TAMANHO NÃO É DOCUMENTO

TAMANHO NÃO É DOCUMENTO
O jovem descia a rua, pesquisando os números, iria comprar hidrogel com uma amiga.
Nem sabia da procedência, estava mais barato, para ele era isso que contava no momento de crises no país.
Aproveitou, passou numa farmácia mais próxima e comprou também uma microcânula, descartável, para injetar o medicamento.
No início doeu muito, mas explicaram para ele que era assim mesmo, depois viriam os sangramentos e inchaços. Não tinha nenhum conhecimento técnico para aquilo. O profissional habilitado para fazer o procedimento é um médico, de preferência um cirurgião plástico ou um dermatologista com treinamento em técnicas de preenchimento do corpo.
Só que ele não explicou para a vendedora onde iria fazer a aplicação.
Nos primeiros dias a sua namorada sentiu um grande volume no órgão. Até achou melhor a relação do que das noites anteriores.
Ele ficou satisfeito com o desempenho. Mas aquilo estava incomodando muito.
Na verdade o hidrogel é usado para aumento de volume em regiões como o bumbum e as coxas. Também é usado para o preenchimento de linhas e rugas no rosto e no pescoço.
No pênis ninguém nunca tinha experimentado e ele não tinha experiência nenhuma no caso e acabou pegando vasos, causando vários trombos que caíram na circulação sanguínea, foram até o pulmão, causando um quadro de embolia pulmonar.
Com aquele negócio muito roxo e passando muito mal, foi internado, mas não sobreviveu, sofreu uma parada cardiorrespiratória.
A namorada não estava nem aí. Não compareceu ao enterro que foi muito comentado nas redes sociais e serviu de piadas por muito tempo.
Não use medicamentos quando não sabe dos resultados finais. 
Tamanho não é documento.

Manoel Amaral

THE NEW WEST – III CORRUPÇÃO

THE NEW WEST – III

CORRUPÇÃO

“A reeleição é um poço de corrupção”

(Osmair – Tio do Osvandir)

No caso da corrupção os larápios limpam os cofres da “viúva” e voltam sempre para conferir.

A Casa da Moeda e a comissão de 25 milhões de dólares, foi uma das notícias que mais me entristeceu neste fim de semana.

Na era Collor foi o caso PC Farias, para os jovens que não lembram do assunto: O PC passava o chapéu nos empresários que ajudaram a eleger o Collor, umas duas ou três vezes por ano. E a arrecadação era muito grande, dólares e mais dólares. O seu caso de amor não foi bem resolvido e nem a sua morte, muito suspeita.

Na época do FHC foi a privataria. Uma turminha do núcleo do poder ganharam mais poder e mais dinheiro.

O pior da corrupção é que ela é maior, proporcionalmente, nos municípios. Esse ano houve muita luta contra os altos subsídios dos vereadores (os de BH desistiram do aumento).

Todos os poderes estão enlameados. Empresas públicas estão apinhadas de servidores não técnicos, capachos, impostos pelos partidos, no tradicional loteamento de cargos. Olha que não salva nenhum partido.

A corrupção entrou na área pública de cabo a rabo (êpa!)

Partido já nasce “partido”. Tem que começar com a letra “P”. A ditadura (1964) acabou com todos os partidos políticos. Foram criados apenas dois: ARENA – Aliança Renovadora Nacional e MDB- Movimento Democrático Brasileiro. Depois vieram as sublegendas, a pior instituição que já inventaram na política: tinha Arena 1, 2 ou o tanto que comportassem as facções políticas. Daí voltamos a era atual que tem tantos partidos que o eleitor nem sabe de qual pertence o seu candidato.

Os políticos também são culpados disso tudo, mudavam de um lado para o outro sempre que se sentia ameaçado em sua reeleição. E por falar nisso é outra merda que inventaram na política.

A reeleição favorece a corrupção.

Veja abaixo alguns casos mais recentes de corrupção:

CPI do Banestado – 2004

“Comissão Parlamentar de Inquérito pediu 91 indiciamentos de pessoas acusadas de envolvimento em esquema de envio de remessas ilegais para o exterior. A comissão investigou o envio de cerca de R$30 bilhões, por meio das chamadas contas CC-5.” (Revista Veja)

MENSALÃO – 2005

“A prática já existia e consistia no pagamento de uma “mesada” para deputados votarem a favor de projetos de interesse do governo Lula, mas a palavra apareceu pela primeira vez na “Folha de S. Paulo”, em entrevista do deputado Roberto Jefferson. “ (Revista Veja)

DINHEIRO NA CUECA – 2005

“José Adalberto Vieira da Silva, assessor do deputado estadual José Nobre Guimarães (PT-CE), irmão do então deputado José Genoino, foi detido com US$100 mil escondidos sob a cueca e outros R$200 mil numa maleta.“ (Revista Veja)

ANTONIO PALOCCI – 2006

O então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, foi afastado do cargo depois da quebra ilegal do sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa, testemunha de acusação contra Palocci no caso da “República de Ribeirão Preto”. (REvsista Veja)

Operação Sanguessuga – 2006

“A Operação Sanguessuga, deflagrada em 2006 pela Polícia Federal, ilustra à perfeição como a dependência dos municípios em relação às verbas federais e a atuação dos intermediários que transportam recursos de uma esfera para a outra fomentam a corrupção. A operação desbaratou um esquema de superfaturamento na compra de ambulâncias que estava disseminado em dezenas de municípios.” (Revista Veja)

RENAN CALHEIROS – 2007

“Em maio, a revista “Veja” revelou que o presidente do Senado, Renan Calheiros, recebia recursos da empreiteira Mendes Júnior, por meio do lobista Cláudio Gontijo, para pagar pensão à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha fora do casamento.” (Revista Veja)

Ministro Rondeau e Construtora Gautama – 2007

“O ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, pediu afastamento do cargo após ter seu nome envolvido num esquema que fraudava licitações para a realização de obras públicas pela construtora Gautama.” (Revista Veja)

OPERAÇÃO SATIAGRAHA – 2007

“Policiais federais cumpriram 24 mandatos de prisão em São Paulo, Rio, Brasília e Salvador, como resultado de investigações da Polícia Federal sobre crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, sonegação fiscal e formação de quadrilha.” (Revista Veja)

Manoel Amaral