Untitled

Os e-books brasileiros são os mais caros do mundo

Hoje resolvi dar uma busca, pelo Google, nuns e-books e encontrei “A Estrela Mais Brilhante do Céu” de Marian Keyes, da Editora Bertrand Brasil como exemplo:
IMPRESSO
A Estrela Mais Brilhante do Céu
Editora: Bertrand Brasil
Ano: 2011
Peso: 880g
Cadastrado em: 09 de setembro de 2013
Descrição: Novo. Lacrado. 598 págs. Não é Ed. Econômica.
Preço: R$28,00
Vendido na Estante Virtual

EBOOK

A estrela mais brilhante do céu
Autor: Marian Keyes
Título Original:The brightest star in the sky
Tradutor: Maria Clara Mattos
EAN: 9788528615395
Gênero:Chick Lit
Páginas: 602
Formato: 16 x 23 cm
Editora: Bertrand Brasil

Preço: R$ 60,00

Sinceramente não dá para acreditar, um livro impresso por R$28,00 e o mesmo título em e-book por R$60,00, coisa de louco.

Não estão, definitivamente, querendo vender e-book. Não acham que dá tanto lucro como o impresso, só pode ser isso.

As editoras brasileiras não querem largar o osso. Ainda bem que a Amazon está aí para acabar com esta história. Tem e-book lá até de $0,99 (noventa e nove centavos do dólar) e tem uns em português muito barato.

Mas vamos a análise acima: o livro de R$28,00 é distribuído pela Estante Virtual e o outro, um e-book, pela Editora Bertrand Brasil representada pela Record pela quantia de R$60,00.

Dá para acreditar num fato deste? Vão alegar que a Estante Virtual só vende livro usado, mas está lá no texto: “livro novo”, lacrado. 598 págs. Não é edição econômica.” Como pode uma coisa dessas?

O que dá a entender disso tudo é que as editoras brasileiras não estão querendo trabalhar com e-books. Porque será? Só pode ser pouco lucro.
Continuarei pesquisando, outro dia falo mais sobre o assunto.
Manoel Amaral

LIVRO DIGITAL BRASIL É UMA PIADA…

LIVRO DIGITAL NO BRASIL É UMA PIADA…
(DE MAU GOSTO)

Capa do meu último livro.


Amigos leitores, o livro digital no Brasil é mesmo uma piada de mau gosto.
Houve casos em o e-book saia mais caro que os livros impressos, não acreditam? É verdade.

Todas as editoras têm medo de perder a mamata e estão sempre adiando a decisão da venda em e-books.
Agora que os escritores independentes podem negociar diretamente com a distribuidora no caso a Amazon, o Google (nos EUA), na Europa tem a Amazon e outros distribuidores; no Brasil tem a Amazon e algumas Editoras que eles estão caindo na realidade. Começam a enfrentar o futuro somente agora.

Mas falávamos dos e-books mais caros que os impressos, isso nalgumas editoras brasileiras que não tem interesse nenhum em vendê-los. Esta prática iria diminuir muito a sua receita.

Os meus livros estão caminhando em direção à Europa, via e-book. Estou negociando com a Amazon, para um comércio mundial.

Se no Brasil não vende, vamos vendê-los para outros países.

Se aqui e-book é motivo de piada, noutros países o assunto é tratado com mais seriedade. Se aqui é coisa do futuro lá fora já é realidade.

Sou criticado por tomar essa posição, vendendo meus livros por $4,99, $2,99 ou $1,99, não me importo. É melhor vender muitos livros a um preço baixo do que não vender nada com preço alto.

Que os livros de todos os escritores  brasileiros sejam taxados em dólares e sejam lançados no mundo inteiro. Seria bom para os leitores e para os autores.
O livro Cinquenta Tons de Cinza do autor E. L. James é um grande sucesso de ficção e literatura, custo aproximado do ebook na Iba de R$21,90. (www.iba.com.br/livro-digital-ebook).
O mesmo livro, versão impressa na Livraria da Folha custa R$29,90.

Uma busca rápida encontrei o livro 1822, de Laurentino Gomes, versão impressa por R$27,90 no Walmart R$27,90 na Siciliano. Na Saraiva sai por R$16,90 em formato digital.

Manoel Amaral