era a dos contos, nada mais.

Enquanto isso, tudo acontecia do lado de fora:

Albertina se casara com Mário que a abandonou depois de três dias.

A Universidade expulsou a garota da mini-saia. Ela resolveu entrar com processo de indenização e danos morais.

O menino foi amordaço na escola. A Professora disse que ele falava demais.

A lista de cornos, naquela cidade do interior de Minas, estava causando o maior reboliço.

Homem tem documentos usados por irmão foragido, que pintava e bordava em seu nome.

O Ministro das Comunicações pretende dar ao povo, a Bolsa Celular. Disse que é para beneficiar quem tem bolsa família. Mas não é de graça, as empresas receberão do Fundo de Fiscalização das Telefônicas. Muito dinheiro envolvido: mais de dois bilhões de reais.

E no Sul de Minas, surto de diarréia, postos de saúde cheios de gente indo aos banheiros. Alguns acham que o Prefeito tratou mal a água da cidade.

Criança sai para entregar a chave da vizinha e é morta misteriosamente.

Várias balas perdidas (não existe bala perdida), matam no Rio.

Aposentados vão ter que esperar mais. O aumento prometido não vai sair. Quem sabe poderia sair um celular desta bolsa para os coitados.

Morto aparece no próprio velório, assustando todo mundo. Acontece que quem havia sido atropelado era outra pessoa. As suas irmãs esqueceram a sua fisionomia de tanto ele morar na rua.

Velório da mulher que ainda estava no Hospital. Explica-se estavam velando a mulher errada.

Namoro na WEB acaba em homicídio, o corpo da mulher foi encontrado incinerado.

Os Políticos, no ano que vem, serão todos honesto. Ano de Eleição vale tudo, até fingir que é homem do bem. Adeus quadrilhas, mensalões, empréstimos fabulosos, castelos e viagens ao exterior.

Seria melhor o Leitor ficar no mundo dos contos, aqui fora a vida continua cruel.

“No conto, o autor vence o leitor por nocaute”
(Alex Gennari)

MANOEL AMARAL

OSVANDIR E A SENHORA DE CRISTAL III

Capítulo III

OS GUARDIÕES DA TERRA

“Em matéria de religião, não deve o sábio ser
nem supersticioso, nem ímpio.”
(Antoine Rivarol)

Começaram a surgir naquele local muitas seitas, religiões, sociedades secretas e uma infinidade de enganações.

Uma delas adorava os cristais. Nunca foi proibida de exercer o seu culto, desde que não prejudicasse a população. Lançou até uma manifesto a população:

“Nova Era
Nova época se aproxima, aqui em Senhora do Cristal. Uma grande onda energética está se aproximando. Uma essência de luz vinda do espaço, passando por nossos cristais se tornará benigna para todos. É o Senhor de todas as galáxias que quer comunicar-se conosco. Vamos juntar nossos pensamentos em direção a Júpiter para receber melhor os sinais. Uma nova primavera está chegando e com ela as flores cristalinas. Cidadãos, uni-vos em torno de nossa casa para receberem estes benefícios vindos do espaço.
Ashathan Sheran”

As Igrejas Cristãs também lançaram os seus boletins apelando por todos os apóstolos da cristandade.

As Sociedades Secretas, cada uma mais secreta que a outra, escolhiam seu membros no mais rigoroso sistema. Só podiam participar quem fosse realmente honesto, trabalhador e sábio. Como homens sábios estavam rareando, mandaram buscar em todas as partes do país, os mais inteligentes, para participarem de seu núcleo. Eles seriam os Guardiões da Terra dos Cristais.

Ladrões, assassinos, traficantes e usuário de drogas, por ali era difícil encontrar. Ninguém se habilitava, pois eram deportados para outras cidades e nunca mais entravam no Povoado. Pequenos roubos aconteciam e os autores eram severamente punidos com trabalhos sociais, naquela terra não tinha cadeia e sim muitas escolas.

O Povoado de Senhora do Cristal estava crescendo exagerada-mente, até que um dia começaram a fazer uma grande muralha em torno da povoação. Foi a única maneira que encontraram de solucionar o problema do crescimento e as mazelas de cidades maiores.

Tinha deixado quatro portões, dois para rodovias federais e dois para estaduais. Sem contar três saídas secretas, menores, cujo local só os dirigentes conheciam.

Num certo tempo foi necessário solicitar ao Estado o desligamento do povoado da cidade. Para o povo da cidade foi uma tristeza. Vários benefícios foram perdidos. Os políticos não queriam conceder esta dádiva ao povo, mas com muita luta, veio a emancipação.

Exatamente em primeiro de janeiro, data da descoberta da Senhora de Cristal é que saiu o Decreto nº 666, transformando o Povoado em Cidade. O nome ficou o mesmo, cidade da Senhora de Cristal.

Uma enorme festa foi organizada para o povo, com foguetes, brinquedos para as crianças, banda de música e o Prefeito nomeado, falando para todos, na praça central.

Agora precisava fazer uma eleição para escolher quem o povo indicaria para Vereadores, Prefeito e Vice.

O sistema de votação escolhido não era por urna eletrônica. Cada bairro escolhia o seu candidato a Vereador e os partidos os candidatos a Prefeito.

Os Vereadores vencedores seriam os que obtivessem maior nu-mero de votos. O Partido Senhora de Cristal – PSC estava levando vantagem. Os seus candidatos estavam bem cotados, no entanto, através de estratagemas não muito convencionais, alguns partidos nanicos conseguiram fazer alguns Vereadores.

Cada vez mais aquele núcleo de população afastava dos sistemas do Governo Estadual e Federal. Tinha leis próprias, como se fosse um país, dentro do país.

A tributação também era diferente. Os produtos que saiam tinham uma alíquota baixa e os que entravam eram altamente taxados. Pagamento no ato da retirada da Nota Fiscal Eletrônica.

O dinheiro caía aos borbotões nos cofres da Prefeitura, por isso a cidade era muito bem administrada. Não tinham políticos deso-nestos, porque eram expulsos dos partidos pelos eleitores.

As ruas e os sistemas de abastecimentos eram muito bem orga-nizados.

Uma feira foi organizada para exposição dos produtos locais, toda semana. O que sobrava era distribuído gratuitamente entre os mais pobres.

Outra feira anual de grande sucesso era a das pedras preciosas, conhecida mundialmente.

Todos ali dentro daquelas muralhas tinham o seu trabalho. Nin-guém saía, a não ser em casos de extrema necessidade.

Manoel Amaral
(Continua…)