GOLPE DO PLANO COLLOR

GOLPE DO PLANO COLLOR

“Brasil?
Fraude explica.”

Logo nos primeiros dias de 2017, se você receber um adorável telefonema de Brasília ou do Rio de Janeiro, comunicando que tem uma “bolada de dinheiro” te esperando na Caixa, não fique tão feliz e pensando: comecei o ano bem, com o pé direito.

Mas em contrapartida a telefonista vai te pedir para depositar o valor das custas processuais. Coisa pequena de R$3.000,00 ou um pouco mais. E você pega dinheiro aqui e ali e sai em disparada para o banco. A sua sorte é que encontra o seu velho amigo e advogado da família.

Conta a história para ele. Nem ouviu a metade e solta esta: –É golpe meu filho! Aliás, muito conhecido na internet.

Dr. António, figura popular naquela cidade, já atendeu muitos casos como esse, mas quando a pessoa já tinha caído no golpe, depositado o valor solicitado na dita conta informada ao coitado do pato. Brasileiro é assim mesmo, não para para pensar, cai em tudo quanto é “Conto do Vigário”. Até naquele do bilhete premiado uma velhinha caiu nestes dias.

Mas Joaquim, o cliente de Dr. António, ainda insistiu que consultou e existem mesmo estas perdas do Plano Collor e muita gente está recebendo dinheiro por isso.

–Claro, claro, Senhor Quim, é verdade, mas no seu caso trata-se de um golpe que larápios estão aplicando por aí.

–Mas eles indicaram o número do processo, os meus dados todos e a advogada que estava atuando.

–Estes resíduos do Plano Collor sempre existiram e os estelionatários aproveitam disso, ligam para as casas das pessoas, geralmente aposentados, na tentativa de enganá-los.

–Informam que o dinheiro depositado é para pagamento de custas.

–Já vi um caso de um Senhor que depositou R$20.000,00 de sua poupança e perdeu tudo.

Ludibriam as pessoas utilizando de duas ferramentas emocionais: a ganância e o medo.

“As promessas de dinheiro fácil” ocorrem em todo o Brasil e tem muita gente que cai. “Ninguém denuncia por vergonha”.

É o chamado “Conto do Vigário” digital. Eles usam de todos os meios disponíveis: e-mail, celular e até carta para praticar os seus crimes.

Geralmente eles falam que são pessoas importantes e podem liberar o seu dinheiro mais rápido.

A Previdência não telefona para os idosos. E em hipótese alguma, a pessoa deve fazer depósito bancário esperando receber muito dinheiro em troca.
O INSS não é a Caixa que sorteia a Mega-Sena da Virada.
Manoel Amaral
ADLetras – Cadeira 08

PARANOIA

PARANOIA
LENDAS URBANAS – 065

03h50min da madrugada.

— Trrrriiiiiiimmmmmm!

— Quem é? Deseja falar com quem?

— ZZZuuuuuuuummm!

Olhando o Bina, o número iniciava com 06565.

Que seria aquele barulho? Era muito esquisito.

Não falavam e nem perguntavam nada.

Os internautas diziam que era o fantasmagórico chamado dos mortos, sempre naquele horário chamando em vários telefones ao mesmo tempo.

Aquilo acabou virando lenda na região, Facebook estava infestado destas histórias.
Assim algumas pessoas que retornaram as ligações de seus celulares, os créditos foram rapidamente consumidos.
Alguns acham que poderia ser um novo golpe para capturar os dados bancários, quando as pessoas estão ainda quase dormindo, estado vulnerável.
As hipóteses mais absurdas foram propostas e afirmando até que estariam clonando o seu celular.
Enquanto isso os jovens, amedrontados, sem créditos, não atendiam mais a qualquer chamada.
Os policiais, pesquisando várias denúncias com os números chegaram a vários pontos.
Usando a internet, no sistema de busca, descobriram que o número de onde foi realizada a chamada,  vinha de um presídio do Rio de Janeiro. Outro número pesquisado foi dar lá no estado da Bahia.
Seria tudo isso mesmo verdade ou não passaria de uma paranoia.
— Trrrriiiiiiim!
Ninguém quis atender…
Manoel Amaral