OSVANDIR E O ROUBO DE CARGAS

Tudo preparado, gasolina no tanque, dinheiro no bolso, cartão de crédito e lá se foram Osvandir, seu tio Osmair, mais dois amigos, lá para os lados de João Pinheiro-MG.
Na ida, sexta-feira, tudo normal, estrada boa, permitindo o bom desenvolvimento do veículo. Passando Nova Serrana, Bom Despacho, Martinho Campos, várias entradas para outras cidades e Povoados, até chegar ao trevo da BR – 040, finalmente em Três Marias com aquele filé de dourado.
No restaurante Osvandir foi logo se servindo e na ânsia de comer aquele peixinho frito, sem saber comeu rã… Passado o susto da perereca, visualizou o Mar de Minas, o belo lago de Três Marias. Bateram algumas fotos e pegaram a estrada.
Chegando a João Pinheiro foram muito bem recebidos por seus primos, tios, sobrinhos e toda parentada. Apesar da visita ser por motivo de falecimento de uma tia, houve uma verdadeira festa na recepção e permanência dos amigos.
Conversa vai, conversa vem, todos querendo saber notícias do lado de cá. Até de madrugada o pessoal consumindo café, biscoitos, bolos, pães, roscas e tudo mais. Até que a dona da casa pediu encarecidamente que todos fossem dormir, pois os viajantes estavam cansados.
No sábado, as conversas continuaram. Família inteira reunida em uma só casa. Panelas tinindo no fogão e aquele almoço foi servido a tempo e a hora. Todos satisfeitos foram completar as conversas.
Na volta, o sono inimigo número um do motorista, começou a incomodar a todos. Uma água fria no rosto e queimando chão a turma já estava bem longe, acima de Três Marias e antes do trevo para BR-262, viram uma cena horripilante:
“Vínhamos numa velocidade de 100 km por hora mais ou menos quando avistamos um caminhão com carroceria dupla, com pouca velocidade, estava subindo o morro.
De repente, descendo de um barranco aparece um homem forte e tentando abrir a porta do caminhão pelo lado do passageiro. Por outro lado, pela trazeira, veio outro homem tentando abrir a porta do lado do motorista. Tudo assim num piscar de olhos.
O Caminhão foi diminuindo a velocidade e começou a parar, depois foi andando de ré e atravessou na estrada. Passamos depressa e ainda vimos o caminhão bloqueando todas as duas pistas.
Pelo nosso entendimento, de cima do barranco devia existir um terceiro elemento que atirou no motorista e aí os outros dois atacaram o caminhão. Era caso de roubo de carga com certeza”, concluiu Osvandir.
O motorista seguiu adiante, dando sinal para os outros carros com o intuito de evitar acidentes. Na hora não atinaram em avisar a Polícia Rodoviária.
Finalmente em casa, Osvandir foi logo ligando a TV para ver se aparecia alguma notícia relacionada com o incidente.
Na manhã seguinte abriu o jornal e leu a manchete:
“PRESO EMPRESÁRIO ENVOLVIDO NO ROUBO DE CARGAS”

(Baseada em fato real)
Manoel

One thought to “OSVANDIR E O ROUBO DE CARGAS”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *