A ONÇA COR-DE-ROSA

A ONÇA COR-DE-ROSA

Imagem Google

A onça cor-de-rosa, criada em laboratório experimentalmente, está atuando bem no ambiente em que foi colocada.

A ideia foi de Clos, aquele francês que veio assistir a Copa das Copas, mas acabou encantando-se tanto com este país que saiu com o Osvandir por aí, em busca de aventuras.

Como ele é neto do Inspetor Jacques Clouseau, aquele da Pantera Cor-de-Rosa, achou que a onça da mesma cor, talvez resolvesse os problemas dos fazendeiros e os Javaporcos.

Pegaram o sêmen de um macho da pantera norte-americana, muito esperto e cruzaram com nossa onça do Pantanal. O resultado foi muito bom, derivou-se um animal com o peito rosado que estava liquidando os malditos javaporcos da região.

Assim sendo foram produzidos em laboratórios vários filhotes que vão liquidar o assunto.

–E por falar nisso o nosso herói resolveu ir para o Pantanal.
–Ver o jogo?  
–Não, fotografar os jacarés.

Osvandir acompanhou Clos nesta aventura. Acho que foi uma desventura só.

Em cada parada era uma confusão. Chegando ao primeiro bar na beira da estrada ele queria uma coisa e saía outra. Foi muito difícil saber o que ele queria. Acabou comendo um bolinho de mandioca muito apimentado, pensando que seria um produto similar ao de sua terra.

O recurso foi usar o tablet para fazer algumas traduções. O Smartphone também ajudou, mas tinha hora que aprontava uma confusão danada.

Foi fotografando tudo que encontrava pela frente e ainda estava colocando no Facebook. Mandando para seus amigos, lá da França.

Num dos rios em que navegaram havia piranhas, aquele peixe devorador e que nada em grupo.

Quando vão atravessar a boiada num rio cheio desses peixes, levam um boi doente e jogam na água. Enquanto elas devoram o animal, os outros atravessam o rio, é o Boi de piranha.

No Pantanal existem muitos jacarés e pássaros. O jaburu é um deles que reina naquela região.

O barco carregado de mantimentos leva os dois pescadores de araque para o local de acampamento.

De repente esbarra numa pedra, Osvandir e Clos caem na água, do outro lado da margem vários jacarés entram no rio para atacar os dois intrépidos passageiros.

O rapaz que dirigia o barco deu vários tiros nos répteis, informou que alguns atingem mais de 6 metros de comprimento e 300 quilos.

Disse ainda que: “–É um animal carnívoro, se alimenta de quase todos os animais da floresta, desde peixes até aves e mamíferos. Alimentam-se inclusive de piranhas.”

“–Tem um couro muito cobiçado, é uma carne saborosa, apreciada por muitos moradores da região. Por isso estÁ na lista de animais ameaçados de Extinção.” 

Saindo do Pantanal os dois foram para um Hotel, em Belo Horizonte, onde tomaram conhecimento da descoberta de uma diamante cor-de-rosa.

Manoel Amaral
www.afadinha.com.br


O FRANCÊS QUE NÃO ENTENDEU O BRASIL II e porque ele fugiu correndo…


Este adorável francês Jean chegou aqui ao Brasil, dois meses antes da maior Copa do Mundo.

Depois de andar por todo lado resolveu visitar um parque nacional, foi lá para Mato Grosso, na Chapada dos Veadeiros (êpa!), um local lindo para visitar.

Por onde se pode encontrar ainda o pau-terra-vermelho, o caju-do-cerrado, o murici, e as mandioqueiras. No meio da mata tem até pau-d’arco roxo (raro), copaíba, aroeira e tamanqueira. Muito buriti e babaçu por todos os lados.

Entre os animais que podem ser encontrados por lá: a onça pintada, o cervo-do-pantanal, o veado-campeiro, lobo guará. Tem ema, urubu-rei e o gavião real. Se der sorte pode até encontrar a anaconda gigante.

E o nosso pobre turista não tem a menor noção destas coisas, só conhece o local por fotos, cinema e TV.

Lá vai ele e mais dois colegas embrenhando-se na mata a procura de um bom lugar para acampar.

Acho que eles nem leram as placas que é proibido fumar nas áreas de visitação.

Também eles já haviam embrenhado no mato, sem guia nem nada. Acharam que poderiam seguir mata-a-dentro sem se perder.

Ali não havia sinal de celular e a noite já vinha de mansinho.

Seguiram pela trilha de Seriema, a mais curtinha, um ótimo local para banho.
Deram azar por que esta trilha é uma das menos visitadas, poucas pessoas passam por ali.

Saíram fora do indicado, a procura de um poço para refrescar do calor.
Perderam-se na floresta, pouca comida, sem sinal de celular, não conheciam o local. Anoiteceu.

De manhã os três franceses tentaram voltar, mas quanto mais andavam, não saiam do lugar e cada vez perdiam mais a noção do tempo e localização.

Uma onça pintada rosnou atrás das moitas, Jean escorregou na casca de uma fruta e caiu. O animal, que procurava outra vítima, deu um salto e conseguiu pegar um coelho selvagem.

Uma ema passou rápido, quase não foi percebida, estava a procura de alimentos como folhas, brotos, sementes, insetos e pequenas serpentes e animais.

Os três turistas foram resgatados pelo Corpo de Bombeiros, depois de várias horas perdidos naquela mata.

Manoel Amaral
www.casadosmunicipios.com.br