O HOMEM DOS DEZ MILHÕES DE DÓLARES

O HOMEM DE 10 MILHÕES DE DÓLARES

Imagem Google

01 – 08 – 17 – 44 – 46 – 53

Atravessei a semana passada com um pensamento na cabeça: — O que terá acontecido com o homem ou mulher que ganhou 23 milhões de reais na Mega-Sena em Julho deste ano?

Os números sorteados foram: 01 – 08 – 17 – 44 – 46 – 53, o desaparecido acertou sozinho os seis números sorteados pelo concurso 1510 da Mega-Sena, no dia 10 (quarta-feira), no mês de julho passado, valor do prêmio: R$22.933,056,04.

Só de juros ele já perdeu mais de R$300 mil reais.

Ele ou ela é de Ponta Grossa/PR, Campos Gerais e fez a aposta na casa lotérica localizada na galeria de um edifício no centro de Ponta Grossa e nem conhecemos o nome a Lotérica.

O que teria acontecido como o feliz/infeliz ganhador (a)?

As conversas fiadas aumentaram nas cidades, nos postos de gasolina dizem que ele morreu atropelado.

Nas Lotéricas dizem que ele foi sequestrado ou tudo foi orquestrado, mais um golpe publicitário para mais vendas no fim do ano com a Mega-Sena da Virada.

Mas as conversas fiadas e à vista, continuaram: — Ele morreu do coração e a família não quer falar nada porque até hoje está procurando o bilhete.

A conversa mais repetida é de que ele não morasse no município; mas que bobagem, ele poderia receber o prêmio em qualquer agência da cidade em que estivesse.
O interessante que pouca gente sabe que a aposta simples na Mega-Sena tem apenas uma chance em 50 mil de acertar as seis dezenas do concurso e ele fez uma aposta destas.

“Dizem que a mulher dele lavou a calça com o bilhete no bolso e o bilhete se desmanchou na água”.

Outros acham que ele nem sequer soube que fez a aposta premiada, isto pode ser verdade, de janeiro a julho deste ano, registrou-se um total de R$ 137,8 milhões em prêmios prescritos em vários concursos e modalidades de loterias.

No mesmo sorteio de que ele participou, 95 pessoas acertaram a quina e 9.101 a quadra.
O sortudo tinha 90 dias para retirar o prêmio , após esse prazo, os valores são repassados ao tesouro nacional para aplicação no FIES – Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior.
Em virtude da greve dos bancários, o ganhador poderá retirar o prêmio até um dia após o fim da paralisação. Parece-me que a greve terminou ontem.
Manoel Amaral
FONTE: Gazeta do Povo e Jornal O Globo
Outras histórias sobre loterias:

OSVANDIR GANHOU NA MEGA-SENA DA VIRADA

Duas pulgas conversando:
— O que você faria se ganhasse na Mega-Sena da Virada?
A amiga responde, com ar de sonhadora:
— Ah… Eu compraria um cachorro só pra mim!

Osvandir começou a comprar os bilhetes da Mega-Sena da Virada, desde o dia 15 de dezembro.

Tudo parecia que dar certo. Jogou nas dezenas: 10, 20, 30, 40, 50 e 60. Sabia que muita gente iria fazer isso, não importava, se ganhassem todos seriam felizes.

Marcou um cartão com um jogo sonhado, outro por pura intuição e um outro de acordo com as idades dos sobrinhos e pais.

Remexeu no bolso ainda sobrara alguns reais; fez mais dois jogos diferentes, marcou os extremos e centro do cartão: 01, 10 – 51 e 60, além de ir para o 25 e 36, depois repetiu os mesmos números dos extremos em outro cartão, alterando somente os números do centro passando para 26 e 35.

Jogou um cartão com os números do seriado da TV, LOST: 4, 8, 15, 16, 23 e 42. Fez outra seqüência com estes números: 48, 41, 51, 52, 34 e 26. Jogou também, como não poderia faltar, nos números derivados de 2009 e 2010: 20, 09, 21, 10, 22, 01.

As datas de nascimento da família, da namorada, tudo serviu para palpite de jogo.

O número da casa, do telefone, do celular e assim por diante.

Agora era só esperar. O dia 31 de dezembro chegou, 20 horas seria o sorteio. O tempo não passava, a aflição era muito grande.

Andou pra lá e pra cá dentro de casa, não deu. Resolveu fazer uma caminhada para relaxar. Passou na porta da Casa Lotérica, antes das 14 horas e a fila era enorme. Pensou: __ Ainda bem que fiz meu jogo por antecipação. Foi um cartão por dia, até ontem.

Aproximando-se das 17 horas e a TV a todo instante fazia chamadas dizendo o valor do prêmio, cerca de R$140.000.000,00 (cento e quarenta milhões de reais), só de juros, na poupança, daria mais de R$500.000,00 mensais. O que fazer com tanto dinheiro?

Começou a pensar: __ Primeiro sumiria por uns dois meses, para fugir da mídia, iria pescar no Pantanal e viajar para Itália a fim de conhecer os antepassados da família Nicolai.
Tentou tomar um cafezinho, a mão tremeu, o café caiu na camisa branca da virada do Ano Novo. Nem importou, o seu sentido estava no resultado da Loteria.

Não enxergava mais nada, uma tinta preta escorrera dentro de seu cérebro, por entre os neurônios, apagando tudo. Os seus pensamentos eram apenas uma fumaça negra. Tentou usar o computador e não conseguiu nada.

Foi ver alguns filmes na Sky, não conseguiu. Nem a Play Boy atraiu a sua atenção.

O tempo não passava, os segundos eram horas; os minutos dias e as horas meses. Tudo arrastando numa lentidão sem fim.

Os foguetes começaram a estourar, não sei se pela Mega-Sena ou pela passagem de ano. 2010 seria muito bom para todos, número par, final de zero, somando três e com dois números iguais. Este seria mesmo um ano de sucesso para muitos.

Pegou os bilhetes, ficou olhando-os, aqueles números cresciam, viravam miragens, castelos de areia.

Chegou a hora, saiu, agora eletronicamente, o primeiro número: houve um acerto. O segundo: também acertou. O coração estava saindo pela boca. Saiu o terceiro número e houve na sala borbulhar, havia acertado!

Uma pequena pausa no sorteio, para acalmar os jogadores e aumentar o suspense. O Ibope da TV foi as alturas. A internet ficou totalmente congestionada. Foi sorteado o quarto, nem precisava dizer, ele acertou.

Começou a passar mal, as pernas amoleceram, ficou vermelho que nem um peru. A quinta bolinha desceu correndo pela tubulação transparente da máquina eletrônica e caiu naquela mesinha. Apareceu na tela da TV e ele acertou.

O sexto número fez a mesma trajetória e a máquina vomitou-o naquela mesa transparente. Houve um hôôô!!! A bolinha quase caiu no chão de tanta emoção dos que extraiam da máquina aquele resultado.

Daí em diante, na TV, nos Rádios e as conversas nas ruas, só falavam naquilo. Muitos milhões nos bolsos de alguns e outros a ver navios.

Manoel Amaral