OSVANDIR NO CEARÁ II

O ASSALTO AO OCEANIC 815
“Onde acaba o amor têm início o poder, a violência e o terror”.
Carl Gustav Jung


A frase acima é verdadeira e o terror tira o raciocínio das pessoas.

Osvandir estava na rua lutando com os três jovens. Quando um sacou a faca, ele aplicou-lhe um tremendo golpe no pulso e a faca sumiu na rua. O outro recebeu, sem menos esperar recebeu um forte abalo no peito e sua arma também foi atirada à distância. Assim que os dois foram abatidos, dominados, o outro saiu em disparada pela rua abaixo.

Era um dia de sorte para Osvandir. Pegou um táxi, seguiu para o aeroporto, ligou para o Moura, informando que estava seguindo para uma pequena viagem de turismo pela Oceanic Airlines, era o 815. Um empresa pequena, para viagens pela orla marítima.

Na pressa nem notou o nome da empresa e o número do vôo.
Os portões se abriram, Osvandir seguiu pelos túneis até atingir o avião. Tomou o seu assento marcado na passagem, leu um pouco e depois cochilou. O avião ia partir, uma demora danada para levantar vôo.

Parecendo que não iam voar mais, o pequeno aparelho de cerca de 20 passageiros, levantou vôo, como um Tuiuiú, aquela garça desengonçada do Pantanal.

Tudo ia tranqüilo, com um guia turístico mostrando para os estrangeiros as belezas de nosso país. Lá em baixo muitas coisas lindas realmente estavam passando por nossas janelas. Os vôos rasantes nos permitiam ver de perto e de cima muitas coisas que não poderíamos perceber lá de baixo.

Quase meia hora de delícia no espaço, aquele cafezinho, tinha até Whisky, Osvandir ficou sem saber se era do Paraguai, pois detesta até o nome desta bebida. Só tomou duas vezes na vida: uma para ver como era; a outra foi obrigado.

Resolveu sair lá do fundo onde estava e foi até a cabine dos pilotos, para perguntar qualquer coisa que as meninas não sabiam responder.
Por um espelho instalado próximo da porta do Capitão pode notar algum alvoroço lá no fundo de onde tinha saído.

Virou-se, antes mesmo de chegar até a cabine. O caos estava instalado. Um passageiro, de arma em punho, queria assaltar todos turistas. O barulho era muito grande.

Osvandir retornou devagarzinho para onde era seu lugar e ficou esperando o desenrolar dos fatos. O assaltante não seria bobo de sair dando tiro a torto e direito dentro do avião. Era sujeito escolado, acostumado com estes tipos de assaltos. Primeiro começou em ônibus, no centro de Fortaleza. Depois que ouviu sobre aquele grande assalto ao Banco Central, onde levaram R$154.000.000,00, ele também resolveu ganhar mais. Aperfeiçoando os seus serviços, partiu para coisas maiores.

Quando passou por Osvandir, este lhe deu dinheiro, relógio e uma pulseira. Os outros passageiros estavam todos apavorados. O “camarada” era muito esperto, só começou o assalto quando o avião estava fazendo manobra para pousar.

O seu pensamento era descer pelas escadas e sumir no aeroporto, pegando seu carro que deveria estar estacionado em algum lugar por ali. Porém ele não contava com as estratégias de Osvandir.

Assim que tudo havia sido recolhido, Osvandir aproveitou-se de um descuido do mesmo e sorrateiramente foi para o lado da porta.

Veio aquele homem grande, cheio de celulares, relógios, colares, dólares, reais e outras coisas de pouco valor. Ao atingir o centro do avião percebeu um braço forte no seu pescoço. Foi atirado ao chão e completamente dominado. Os bens foram devolvidos aos respectivos donos. Só um pequeno problema, sobrara um celular.

Amarrado, amordaçado, foi entregue as autoridades no aeroporto. O celular que sobrou, deduziu-se que seria do assaltante.

Ao sair do avião uma das aeromoças quis saber o nome daquele jovem que dominou tão bem o assaltante e foi logo perguntando:
__ Quem é você?
__ Meu nome é Osvandir. Sou de Goiás, moro em Minas.

Ao sair dali, nem percebeu que estava com um celular na mão. Dirigindo-se para a praça de alimentação, almoçou, pagou e quando estava para ir para o hotel o celular tocou:
__ Santana! Você não chega “meu”. Já tem gente aqui por perto. Se não vier em dez minutos eu vou embora…

(Continua)

Manoel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *