OSVANDIR E O LCROSS NA LUA

Imagem Google

“Mesmo partida a lua jamais deixará de brilhar”
(Simair, primo de Osvandir)

Outubro de 2009

Foi quando o Lunar Crater Observation and Sensing Satellite (LCROSS), atingiu a lua pela primeira vez, levantando uma poeira de vários quilômetros, em 09 de outubro de 2009, perto da cratera de Cabeus, onde tudo começou.. Com objetivo de estudar a possibilidade de encontrar água na lua os cientistas começaram a enviar cada vez mais satélites de observação para aquele astro.

Os cientistas estavam bastante contentes com a quantidade de dados que recebiam.

Muito sensível, ele fotografava, analisava o solo, enviava um mapa do calor e outros dados de suma importância para as futuras viagem dos astronautas da NASA.

Em alguns meses, todos os dados analisados, para perceberem se havia moléculas de água, constando uma camada de gelo na superfície.

Muitos esperavam imagens fantásticas, mas foram surpreendidos por fotos de simples poeira lunar, levantada pelo impacto daquele aparelho.

Os cientistas, preocupados com a infinidades de dados recebidos, nem se atinavam por possíveis falhas nos sistemas de informações.

Naquele mês o Presidente da maior nação do mundo recebera o Prêmio Nobel da Paz, muitos não entenderam a finalidade daquele título. Até o nome do Presidente Lula fora cogitado, mas a turma de puxa-sacos maior, pendia para o Norte Americano. “Aquele era o Homem!”

Setembro de 2010

Todos estavam preocupados com guerras, fome, falta de alimentos, transtornos na natureza. Furacões, maremotos, chuvas, desmonoramentos, pessoas sem teto; anunciando péssimas notícias para os próximos anos. No Brasil aquela marolinha, com eleições para Presidente.

As experiências na Lua continuaram. Mais uma vez ninguém verificou os efeitos danosos provocados no satélite.

Os foguetões continuaram subindo e impactando o solo lunar. A poeira continuava a subir num espetáculo, cada vez mais observado por astrônomos e cientistas da NASA.

Agosto de 2011

Neste ano muito sucesso foi obtido com o lançamento de dois foguetes contra uma cratera na superfície da Lua.

“O objetivo da missão continuava o mesmo, testar os detritos criados pelo impacto para verificar a presença de água no solo lunar.”

“A comprovação da presença de água congelada no satélite facilitaria a instalação de uma futura base para a exploração na Lua, diziam os cientistas.”

Alguns astrônomos que observavam o impacto a partir de telescópios ainda continuavam decepcionados com as imagens captadas.

“Os cientistas esperavam que cada lançamento criava cerca de 350 toneladas de detritos, jogados a uma altura de até dez quilômetros.”

As missões do Satélite de Sensoriamento e Observação de Crateras Lunares (LCROSS, na sigla em inglês) com um custo estimado de US$ 79 milhões (cerca de R$ 138 milhões) cada, continuaram a seguir para a lua.

E o objetivo era sempre o mesmo: “ajudar a abrir o caminho para o retorno de astronautas americanos à Lua até 2020.”

Novembro de 2012
Tudo estava indo muito bem, até que numa observação de rotina, nos foguetes, encontram uma bomba no meio daquelas fiações quilométricas.

Era uma sabotagem de alguns paises do “eixo do mal”, que desde os primeiros lançamentos já estavam enviando essas bombas de alto efeito no solo.

Em pouco mais de dois anos, várias bombas de alto poder destrutivo estavam sendo enviadas para nosso satélite e ninguém sabia de nada.

Até que um dia a lua começou a sentir os efeitos destas explosões e vários pedaços de granito foram atirados ao espaço e ela dividiu em duas partes. A menor subdividiu-se em vários pedacinhos, girando, como aqueles asteróides que estão entre Marte e Júpiter.

Os poetas ficaram tristes, olhar para o espaço e ver a lua partida, partia os corações. Não havia mais lua cheia, apenas meia lua.

Agora que tudo estava mudado, a NASA e seus cientistas começaram a lancar foguetes com possantes câmeras para estudar… o cinturão de asteróides de Marte…:

Nasa lança sonda para estudar asteróides

“Cabo Canaveral – Uma sonda pioneira, que pode servir de modelo para futuras missões interplanetárias, subiu ao céu na quinta-feira a bordo de um foguete não-tripulado Delta 2, com o objetivo de explorar dois asteróides entre Marte e Júpiter.”

MANOEL AMARAL
osvandir.blogspot.com.br

OSVANDIR E LUZES NO MORRO

Dezenove horas no morro, alguns foguetes estourando no céu azul, bem estrelado.

Movimento de carros suspeitos por todos os lados. Polícia só lá embaixo, bem distante do topo.

Osvandir ficou sabendo que por ali estava aparecendo umas luzes estranhas.

Pegou a mochila, sua barraca, equipamentos fotográficos e subiu receoso, aquelas ruelas estreitas e escorregadias.

Dezenove e trinta já estava lá em cima, olhou para baixo, mas que linda visão, que belo horizonte!

Alguns barulhos pareciam de detonação de armas pesadas. Umas mais estrondosas, outras sibilosas.

O vento soprava para o lado leste, uma fina chuva cobria boa parte daquele morro.

Quase ninguém nas ruas, os barracos já estavam com as portas e janelas fechadas.

Osvandir encontrou o seu contato bem no centro da pracinha que existia lá no alto.

Falou baixo:
__ Boa noite.
Ouviu apenas uma voz rouca do outro lado…
__ Boa noite. Quem é?
__ Sou Osvandir, o ufólogo que veio investigar a luzes coloridas.
__ Hãã! Vou levá-lo até ao Professor…

Seguiram os dois, cada um meio desconfiado do outro. Osvandir pediu que o parceiro o ajudasse a levar as suas coisas, que já estavam ficando pesadas.

Quem seria esse tal de Professor? Mistério!

Andaram apenas um quarteirão e chegaram ao local determinado. O ponto mais alto do morro. Janelões de vidros a prova de bala. Cômodos grandes, cheios de caixas e outros utensílios.

Um jovem louro, de óculos, magro, roupas de grife, tênis caro e um sorriso nos lábios, foi apresentado ao Osvandir.

__ Muito prazer, sou Francisco.
__ Igualmente, Osvandir. Vim fazer as pesquisas que solicitei ao Chefe, por telefone.
__ O Chefe aqui sou eu… Pode pesquisar o que quiser, em se tratando de ufologia, tem todo o meu apoio.

Era o famoso Professor. Ele estava ali sozinho, lidando com muitos papéis e pastas. Um livro estava no canto da mesa, sinal que gostava de ler nas horas vagas. As canetas e lápis bem apontados, estavam dentro de um suporte de plástico de cor azul.

No canto, alguns tambores de metal, de cem litros, tinham estampados nos rótulos nomes de produtos químicos.

Osvandir sacou de sua caderneta e começou a anotar tudo que se passava em seu redor. Perguntou ao Professor como eram as luzes estranhas que estavam aparecendo por ali.

__ Olha, amigo, aqui tem luzes de todos os tipos como você já pode notar. Muitas são nossas conhecidas: de foguetes, de explosões de bombas e outras tais. Mas de uns tempos para cá vem aparecendo umas bolas grandes, de cor azul, subindo e descendo aqui no alto. Ficamos pensando que poderia ser novas maneiras de observação da polícia, mas aí elas começaram a aparecer até de dia. Constatamos então que se tratava de outros tipos de luzes muito estranhas e desconhecidas.

__ Quais os horários que elas aparecem mais? E que formato tem?
__ Elas aparecem durante o dia, por volta de 14,00h e depois das 22,00h, exatamente quando não tem mais barulho em nossa comunidade. As cores e tamanhos são diversos, algumas vermelhas, outras azuis. Muito fortes, parece que por trás delas existe algo que não conseguimos detectar até agora.

Osvandir quis saber se faziam barulho e como se moviam. O Professor disse que o movimento era lento e não faziam barulho algum. __ Algumas se desdobram transformando-se em outras e quando tem muitas juntas elas se unem formando uma só…

Tudo ia bem, até que uma rajada de metralhadora lá em baixo, anunciou a chegada de alguns colegas.

Muita gente entrando e saindo, cada um falando mais alto que o outro.
Professor pediu silêncio e todo barulho acabou num instante, que dava para ouvir os grilos lá fora.

__ Osvandir, acho melhor você ir descansar e amanhã a gente continua nossa conversa.
__ Tudo bem Professor, onde posso armar minha barraca?
__ Você não precisa armar barraca, pode ficar em minha casa…

No meio daqueles barulhos todos, Osvandir não conseguiu dormir nem um pouco. Ficou vendo filmes até as três da madrugada, depois deu uns cochilos.

Amanheceu, um sol forte bateu na janela do quarto onde dormia. Olhou o relógio, eram 7,00h.

O Núcleo está sendo atacado! Fogo cruzado, balas perdidas, bombas esplodidas… Um fogaréu no morro…

MANOEL AMARAL

OSVANDIR NO CEARÁ II

Capítulo II

OS CASOS UFOLÓGICOS

O Brasil é o país mais rico do mundo.
Roubam à noite e no dia seguinte ele está novamente rico.
É o Milagre Brasileiro.” (Moura)

Moura olhou para cima procurando se lembrar de alguma coisa:
— Vou falar sobre o que eu me lembro, pela imprensa e do que vi na Internet:
“No início deste ano um médico de Quixadá fotografou, por acaso um Disco Voador, bem alto, por trás das serra, além da Galinha Choca. Lá aparecem Discos Voadores e Bolas de Fogo. Já aconteceu um avistamento, presenciado pelas pessoas que estavam presentes a um comício, nas vésperas de eleições. Todos correram da pracinha. Não me lembro o ano, mas foi um dos maiores avistamentos. Antes disso houve o caso de um homem de meia-idade que viu um disco voador e recebeu um facho de luz no rosto. Desde esse tempo ele foi enfraquecendo, passou a viver em uma rede e a mente dele involuiu e dizem que ficou com a idade mental de uma criança de 9 anos. Ele faleceu há mais ou menos 5 anos atrás. Não tenho mais certeza das datas.”

— Lembro muito bem deste caso, retrucou Osvandir

Moura continuou contando: “O agricultor Antônio disse que viu um disco sobre a Pedra da Galinha Choca, ao lado do Açude Cedro, neste ano, por volta das 21/22 horas.
”As aparições são comuns, para Tadeu, funcionário aposentado do Banco do Brasil. Ele garante que já viu vários ÓVNIS em sua fazenda, que fica próxima de Quixadá.”

“O músico Dudu, disse que já foi perseguido OVNIs . Disse que seu conjunto saía de um show e foram seguidos por uma esfera grande com luzes piscando, de cores variadas. O carro parou sozinho e
ficaram na estrada. Depois disso uma bola gigante voou em alta velocidade para o poente.”

Osvandir ouviu tudo atentamente e depois, curioso, perguntou:
— Moura você já teve avistamentos?
– Já tive cinco, mas nunca vi um disco voador, só esferas ou sondas, sendo três com luz própria.

Osvandir perguntou:
— Gostaria de saber as suas opiniões a respeito de UFOs?
Moura respondeu:
— Minhas opiniões a esse respeito são muitas e nenhuma. Não sei de nada. Talvez poucas pessoas saibam a verdade, pois o campo é muito vasto. Existe muito acobertamento pelos governos.

Deu 12 horas e Da. Conceição anunciou que a mesa estava posta.
Foi um almoço frugal. Constou de filé ao “molho madeira”, feijão preto temperado com carne do sul e lingüiça, arroz branco, purê de batatas, macarrão talharin, salada de verduras. Serviram refresco de cajá e creme de abacaxi na sobremesa.

– Não tenho Don Perignon, pois sei que você gosta de vinho. Aqui só tenho o suco de uva, que não é a mesma coisa, disse o Moura, como a se desculpar pela ausência de um bom vinho.

Terminado o almoço, Moura e Osvandir demonstravam preguiça e prazer, pela barriga cheia. Voltaram a sentar-se nas cadeiras do alpendre arejado, para conversarem mais.
– Moura, devo que estar no hotel bem antes do carro da agência chegar. Ainda tenho que tomar banho.
– Fique à vontade, disse o Moura, já lamentando a ausência de “um bom papo”, com o Osvandir.

O táxi foi chamado e veio logo. Começaram as despedidas, desejos de boa viagem e muita sorte na excursão.

Na manhã seguinte Osvandir serviu-se do café, com variedades, pagou a diária e desceu para a entrada. Mais ou menos às 9 horas a Van da Agência de Turismo parou em frente ao Othon Pálace Hotel.

— Estamos aqui para conduzi-los até Quixadá. Podem entrar, colocar as malas na traseira do veículo, por favor.

O veículo vinha apanhando as pessoas nas residências ou hotéis.
Osvandir colocou suas duas malas na van e subiu no veículo se acomodando em um dos bancos, sentando junto a uma janela. Estava com seu Notebook a tiracolo. Também retirou a mochila das costas onde havia pertences que poderiam precisar a qualquer instante.

Começou a viagem de uns 170 km, rumo a Quixadá. Após umas 4 horas de viagem, chegaram ao Hotel Monólitos, onde ficariam hospedados, no centro da pequena cidade.
Continua…
Moura e Manoel