OS PEITINHOS DA PRINCESA


OS PEITINHOS DA PRINCESA
E A BUNDA DAS BRASILEIRAS
Coitada da Princesa, não pode nem mostrar os peitinhos. Aqui elas mostram as bundas todos os dias e não acontece nada, o povo já está acostumado com tanta abundância.
Coitado do povo brasileiro, que mesmo vendo bundas todos os dias, nos jornais, na TV, na internet e tudo continua naquela merda.
O Careca do Mensalão disse que está com medo de morrer. Tem que estar mesmo, mexeu num vespeiro. Ali tem vespas velhas na política, que estão por lá por mais de 30 anos e não largam o poder nem com muita reza “braba”.
No Rio e São Paulo, das caras & bundas, quem mandam são os bandidos. Não vai haver carnaval no ano que vem. Os bicheiros e traficantes não vão financiar as escolas. Agora estão substituindo até a justiça, matando jovens que nunca tiveram nada com a polícia.
E sai o livro “O País dos Petralhas II,” de Reinaldo Azevedo; já li o primeiro e quase morri de indigestão com tanta bandidagem no meio da política. Imagino como deve ser o II.
Não faça tatuagem com o nome do namorado, pode arrepender-se quando tudo terminar. Além do alto preço para apagar é mais dolorido do que para fazer. O ator Johnny Depp, do memorável filme  “Piratas do Caribe,” sofreu muito. Tatuou o nome da namorada: “Winona Forever,” terminou o namoro logo a seguir. Foi mais inteligente de todos, não apagou todas as palavras, apenas duas letras, transformando Winoma para sempre em Wino Forever que quer dizer: Bêbado para sempre. (Veja)_
Vi nuns vídeos da internet umas tatuagens num locais que não posso nem dizer. Muito pornográficos. O que move estas pessoas a fazer uma coisa dessa só Deus sabe por quê.
E por falar na revista, Veja nesta semana a história completa do Mensalão e o envolvimento do ex-presidente. Pretendiam criar um banco para fazer o que as financeiras estão fazendo: emprestar dinheiro aos aposentados e funcionários públicos para descontar em folha de pagamento. Que mina de dinheiro fácil, hein?
E aquelas bobagens do Facebook denominada “meme”, cada vez invadem a diversão dos jovens. Tanto tempo perdido por nada! Deveriam inventar uma coisa mais construtiva.
E o Fantástico conta a história de uma grande pedra semipreciosa, que desapareceu para sempre no meio da bandalheira do contrabando das pedras brasileiras.
E quem diria? O Chávez está metido noutro caso contra o nosso país.
Agora foi encontrado na Venezuela 18 toneladas de tantalita retirada de um garimpo de Guajará-Mirim, em Rondônia. Acredita-se que seria utilizada no programa nuclear do Irã. Imaginem o que estarão fazendo com o nosso urânio.
E a briga sobre o filme, que ainda nem foi feito, sobre Maomé? Dizem que até o trailer foi falsificado pelos fanáticos seguidores do Islamismo. Será?
E o novo livro da autora de Harry Potter, nem é para crianças. J.K. Rowling se separou de Bloomsbury, a editora britânica que a deixou milionária e vai lançar: “The casual vacancy”.
E eu nem falei na corrida para comprar o cobiçado Iphone 5, da Apple. A versão de 64 GB. vai custar 399 dólares, nos EUA, por aqui, com impostos e tudo mais, vai sair acima de mil dólaress. Já tem gente até criticando o aparelho pelo seu tamanho em relação aos outros.
E a Apple já está na briga para venda de e-books no Brasil, reunindo as nossas maiores editoras. Não se assustem com os preços. Ninguém está entendendo nada, não era para ser bem baratinho? Ah! A mamata não pode acabar, tem que roer até o osso!
Ô semaninha difícil!
Manoel

Fonte: Jornal Agora de Divinópolis, Programa Fantástico (Globo), Revistas Veja e Isto É, Jornal Estado de Minas, Folha de S. Paulo, The New York Times, The Washington Post  The Guardian.

 

O PAPEL DO PAPEL

O PAPEL DO PAPEL
Livros

Dias desses adentrei numa livraria a procura de um livro de história, onde encontrei um texto muito interessante sobre a “Social Democracia Europeia.”
O vendedor disse-me que aquele ele não tinha, mas mostrou-me uns primorosos livros infantis. Papel couché de alto brilho, brancura e opacidade inigualáveis, foi a melhor qualidade na impressão que já vi. Fiquei encantado!
Mas como é meu costume, virei o livro e fui verificar a contracapa e como eu suspeitava: era impresso na China. Vários outros que folheei, todos eram de lá.
Quando ia xingar a Deus e todo-mundo, fiquei sabendo pelo mesmo vendedor que também a Índia, Coreia, Colômbia e Chile, estão produzindo livros didáticos para o Brasil. Quase caí de costas!
Da primeira eu já sabia há muito tempo, mas destes outros países, alguns até nossos vizinhos, eu não sabia.
O pior é que o próprio Governo participa disso encomendando livros didáticos, que são produzidos noutros países.
Ai vem o Senhor Fabio Arruda Mortara, presidente da Associação Brasileira da Indústria Gráfica (Abigraf), e diz que “as editoras foram às compras no exterior, com base no argumento de que as gráficas editoriais brasileiras não teriam condições de entregar todas as encomendas dentro dos prazos estabelecidos nos editais.” (Mas hein?)
E não acabou: Karine Pansa, da Câmara Brasileira do Livro declara:
“Gostaríamos que houvesse menos importações em todos os segmentos, não só o livreiro, para o bem do desenvolvimento do Brasil”. E acrescenta: “Sabemos que os editores estão buscando a possibilidade de impressão em outros países porque o custo Brasil é prejudicial nesse momento à produção nacional”.
Estupefato, não acreditei o que lia no Jornal Estado de São Paulo e 

o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), José Carlos Wanderley Dias de Freitas, acrescentou:

“Se a editora vai fazer a impressão no Brasil, na China, na Europa ou na América do Sul, é um problema dela.”
Não é não Senhor Presidente, o problema é de todos nós: ficamos sem montanhas (minérios), sem matas (madeira), sem empregos (tem muitas empresas fechando as portas).
A Presidenta diz que pretende reduzir a “carga tributária” no país: “Elas (as medidas) têm por objetivo justamente assegurar, através de questões tributárias e financeiras, maior capacidade de investimento para o setor privado”. (Revista Exame)
É preciso trabalhar com cuidado, do contrário não adiantará nada, reduzirão os impostos para as empresas, mas estas continuarão cobrando os mesmos preços dos consumidores, como é muito comum por aqui.
Papel Higiênico

Se lá em cima eu quase chorei, com esta aqui eu quase morri de rir:
“O principal órgão de supervisão de qualidade da China detectou colônias de bactérias em parte do papel higiênico reciclado fabricado no país asiático e destinado à exportação, informa nesta sexta-feira a imprensa local.”
Muito cuidado na compra de papel higiênico, os chineses exportam para a Europa e Estados Unidos, mas pode estar exportando clandestinamente para o nosso pais, como fazem com brinquedos e outras bugigangas
Se o papel higiênico reciclado, lá da China está contaminado, imaginem o nosso. Será que temos fiscalização?
Todos adoram a reciclagem, vamos proteger o meio ambiente, mesmo que a nossa b(*)da fique quente!
Papel-Jornal

O Brasil produz pouco papel-jornal, não atendendo a demanda por isso tem que importar da Finlândia, da Noruega e Canadá.
Será que existe alguma grande revista brasileira que também está sendo impressa na China, Chile, Colômbia, Coreia ou Índia?
Agora mesmo estaremos lendo revistas, jornais, livros e tudo mais impressos em outros países. E o nosso papel? E nossas indústrias?
Foram todas esmagadas pelos concorrentes.
Por hoje é só. Voltarei qualquer dia desses se o nosso recanto ou o meu blog não acabar nas mãos dos chineses…
Manoel Amaral
FONTE:

http://periscopio.bligoo.com.br
Jornal Estado de São Paulo