O FRANCÊS QUE NÃO ENTENDEU O BRASIL

O FRANCÊS QUE NÃO ENTENDEU O BRASIL –

Imagem Google

                                  e porque ele fugiu correndo

”…Qu’il soit infini aussi longtemps qu’il durera !”
Vinícius de Morais
E aquele francês Jean Jacques queria conhecer o Brasil. E o serviço de Turismo aconselhou ao turista visitar uma favela do Rio.
Ele foi ao complexo do Alemão, lá estava tudo pacificado: tiroteio durante a noite que nem festa de São João.
Resolveu ir para a periferia da periferia, lá pros lados onde “Judas perdeu as botas.”
Muita gente dormindo pelas calçadas, por que no centro da cidade não pode mais.
Aqueles moradores de rua, sem perspectiva nenhuma de melhoria de vida. O Programa Minha Casa Minha Dívida, não foi feito para eles, quem estão abaixo da linha de pobreza. Hoje o cidadão tem que pagar altas prestações mensais aos bancos. Como eles não ganham…
A cada dia aqueles indivíduos estão sendo varridos da face da terra por uma onda de extermínio, uma verdadeira “Limpeza Social”.
Por precaução eles dormem durante o dia, à noite estão correndo risco de vida.
Jean, o nobre francês, foi vendo aquilo, ficando triste com o país da maior Copa do Mundo.
Quando ouviu e leu sobre os gastos com os estádios e nada para saúde, encino (estão escrevendo assim nas capas dos cadernos) e Transporte, ficou muito triste.
Abriu o Jornal e pode constatar que naquela madrugada vários bancos foram assaltados com bananas de dinamite. Noutra coluna ficou sabendo sobre tráfico de órgãos humanos. Naufrágio no Amazonas, apreensão em São Paulo de uma tonelada de maconha, fora incêndio criminoso em favelas.
Viu e espantou-se com o trânsito, com vários quilômetros, nos fins de semana. Ele que não era bobo nem nada, logo pensou:
–Já imaginaram isso aqui no mês de junho, durante a Copa com mais de três milhões de turistas, andando por todo lado?
Resolveu ir para o Nordeste e apreciar aquelas praias maravilhosas.
O que viu não gostou nenhum pouco. Tinha acabado de descer do táxi, que deu várias voltas desnecessárias, próximo do hotel e já foi “cantado”, por uma garotinha de uns 14 anos. Elas já conhecem as suas vítimas, sendo elas também vítimas deste sistema social de altos privilégios para poucos.
Correu para praia mais próxima para esfriar a cabeça e por lá era a mesma coisa: o turismo sexual “corria à solta”. Não ouve tempo nem dele fotografar o lindo por do sol, roubaram a sua câmara digital.
Resolveu então tomar uma água de coco, mas o preço que pediram foi alto. Acabou comprando uma água mineral, quando notou ela estava violada, foi reclamar, mas cadê o vendedor?
Quando estava pensando que tudo aquilo estava tranquilo demais, vem um arrastão de vinte jovens e levam tudo dos turistas desprevenidos.
Mediante esta tão boa acolhida resolve ir ao restaurante do hotel e por lá comer uma boa feijoada. Mas aquela refeição só era para quem estava acostumado. Ficou com dor de barriga por três dias, sendo internado no UPA 24 horas, que incrivelmente nunca funcionou à noite.
Saiu de lá mais branco do que já era, pegou a mochila, arrumou tudo, passou a mão na sua mala, comprou passagem para o seu país e zarpou o mais rápido possível.
Manoel Amaral
Fonte:

https://www.youtube.com/watch?v=zlKdXKPGo5k Brasil: denunciam desalojamento disfarçado e limpeza social – Favelas

https://www.youtube.com/watch?v=GEsAwat2_Dg  Fogo nas favelas. Empreendimentos Mobiliários – alto preço dos imóveis região.

OSVANDIR & NAZTAR, O NETO DE TARZAN I

A MINA DE OURO

Imagem Google

Mrs. John Wassman, o lendário Naztar, neto de Tarzan, percorre as selvas ainda restante do devastado continente africano, protegendo-a da ganância dos países exploradores.

Em Angola, Congo e África do Sul, enfrenta grandes problemas contra a cobiça internacional por causa da extraordinária riqueza mineral existente em seu subsolo. Dos 48 minerais considerados estratégicos pelo mundo industrial de alta tecnologia, a África monopoliza não menos que 38.

As grandes potências mundiais, China, Japão, a Coréia do Sul, a Índia, a Turquia, o Irã França, Itália, Espanha, Portugal, Inglaterra, mas ainda da Alemanha, da Rússia e até da Polônia, incluindo o Brasil
estão todos na disputa por um pedaço de terra na sofrida África.

Todos querem avançar, atirar, matar e arrancar o que resta de riqueza no subsolo.

Isso representa riscos para o continente africano, para o meio ambiente e a população. A China há muitos anos já monta um esquema de exploração e aquisição nos 53 países africanos, interessada em materiais estratégicos.

A população muito pobre, ditadores muito ricos, guerras civis, exploração religiosa e tudo mais para agravar a situação.

É neste cenário em que entra Naztar, o neto de Tarzan. Ele chegou para acabar com a exploração.

Saiu de New York e foi direto para Johanesburgo, onde uma mina de ouro com mais de três mil trabalhadores, estão sofrendo com os constantes desabamentos.

O Governo da África do Sul quer fechar a mina, pela falta de segurança, as empresas continuam explorando os mineiros.

Num recente acidente, mais de cinqüenta pessoas faleceram, ficaram enterrados para sempre, no meio daquela riqueza.

A chegada de Naztar foi muito aplaudida, ele tentaria solucionar alguns problemas naquele local.

Entrou logo em contato com os administradores, mandou reforçar os escoramentos, solicitou colocação de mais iluminação e ventilação, o que não agradou nada aos proprietários.

A empresa “Desharmony”, responsável pela mina não quer aumentar gastos, ao contrário, pretende reduzi-los. Enquanto isso os três mil mineiros correm riscos constantes.

Todos os dias novos acidentes. Ainda ontem os mineiros ficaram presos na com a queda de uma coluna sobre o fosso do elevador principal, que ficou parado, depois que as conexões elétricas foram destruídas.

Um dos mineiros informou:
__ A infra-estrutura do poço tem problemas, porque é muito velha e nunca recebe manutenção.
__ Trabalhar ali é correr alto risco de vida – falou outro mineiro exaltado.
__ Nos últimos dois anos, – informou o Presidente do Sindicato dos Mineiros – a região mineradora custou a vida de dezenas de mineiros em deslizamentos de rochas e outros acidentes.

Naztar, ouvia tudo isso e procurava mais informações sobre a grande empresa mineradora, a “Desharmony”. A mina fica em Johnyville, perto de Johanesburgo. A Desharmony é uma da maiores extratoras de ouro do mundo e uma das maiores empresas da África do Sul, o maior produtor mundial de ouro e que tem a mineração como o principal pilar de sua economia.

Nem bem acabara de obter essas informações e novo desabamento foi anunciado e vários mineiros ficaram presos entre num setor de dinamitação e a saída da mina.

Osvandir chegou para a Copa do Mundo, nem teve tempo de ver treinos do Brasil, foi chamado para ajudar Naztar.

Naquele hotel de Johanesburgo os dois se conheceram;
__ Mas que prazer conhecer tão ilustre figura do Brasil – disse Naztar.
__ Eu é que estou encantado com o seu trabalho aqui na África, há muito que pretendia realizar alguma coisa para ajudar este sofrido povo e essa é a hora, – falou Osvandir.

Enquanto os dois conversavam, novos equipamentos de segurança eram fornecidos, mas as maneiras antigas de exploração, a idade da mina com mais de 30 anos, tudo isso conjugado provocam acidentes quase todos os dias.

Naztar fazia um grande esforço, solicitando aos encarregado que trouxessem a perfuratriz para que abrisse um poço paralelo, com a finalidade de entrada de ar e com sua ampliação, para a saída dos pobres mineiros.

Enquanto Osvandir ajudava no resgate de alguns mineiros que eram levados à superfície, aplausos foram ouvidos para aquele jovem descompromissado, que veio até a África do Sul trabalhar em prol de um mundo melhor.

Os mineiros resgatados chegavam traumatizados, com sinais de cansaço, fome, cãibras e, em alguns casos, desidratação e claustrofobia.

Enquanto isso o Administrador dava entrevista informando que os os mineiros resgatados estavam bem de saúde.

MANOEL AMARAL

OSVANDIR E O CARNAVAL 2009

“No carnaval, alegoria de pobre dura pouco.” Casseta&Planeta


Quarta-feira começou a barulheira lá pelos lados da Bahia.
Quinta e sexta-feira no Rio e em São Paulo, muita gente para ver os desfiles das escolas.

As fantasias não estavam tão brilhantes e luxuosas como nos anos anteriores, sinal que a crise mundial afetara também aquele setor.

Muito material reciclável foi forçosamente utilizado na confecção dos adereços. Penas de pavão, emas e outros pássaros raros, nem pensar.

Vários containeres ficaram retidos na alfândega por falta de pagamento dos impostos e taxas.

Os investimentos de grandes empresas, na hora “H”, não apareceram.

Osvandir não se fez de rogado, resolveu fugir do carnaval e quarta-feira já estava na Europa passeando e pegando um frio e até neve na Inglaterra. Logo ele que não pode nem abrir geladeira ou entrar em bancos que fica gripado por três dias.

Pegou o Eurotúnel, Túnel da Mancha, conhecido na Inglaterra por Channel Tunnel e em poucas horas estava em Paris, onde encontrou um clima mais ameno.
Ficou no famoso Hotel Lê Bristol e almoçou no restaurante que tem um lindo jardim ao lado.

Acabando de almoçar pegou as tralhas e partiu para a Alemanha. Vendo aquelas construções antigas, bem no centro de Berlim, lembrou das atrocidades da segunda guerra mundial, onde morreram mais de 6 milhões de judeus.

Judeus? Resolveu ir para o Oriente-Médio, queria visitar Israel. Em lá chegando assustou-se com os estragos da guerra contra os Palestinos.

Eles não aprenderam nada com Hitler, ou aprenderam demais? Estão seguindo o mesmo caminho massacrando uma minoria étnica.

Fugiu dali, foi para Austrália. O fogaréu estava consumindo várias hectares de árvores de eucaliptos. Cangurus saltavam por todos os lados.

Voltou, em vôo com escala na África, para América do Norte. Obama cada vez fundando-se nas dívidas de guerra, deixadas por outros presidentes.

De lá esteve no Canadá onde faz frio seis meses do ano e pegou uma nebrasca de gelar até picolé.

Assim que o tempo melhorou decolou para Venezuela onde o calor era aproximado ao de sua terra, em Minas. Esteve no Chile, em terras mais clamas, depois visitou a Argentina e finalmente chegou ao Rio de Janeiro na quarta-feira, quando estavam fazendo as apurações dos desfiles das escolas.

Em São Paulo, o resultado fora apurado na noite anterior, saindo vencedora a Vai-Vai, as demais ficaram só na esperança.

No Rio, depois de alguma confusão com os jurados, o resultado deu vitória para Salgueiro .
Osvandir havia comprado um jornal em cada lugar onde esteve e vejam abaixo as manchetes de cada um.

Em Divinópolis, que não tem carnaval, chega nosso herói, mais cansado do que quando partiu, pegou o seu travesseiro azul e foi sonhar com os carneirinhos…

Manoel Amaral

Carnaval nos EUA com Obama
http://i35.tinypic.com/28lcmeq.jpg

EUA
OBAMA DANÇOU O SAMBA
A CRISE DAS FINANÇAS NÃO CHEGOU AO BRASIL.

Canadá
NEM O FRIO IMPEDIU O CARNAVAL

Portugal
ORA, POIS POIS. CARNAVAL PORTUGUÊS É EM COIMBRA.

França
O PRESIDENTE CUMPRIMENTA O LULIN

Argentina
ATÉ CLARIN TINHA NO CARNAVAL

Chile
Chile cumprimenta as escolas vencedoras

Venezuela
VAMOS PULAR CARNAVAL FANTASIADOS DE VERMELHO

Canadá
NO FRIO NEM CANA DÁ

Austrália
CARNAVAL É FOGO!