OSVANDIR, AVENTURA EM ISRAEL

“Que imenso tesouro pode estar oculto num simples coração.”
Osmair, tio do Osvandir

Osvandir leu num jornal que o Departamento de Antiguidades de Israel colocara em exposição os últimos textos encontrados em 1947, no deserto, numa caverna perto de KHIRBET QUMRÂN, a 128 km de Jericó. Estes textos, na maioria, muito antigos, alguns são datados de aproximadamente 250 antes de Cristo e outros do ano 70 da era comum.

Aproveitou uma viagem que fez ao Oriente Médio, para visitar Israel, mais precisamente em Jerusalém

Ao descer no aeroporto, Osvandir foi convidado a prestar alguns esclarecimentos ao Mossad, Serviço de Inteligência Israelense, sobre o que escreveu falando de Israel no texto “Quem matou este homem” (link: http://osvandir.blogspot.com/2009_04_01_archive.html), que constava em sua ficha policial daquele país.

Osvandir argumentou que aquilo era apenas um conto, bem como quase tudo que escreve, razão pela qual em seu blog, logo abaixo de seu nome, está a informação que os textos tratam de ficção.

Liberado, foi visitar o Museu do Livro, Eichal HaSefer, em Jerusalém, lugar onde são abrigados os Manuscritos do Mar Morto, além de ser um centro de informação e estudos sobre o assunto.

A cúpula do prédio é em formato da tampa dos vasos onde foram encontrados os pergaminhos. O santuário é construído com uma cúpula branca simbolizando os filhos da luz, e uma basalt wall negra – simbolizando os filhos das trevas.

Osvandir achou que parecia com uma nave pousada. Fotografou e enviou uma cópia para o seu amigo Mario Rangel, que coleciona estes tipos de fotos.

Dos documentos exposto, o que mais interessou ao nosso herói, foi o rolo de cobre, cujo conteúdo traz a localização de tesouros do Templo, com mais de 200 toneladas de ouro e prata, enterrados em vários locais.

Os demais documentos trazem orações, rituais e regras provavelmente dos essênios, uma comunidade que viveu em Quran. Estão escritos em várias línguas: hebraico, aramaico e grego.

A secretaria do Museu colocou à disposição de Osvandir um CD-ROM, com cópia exata do rolo de cobre que tanto lhe interessou.

Na manhã seguinte seguiu por uma rodovia asfaltada, até encontrar as famosas cavernas, num deserto de difícil locomoção. Parou o carro em frente a que estava mais próxima, subiu num pequeno morro de pedras, esgueirou-se por entre brechas das rochas e conseguiu entrar naquela que seria uma das mais importantes cavernas, onde encontraram vários documentos antigos.

Conseguiu penetrar até ao fundo projetou a lanterna no teto, depois pelas paredes laterais. Encostou a mão num local onde estava mais liso e empurrou, para sua surpresa viu alguma coisa mover-se, provocando um barulho de terra despencando. Caminhou para direção contrária e escondeu-se atrás de uma grande pedra.

Quando a poeira acabou, focou a lanterna naquele local e o que viu causou-lhe um espanto. Debaixo daquelas pedras que caíram havia um grande vaso, vedado por uma tampa. Ao removê-la, notou vários rolos de pergaminho e no fundo algumas moedas muito antigas. A maioria de prata.

Imediatamente comunicou o fato ao Departamento de Arqueologia de Israel, que enviou várias pessoas para remover o que foi encontrado.

Em agradecimento, Osvandir recebeu daquele departamento, uma réplica de moedas antigas. As autoridades reconheceram o grande valor da descoberta.

Na hora do embarque o aparelho do aeroporto acusou presença de metal. Osvandir mostrou as moedas e o CD-ROM que recebera das Autoridades Israelenses. Analisaram a bagagem de mão e liberaram.

Em casa, desfazendo as malas, encontrou na sua bagagem de mão uma estranha moeda de ouro. Sem saber como aquela relíquia foi parar ali, tentou lembrar dos últimos momentos que passou no aeroporto internacional de Israel. Lembrou que conversara com um Senhor que se identificara como Isaac, dissera ser pesquisador dos pergaminhos antigos e estava muito feliz com a nova descoberta. Estranhou o abraço apertado que recebeu na hora da partida.

No seu escritório, consultando os jornais digitais favoritos, deparou com a seguinte reportagem:
Brasileiro descobre tesouro em Israel

Manoel Amaral

OSVANDIR E A SEMANA SANTA

QUEM MATOU ESTE HOMEM?

“The State of Israel is at war with the Palestinian people,

people against people, collective against collective.”

Benjamin Netanyahu (primeiro ministro de Israel)


Pelos cálculos, ele nascera em 1976, em Belém-PA, Brasil. Tornara-se conhecido pela sua grande sabedoria. Desejava a paz das Nações. Vivia nas favelas ou periferia das cidades, em companhia dos pobres.


Viajava sempre para Israel e seus arredores. Visitava os palestinos, via as suas misérias, o muro, as bombas, os tanques, explosões a toda hora.


Ensinava ao ar livre, debaixo do que restou das árvores do território palestino, bem como atendia a pedidos para palestrar em grandes recintos fechados, com modernas técnicas de comunicação.


Pregava o igualitarismo radical, tanto em níveis socioeconômicos (alimentação e o uso da água para toda a população), como o religioso-político (liberdade religiosa e política). Essa combinação poderia ter levado a execução deste homem.


Vamos resumir a sua história: saiu do Brasil aos 30 anos. Perambulou pelo mundo, visitando a Índia, a China, a Rússia, praticamente toda Europa. Teve um carinho especial com aquele povo sofrido da África, visitando constantemente aquela região.


Conversou com grandes líderes do G20 para que ajudassem os países mais pobres.


Arrecadou e mandou toneladas de alimentos para o Haiti, Nordeste Brasileiro e onde havia falta de comida. Levou sua palavra de consolo a muitas regiões do planeta.


Pregou nos mais afastados recantos da terra. Atravessou, oceanos, rios e lagos a procura de alguém que precisasse de sua palavra, nestes tempos de aflição.


Passou uma temporada nos Estados Unidos, falando ao povo, em tempos de crise.

Pregou aos grandes como perdoar e fazer a caridade. Ensinou aos pequenos como suportar a dor e continuar vivendo.


Previu que grande crise mundial viria, mas que seria suportada pela população.

Disse aos barões da coca, traficantes, assassinos, colarinhos brancos, políticos e banqueiros corruptos, e demais bandidos que se não mudassem de vida, veriam seu mundo ruir num piscar de olhos.


Foi sentenciado de morte pelos poderosos, queriam que ele fosse banido de Israel. Passou a viver mais tempo do lado palestino, cuidando dos doentes e criancinhas abandonadas.


Criou e sustentou várias escolas e creches ao longo da Faixa de Gaza.

Ajudou muitos peregrinos que iam visitar Jerusalém e que encontravam-se em dificuldades.


Criticava as bases políticas, religiosas, sociais e econômicas de Israel.

Achava que o Rio Jordão e suas águas pertenciam a todos. Pregava sobre a desigualdade social.


O Povo Palestino em menor número, pobre, estraçalhado pelos foguetes de Israel, só poderiam revidar através de atos de terrorismo. A sua religião ensina as crianças a seguir seus líderes, transformando-se crianças em homens bombas.

Homem sereno e transcendental, sozinho, dolorosamente humano.


Naquele dia, numa sexta-feira, foi preso, carregado até o muro das lamentações, torturado, arrastado por jipes de guerra.


Levaram-no até aos portões de entrada para a Palestina. Pela lei dos Judeus seria o seu castigo o apedrejamento, no entanto foi amarrado numa cerca elétrica de arame farpado.


Colocaram uma coroa feita de arame de aço perfurante na sua cabeça e declararam-no Rei dos Judeus.

Quando estava agonizando um soldado israelense deu uma saraivada de balas com sua metralhadora e perfurou-lhe todo seu peito e informaram para a imprensa que o tiro partira de uma arma dos palestinos.


No muro ao lado uma frase: “Quem vive pelo fuzil, pela metralhadora morrerá!”


Manoel Amaral

OSVANDIR E O CARNAVAL 2009

“No carnaval, alegoria de pobre dura pouco.” Casseta&Planeta


Quarta-feira começou a barulheira lá pelos lados da Bahia.
Quinta e sexta-feira no Rio e em São Paulo, muita gente para ver os desfiles das escolas.

As fantasias não estavam tão brilhantes e luxuosas como nos anos anteriores, sinal que a crise mundial afetara também aquele setor.

Muito material reciclável foi forçosamente utilizado na confecção dos adereços. Penas de pavão, emas e outros pássaros raros, nem pensar.

Vários containeres ficaram retidos na alfândega por falta de pagamento dos impostos e taxas.

Os investimentos de grandes empresas, na hora “H”, não apareceram.

Osvandir não se fez de rogado, resolveu fugir do carnaval e quarta-feira já estava na Europa passeando e pegando um frio e até neve na Inglaterra. Logo ele que não pode nem abrir geladeira ou entrar em bancos que fica gripado por três dias.

Pegou o Eurotúnel, Túnel da Mancha, conhecido na Inglaterra por Channel Tunnel e em poucas horas estava em Paris, onde encontrou um clima mais ameno.
Ficou no famoso Hotel Lê Bristol e almoçou no restaurante que tem um lindo jardim ao lado.

Acabando de almoçar pegou as tralhas e partiu para a Alemanha. Vendo aquelas construções antigas, bem no centro de Berlim, lembrou das atrocidades da segunda guerra mundial, onde morreram mais de 6 milhões de judeus.

Judeus? Resolveu ir para o Oriente-Médio, queria visitar Israel. Em lá chegando assustou-se com os estragos da guerra contra os Palestinos.

Eles não aprenderam nada com Hitler, ou aprenderam demais? Estão seguindo o mesmo caminho massacrando uma minoria étnica.

Fugiu dali, foi para Austrália. O fogaréu estava consumindo várias hectares de árvores de eucaliptos. Cangurus saltavam por todos os lados.

Voltou, em vôo com escala na África, para América do Norte. Obama cada vez fundando-se nas dívidas de guerra, deixadas por outros presidentes.

De lá esteve no Canadá onde faz frio seis meses do ano e pegou uma nebrasca de gelar até picolé.

Assim que o tempo melhorou decolou para Venezuela onde o calor era aproximado ao de sua terra, em Minas. Esteve no Chile, em terras mais clamas, depois visitou a Argentina e finalmente chegou ao Rio de Janeiro na quarta-feira, quando estavam fazendo as apurações dos desfiles das escolas.

Em São Paulo, o resultado fora apurado na noite anterior, saindo vencedora a Vai-Vai, as demais ficaram só na esperança.

No Rio, depois de alguma confusão com os jurados, o resultado deu vitória para Salgueiro .
Osvandir havia comprado um jornal em cada lugar onde esteve e vejam abaixo as manchetes de cada um.

Em Divinópolis, que não tem carnaval, chega nosso herói, mais cansado do que quando partiu, pegou o seu travesseiro azul e foi sonhar com os carneirinhos…

Manoel Amaral

Carnaval nos EUA com Obama
http://i35.tinypic.com/28lcmeq.jpg

EUA
OBAMA DANÇOU O SAMBA
A CRISE DAS FINANÇAS NÃO CHEGOU AO BRASIL.

Canadá
NEM O FRIO IMPEDIU O CARNAVAL

Portugal
ORA, POIS POIS. CARNAVAL PORTUGUÊS É EM COIMBRA.

França
O PRESIDENTE CUMPRIMENTA O LULIN

Argentina
ATÉ CLARIN TINHA NO CARNAVAL

Chile
Chile cumprimenta as escolas vencedoras

Venezuela
VAMOS PULAR CARNAVAL FANTASIADOS DE VERMELHO

Canadá
NO FRIO NEM CANA DÁ

Austrália
CARNAVAL É FOGO!


NOVAS PREVISÕES PARA 2009

DIVERSAS PREVISÕES E PROFECIAS

Tufões, maremotos e terremotos, passarão pelos EUA.

Um político safado baterá as botas para tirar a lama do solado.

Atentado a bomba no Iraque, Paquistão ou Israel.

Israel promete não fazer mais guerra contra os fracos.

Ob ama o povo americano.

Terremoto na China ou no Japão destruirá uma cidade.

Maremoto pode acontecer no mar, próximo de alguma praia.

Arrastão: marginais vão “limpar” 1.500 pessoas na praia.

Mais um escândalo, políticos roubarão a caixinha de Natal.

Alguns políticos brasileiros terão prisão de ventre.

A turma do “colarinho branco” ficará sem a gravata.

Os EUA não invadirão mais nenhum país este ano.

A Amazônia deixará de ser cobiçada pela Inglaterra.

As balas perdidas do Rio e São Paulo serão encontradas.

A dengue será extinta, pelo brilhante idéia dos Prefeitos em colocar os desocupados para espantar os mosquitos para a terra de Obama.

A AIDS terá uma vacina baseada no cocô de galinha preta.

Os traficantes vão doar grandes quantias em dinheiro, para a saúde pública.

Não haverá mais acidentes em nossas estradas que estão em ótimas condições.

Muitos animais morrerão com a seca no pantanal.

Choverá muito no deserto de Atacama, ao norte do Chile.

Um vulcão extinto, entrará em erupção, semeando lava no mar, formando uma ilha misteriosa.

Um meteoro cairá próximo ao México, aumentando, em consequência, o tamanho da ilha de Cuba, para desespero dos EUA.

Os minérios nióbio, urânio e outros importantes na era espacial, serão muito bem controlados pelo Governo Brasileiro.

Comprar imóveis nos EUA será o melhor investimento do ano.

Os Bancos vão baixar os juros dos cartões e cheques especiais.

Gasolina vai baixar de preço a partir de março.

Governo Lula diminuirá os impostos em 2012.

Deputados votarão o fim da reeleição em 2100!

Arqueólogos encontrarão em uma ruína na Austrália, novas profecias Maias para o ano de 2009.

As bolsas do mundo inteiro sofrerão queda neste ano de 2009, comemorando os 80 anos da “Quebradeira de 1929”.