SURPRESAS NO NATAL

SURPRESA NO NATAL

Imagem Google

Todo ano naquela casa era uma festança só no Natal. Champanhe importada, vinhos de vários países. Uvas passas e frutas de dar água na boca. Sem contar o pernil de porco, bem assadinho.


Mas os visitantes não mudavam nada, eram sempre os mesmos. Levavam um presentinho e queriam receber um presentão. Enchiam a pança e iam embora, deixando para trás copos, talheres e vasilhas sujas.

Senhor Lorenzo, o dono da casa daquele Povo de Jerimum, queria fazer a coisa bem diferente neste Natal. Estudou bem a situação e disse para todos que naquele ano haveria uma grande surpresa.

Estava preparando tudo direitinho. Encomendou os presentes, separando os das crianças. Levou o pernil mais cedo para assar.

As horas iam passando lentamente e todos já pensando no gostinho da carne.

As mulheres da casa receberam comunicação de que não precisariam fazer nada. Tudo viria prontinho, já estava encomendado.

Todos apreensivos, o velho relógio da capela já havia tocado onze batidas.

Nada de chegar os comestíveis. Até a dona da casa começou a ficar vermelha e com o coração batendo forte.

De repente uma camionete chegou e três jovens foram descendo com as caixas,  colocaram sobre mesa e pediram para abrirem só a meia-noite.

Várias caixas foram deixadas na sala, eram os presentes.

Como de costume, foram colocados ao pé da Árvore de Natal, só que não tinha nome de ninguém nas etiquetas. As caixas eram bem maiores que do ano anterior.

No outro lado da cidade, Senhor Lorenzo, passou na casa de Dona Maricota e pegou o suculento pernil de porco. Não se esqueceu de levar os presentes das crianças e nem as caixas de bombons e uma grande variedade de doces, não faltando o doce-de-leite e o queijo Minas.

Parou no Centro Comunitário e mandou deixar tudo ali, depois de conversar com o Presidente da entidade.

Foi uma festa muito alegre. Todo mundo provou o pernil que o Senhor Lorenzo levou e fez questão de cortar os pedaços para o povo. Depois distribuiu os bombons para criançada.

O Presidente do Centro Comunitário agradeceu a oferta do Senhor Lorenzo e disse que deveria voltar sempre.

Lá no centro do Povoado, na casa grande onde tudo estava preparado, quando bateu meia-noite, todos avançaram sobre ás caixas de alimentos com os pratos e talheres nas mãos.

Um velhinho perguntou:
— Onde está o pernil? Quero tirar um naco!

Aí veio a primeira surpresa: não tinha pernil, nem frutas, nem champanhe importada, nem doces e muito menos queijo.

Das caixas saíram umas marmitas, com uma comidinha baseada em arroz, feijão e carne moída.

Alguns mais orgulhosos, nem quiseram abrir a sua, deixando-as sobre a mesa.

— E onde estão os bombons? – alguém perguntou.

Ninguém respondeu. Nada apareceu nos restos das caixas.

Como todos estavam desapontados, a dona da casa mandou trazer os presentes.

Duas crianças colocaram tudo nos sacos e saíram distribuindo caixa azul para homem e vermelha para mulher, conforme recomendação do dono da casa.

Foi outra surpresa: dentro das caixas só tinha cuecas e calcinhas baratas. Daquelas que duram apenas uma semana e o elástico estraga.

Sobrou uma caixa de cor diferente e maior que as outras, mais pesada.

A menina entregou para um senhor que nem era convidado.

Todos queriam saber o que continha ali, na caixa amarela.

Esta era a terceira surpresa: uma enxada novinha, marca “Duas Caras”. E havia uma frase. Como o presenteado era analfabeto, apareceu logo um jovem para decifrar a mensagem.

Lá estava escrito: “Vá trabalhar vagabundo!”

A frase foi parar na internet e virou febre, até ontem já tinha um milhão de curtidas.

Manoel Amaral

A ROTA DA MACONHA

A ROTA DA MACONHA

Não fumo, não bebo e não cheiro. Só minto um pouco.
Entrando o fim do ano, os maconheiros ficam doidos pelo produto.

Os produtores do Paraguai também querem atravessar com a droga de qualquer maneira: de carro, caminhão, barco ou avião. Trem não tem, porque se tivesse iriam toneladas.

A praga é tão grande que até aplicam aquele velho esquema de levar cinco veículos cheios. Enquanto o carro de piranha é pego (pêgo) os outros passam livremente.

Assoalho duplo nos caminhões é coisa rotineira. Debaixo de outros produtos então, nem se fala. Até em carroça de mudança e pneus recheados de carretas.
Partem de vários pontos do Paraguai com a finalidade de atingir São Paulo, até de Foz do Iguaçu/PR.

Os mais de cem nomes da Erva do Diabo são poucos para tanta imaginação.
Outro dia pegaram um carro tão cheio de tabletes que quase não se via o motorista.

As estradas estão infestadas dos “laranjas”, como formiguinhas transportando as folhinhas.

E a polícia apreendeu, seis toneladas, em 2014, em Laranjeiras do Sul, no Paraná.

Outra notícia também deste ano: um caminhão com mais de 15 toneladas de maconha, próximo a Dourados, a 233 quilômetros de Campo Grande.

Já pensaram, agora não contam mais em quilos, mas em toneladas. Um verdadeiro absurdo, inacreditável e como dizia meu avô “coisa do outro mundo.”
O haxixe é consumido em toda parte, virou epidemia.

Desde São Paulo, até a menor cidade do país, lá está o Cânhamo.

E o cigarro é chamado de: baseado, tora, beise, fumo, bagulho e fininho em várias partes deste enorme país.

A Diamba está no cardápio de milhões de brasileiros, uso diário, maior que o cigarro, outra droga que mata muita gente, mas é oficializada.

Ainda fazem mistura com outras drogas: Freebase(maconha com cocaína) e Mesclado ou Cabralzinho(maconha com crack). 

Imaginem só, a Danadanão presta e ainda é associada a outras drogas piores ainda, um verdadeiro coquetel da morte.

 A Cannabis, quando contém pouca quantidade é denominada Fino ou Perninha-de-Grilo.

Já quando é maior, o cigarro da Maria-Tonteira é conhecido como Bomba, Vela, Tora, Charolão, Pavio e uma infinidade de outros nomes mais estranhos:  Preto, Amarelinho, Palha, Torba, Bração de Judas.. Tudo de acordo com a Região do País.

E para quem gosta de música tem um local aí que ela é chamada de Ramones ou 12aba, sem racismo tem a Cabeça de Negro.

E se no outro dia você quiser apagar tudo, tem aquela chamada Borracha.

São nomes e mais nomes: Chá, Bronze, Strovo(seria assim mesmo? Não seria Estorvo?),  Manga Rosa, Pau Podre, Diamante Negro, Chocolate, Queijo, Mofu, Madeira, Lenha, Tijolo (acho que neste caso seria o tablete).

Tem muito nome de mulher no meio: Maria, Ju-Ju, Mary Jane, Marijuana, Apito de  Ana, Joana, Prima Mari.

Cidades temos: Taco Venezuelano, Panamá, Acapulco Gold Bamba, Verde Chicago e Canadian.  

Até futebol está no meio: Bolae Tostão.

O Pote de Ouro que não fiquei sabendo se referia ao tablete ou o cigarro da Marvada.

E a alegria de todos é “Charuto da Felicidade

O assunto está tão escrachado que até Árvore de Natal feita com pé de maconha e com bolinhas idem, já circulou na internet.

Manoel Amaral

AS TRÊS CEIAS DE NATAL

Que o espírito natalino traga aos nossos corações a fé inabalável
dos que acreditam em um novo tempo de paz e amor.
Boas Festas.
(Fernando Waki)

Ele não queria escrever sobre o assunto, neste fim de ano, tentou por várias vezes se livrar da ideia. Muita gente já tinha falado sobre o assunto. Mas aquilo ficou martelando a sua cabeça, sem cessar, teve que escrever.

Eram três casas que Osvandir teria de visitar na noite do Natal: a primeira, num luxo danado. A segunda o pessoal da classe média e a última lá no sítio do Poço Fundo.

Chegou à iluminada mansão do Senhor Josias por volta de nove horas, a mesa estava posta, com frutas, castanhas, vinhos das mais variadas marcas, tudo importado.

Tudo numa arrumação de fazer gosto, trabalhado por experts no assunto, especialmente contratados para aquela noite. Garçons refinadíssimos servindo a todos com muito préstimo.
Mulheres desfilando nos seus últimos modelos, vindos de Paris. Fotos e mais fotos nas mais modernas câmaras digitais.

Não ouviram nenhuma Ave Maria, assunto só eram política, futebol e festas.
Na segunda ceia, do Senhor Quinzinho, casa mais modesta, um pequeno presépio num canto, mal iluminado e a mesa bem no centro da sala principal.

Ali viram muita coisa importada, ainda, devido à baixa do dólar.
E todo mundo comendo, comendo e bebendo. Assuntos principais: futebol e últimos crimes. Não esqueceram de comentar aquele caso do estado do Pará, em Belém, do menino, recém nascido, que foi atirado pela mãe, no quintal do vizinho. Estava passando a reportagem naquele momento na TV.

Osvandir saiu dali, despedindo de todos e foi para a última ceia, na zona rural.
Antes de chegar ao local, já avistara uma criança encarregada de abrir a porteira para as visitas e indicar onde poderiam estacionar os seus carros. Casinha simples, branca com portas e janelas em azul forte.

Ao adentrar ali, a primeira coisa que viram foi o imenso presépio, muito bem montado, tudo com coisas da região. Cristo estava acomodado numa casca de palmeira. Frutinhas e flores do mato estavam espalhadas por todo canto. As figuras representativas eram feitas de saco de aniagem e cabaças. Várias pedras coloridas naturalmente. Uma pequena cachoeira foi montada, com a entrada da água sutilmente escondida, trabalho de mestre.

A mesa bem montada, com frutos da região: banana, abacaxi, laranja, alguns colhidos no mato. Mas uma chamou a atenção do Osvandir e perguntou para o Senhor Arthur, dono da casa:
— É fruta importada?
— Não, é de um pé que plantei no quintal. Uma muda que recebi de presente. Vamos lá para você ver como está bonita.

Chegando ao local depararam com uma enorme árvore cheia de frutos de cor arroxeada. Era a lichia, originária da China, se deu muito bem em terras brasileiras.

O interior do fruto é muito parecido com bacupari, fruto de cor alaranjada quando maduro e muito apreciado pelas crianças na zona rural. Com vários nomes em cada estado, tem também um cipó com este nome.

Dona Maria convidou a todos para orar e depois servir a ceia.
Uma leitoa estava estirada sobre a mesa, saída do forno naquela hora. Carne de porco, de boi, alguns frangos caipiras, farofa feita com farinha de mandioca, doces de todos os tipos, feitos em casa.

Cada visitante trazia um pratinho com alguma coisinha para completar a mesa.
Naquela confraternização, todos se abraçando, conversando e dando boas risadas.
E aí caros leitores, perguntamos para você: Em qual das casas ouve o verdadeiro Espírito do Natal?

Manoel Amaral

OSVANDIR E OS TRÊS REIS MAGOS


Roteiro de Melquior

Roteiro de Gaspar

Roteiro de Baltazar


OSVANDIR E OS TRÊS REIS MAGOS

Os três reis magos seguiam pelo deserto afora, sendo conduzidos por uma estrela que bem poderia ter sido a conjunção de Júpiter e Saturno na constelação de Peixes. Outros estudiosos dizem que foi um cometa na constelação de Capricórnio que conduziu os três.

“Belquior (ou Melquior) seria o representante da raça branca (européia) e descenderia de Jafé; Gaspar representaria a raça amarela (asiática) e seria descendente de Sem; por fim, Baltasar representaria todos os de raça negra (africana) e descenderia de Cam. Estavam assim representadas todas as raças bíblicas (e as únicas conhecidas na altura: os semitas, os jafetitas e camitas.)”

Os Magos eram considerados entre os Medos, Persas e Caldeus, uma classe de sábios, eruditos, filósofos, astrólogos e sacerdotes, detentores de muitos e variados conhecimentos

A melhor descrição dos reis magos foi feita por São Beda, o Venerável (673-735), que no seu tratado “Excerpta et Colletanea” assim relata:
“Melquior era velho de setenta anos, de cabelos e barbas brancas, tendo partido de Ur, terra dos Caldeus. Gaspar era moço, de vinte anos, robusto e partira de uma distante região montanhosa, perto do Mar Cáspio. E Baltazar era mouro, de barba cerrada e com quarenta anos, partira do Golfo Pérsico, na Arábia Feliz”.Quanto aos seus nomes, Gaspar significa “Aquele que vai inspecionar”, Melquior quer dizer: “Meu Rei é Luz”, e Baltazar traduz-se por “Deus manifesta o Rei”. Como se pretendia dizer que representavam os reis de todo o mundo, representando as três raças humanas existentes, em idades diferentes. Assim, Melquior ou Belquior, representando a raça branca, entregou-Lhe ouro em reconhecimento da realeza; Gaspar, da raça amarela, o incenso em reconhecimento da divindade; e Baltazar,o negro, a mirra em reconhecimento da humanidade.”

A mirra, era uma resina antiséptica usada em embalsamentos desde o Egito.

Os Magos fariam um trajeto de 1000 a 1200 quilômetros no espaço de um ano.
De repente tudo mudou. Uma nuvem escura surgiu no céu, uma tempestade de areia cobriu toda região.

O vento parou, a nuvem de areia abaixou. Os três reis magos haviam desaparecido.

Osvandir estava no Estado do Pará, fazendo uma investigação sobre o aparecimento de ufos em um povoado distante da capital.

As coisas não andavam bem nas suas pesquisas; ficou sabendo que uma estrela diferente surgira no céu, naqueles dias. Informaram mais que três figuras esquisitas, com roupas totalmente fora de época, caíram do céu, sem mais nem menos, em três estados do país. Um de cor negra caíra no sul da Bahia, outro de cor amarela, descera na divisa dos estados do Acre e Amazonas e finalmente um terceiro, de cor branca, foi parar no Rio Grande do Sul.

Eles estavam deslocando-se para o norte do país. O que caira na Bahia dizia chamar-se Baltazar, o que descera no Acre falava que seu nome era Gaspar e o que vinha do sul dizia chamar-se Melquior.

Osvandir estava juntando os cacos para montar a história, era quase fim do ano. Ficou em Belém para ver o que aconteceria.

Acompanhou a trajetória daquelas três pessoas que pareciam ter muita pressa.
O que saiu do Acre, o Gaspar, chegou primeiro em Belém, no que foi seguido por Baltazar e finalmente o Melquior que vinha do Sul do País.

Parece que havia uma coincidência muito grande, pois foram hospedar-se no mesmo hotel onde estava Osvandir.

Aquelas figuras, com roupas estranhas, despertaram grande interesse em toda a população.
No hotel, ficaram conversando entre si, contando as aventuras por que passaram.

Osvandir quis conhecer aquelas brilhantes figuras e entrou no meio da conversa. Explicou que andava pesquisando uma estranha estrela que aparecera em Belém há alguns dias. Os magos ficaram interessados.

Gaspar, da raça amarela, contou que até chegar a Belém passara por muitos povoados e cidades e viajou principalmente pelos rios. Negociou o ouro nos garimpos da região.

Melquior, o representante da raça branca, disse que foi o que fez o maior percurso. Saiu de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, passou por Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Tocantins e muitas cidades que nem lembrava os nomes. Anotou que passou perto de uma cidade denominada Nazareno, em Minas Gerais. Comprou incenso num dos locais por que passou, não lembrando onde.

Já Baltazar, da raça negra, veio feliz de Salvador, na Bahia, onde conseguiu comprar mirra ou uma substância parecida. Passara por muitas cidades no litoral, inclusive uma que guardou bem o nome: Nova Jerusalém.

Disseram que o objetivo comum era encontrar uma criança, nascida em Belém, num local simples, quem sabe até uma gruta.

Osvandir pegou um mapa da cidade, pesquisou pela periferia e localizou um ponto onde existia algumas grutas.

Foram os quatro para aquele local, verificando onde a estrela indicava.
E, entrando na casa, acharam o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro, incenso e mirra.” (Mat. 2 – 11)

Manoel

Fonte Pesquisa:
Mapas: Google;
http://www.miniweb.com.br/imagens/home/dezembro/natal/reis_magos.html
portal.portugalmistico.com/content/view/49/36/ – 35k