O FISCAL E O COMERCIANTE

O FISCAL E O COMERCIANTE
Imagem Google
Naquele reino, onde reinava absoluto, uma rainha déspota, os cidadãos eram subjugados a todos os tipos de sofrimentos.
Os impostos estavam nas alturas e ela anunciava mais impostos sobre as bebidas.
Haveria no reino um campeonato de atiradores de flechas e ela inscreveu todos os seus bons soldados.
Queria vencer a qualquer custo, a sua vida dependeria daquilo.
Mandou um cobrador ir até a taverna mais próxima para pegar a arrecadação do mês.
O pobre comerciante dizia que não tinha como pagar tão alto imposto.
Ele como um lobo rangeu os dentes e disse:
_ Você tem que pagar, há muito tempo vem deixando acumular. Está sujando a minha água, isto é, prejudicando a minha profissão. A Rainha vai enforcar-te.
_ Senhor, o valor é muito alto, leve então as bebidas para comemorarem a vitória no campeonato, – respondeu o comerciante.
_ Está bem, mas fica avisado, na próxima quero o restante.
O pobre do comerciante não tinha como saldar os compromissos e resolveu visitar a rainha.
_ Minha rainha, perdoe as minhas dívidas, não tenho como pagar tantos impostos.
_ Não posso fazer isso, do contrário os outros comerciantes também vão querer perdão das dívidas.
_ A senhor não conhece a história da Galinha dos Ovos de Ouro? – perguntou o esperto comerciante Elias.
_ Conheço, porque  a comparação?
_ É muito simples, se a senhora matar todos os comerciantes, como ameaça, vai perder a sua galinha de ovos de ouro.
_ É faz sentido. Estou até pensando em convidá-lo para ser meu ministro das finanças, aceita.
O esperto comerciante pensou, pensou e respondeu:
_ Minha cara rainha, aceito a proposta desde que possa comandar tudo relacionado a impostos e outras rendas do reino.
A rainha aceitou. O Comerciante, muito habilidoso tornou aquele reino um dos mais prósperos do ocidente.
MORAL: É preferível receber menos, mas todos os meses do que tentar receber o que ninguém pode pagar.

A RAINHA VAI A ROMA

A RAINHA VAI A ROMA

“O Papa é argentino, mas Deus é brasileiro”
(A Rainha)
Aquela princesa que morava nas Gerais, agora virou Rainha.
Seu castelo tinha lagos e cachoeiras, mármore por todo lado, reservas e parques, estava nos noticiários diariamente.

Na parte superior um enorme salão, em baixo pequenas salas para jogos com capacidade para várias pessoas.

Só a adega cabia oito mil garrafas de vinho e estava abarrotada, não existindo lugar para mais nada. Tinha um pequeno setor dedicado as mais finas cachaças.

No andar superior, 32 suítes cada uma com um closet e um banheiro com arquitetura bem diferente uma da outra. As mais importantes ficavam nas torres do castelo.

No último andar da torre, a suíte do Rei. Cada cômodo tinha o exagero de 100 m² – maior que muitas casas do Reino – com espaço para sala, banheiro, antessala e finalmente aquele luxuoso quarto.

Grandes espaços para os salões de festas, ginástica, jogos, eventos diversos, reuniões, dois elevadores, piscinas, saunas, lagos para pescaria, campos de golfe, jardins e áreas de relaxamento.

Pois é, dona de um castelo desta dimensão, a Rainha resolveu visitar o Papa Francisco, no Vaticano, Itália.
Ao chegar com a  sua comitiva se hospedaram no luxuoso hotel Westin Excelsior, na Via Veneto. Só ali ocuparam 30 quartos.
A equipe de apoio hospedou-se no hotel Parco dei Principi” onde foram alugados 22 quartos.  A diária da suíte presidencial de R$ 7.700, não assustou a Rainha; o quarto mais barato saiu por R$ 910. “Uma ninharia”, – segundo ela.
Os repórteres não perderam tempo, foram à cata de notícias e descobriram que “a frota alugada incluiu sete veículos sedã com motorista, um carro blindado de luxo, quatro vans executivas com capacidade para 15 pessoas cada, um micro-ônibus e um veículo destinado aos seguranças.”
Apenas para o transporte de bagagens e equipamentos, a Rainha contou com um caminhão-baú e dois furgões”, descobriu outro jornalista.
Acontece que a Rainha “não tinha agenda nenhuma na capital italiana que não assistir à missa de entronização do papa Francisco no Vaticano,” – foi logo alfinetando uma cronista do “Esta não”, um jornal de oposição lá no seu do Reino.
A nossa Rainha como não tinha nada para fazer, (mesmo) em Roma ou no Vaticano “acomitiva fez um esforço para arrumar ocupação para ela: visitou uma exposição de Ticiano,” encontrou-se com artistas, visitou museus, deu entrevistas.  “Na terça, houve até um papo-relâmpago com uma Princesa de um reino vizinho, que chegou sem avisar.”
“A viagem da Rainha ao Vaticano para a missa inaugural do papa Francisco custou aos cofres públicos 125.990,00 euros (cerca de R$ 324 mil), informou nesta quarta-feira ao jornal “O Estado de S. Pedro”
A oposição ficou nervosa, quer explicações sobre as despesas da comitiva da Rainha. Logo eles que vivem viajando por todo reino.
Mas ela nem se tocou, informou aos jornalistas que gostou muito do Papa Francisco e até citou uma frase que todos já conhecem desde os velhos tempos lá no Reino:
O Papa é Argentino, mas Deus é Brasileiro.
Manoel Amaral
Osvandir.blogspot.com
Fonte Pesquisa: 1 – A frase “Deus é brasileiro,”  é uma citação da última página do livro “O anjo”, editado em 1934, do romancista, poeta e pintor alagoano Jorge de Lima.
2 – Em 2009 escrevi a “Princesa e o Grande Castelo”, uma sátira a um castelo de Minas Gerais, veja o link: http://osvandir.blogspot.com.br/2009/10/princesa-do-grande-castelo.html
É de lá justamente a introdução desta matéria.
3 – Jornais: Estadão, Folha de S. Paulo e Revista Veja.