OSVANDIR E OUTRAS HISTÓRIAS II

TRIÂNGULO AMOROSO
“Do meu amor brincalhão bobalhão
Que me disse adeus e foi embora”…
Sandra Mello-Flor

Todos o conheciam por causa de sua peculiaridade: era analfabeto e fingia que lia jornal, de cabeça para baixo!

Vivia na Fazenda dos Maias quando Tianinha era viva. Ajudava nas lidas da roça. Uma capina, uma roçada, destocar terra de arroz, arrancar feijão, cortar cana, levar e buscar bois no pasto; era com ele mesmo.
Apesar da sua aparência de bobalhão, ele sabia fazer as coisas direitinho.
Como apareceu por estas bandas não sabemos, o certo é que ele poderia ser mais um desses filhos abandonados por aí.
Contam-se que de certa feita um de seus patrões lhe arranjou uma bela namorada, moça fina, cheia da grana e prepararam até o casamento, mesmo sem noivado. Tudo documentado, de papel passado.
Prepararam a festança, mataram vacas, porcos, para churrasco, prepararam os salgadinhos e as bebidas. Não faltaram os docinhos. Até convite mandaram imprimir, tudo nos conformes.
João se enrolou todo como nó da gravata, abotoou a camisa até o pescoço, quando olhou estava errado. Passou a escova no paletó de casimira azul marinho para tirar o pó que era pouco, pois o terno era novo.
Pegou o cavalo e seguiu para igreja matriz, no caminho via flor em toda parte, era o amor que havia batido forte em seu coração.
Ao aproximar-se da praça, o cavalo começou a empacar, pois acostumado não estava com tanta gente. Até no barranco próximo da casa do Sr. José Amaral tinha gente. Do lado da casa da D. Vina o povo também estava aglomerado.
Teobaldo, que por coincidência significa INOCENTE LAVRADOR, veio de mansinho, após apeiar-se do cavalo, passando as rédeas para alguém acomodar o animal lá na rua do cemitério, próximo do córrego do Pinto.
Ao aproximar-se da porta central viu a beleza de sua noiva que ali já estava pois viera de carro.
João cochilou, suou, piscou o olho direito (tinha uma cacoete) e esperou o demorado final do casório.
Naquele tempo não tinha nada de beijar a noiva ao final do casamento, ela apenas segurava o braço do noivo e nada mais.
Recebeu cumprimentos na porta igreja, como em todos casamentos. Quando o povo terminou de abraçar o casal, apareceu um senhor muito bem arrumado, desceu do carro, cumprimentou o noivo, abraçou a noiva e levou-a para o seu carro.
Todos pensaram: “O casal vai para a Fazenda de carro”.
Qual não foi a surpresa de todos pois isto não aconteceu. João não foi convidado para entrar no carro.
O carro, a mulher e o distinto Senhor sumiram da cidade. Foi aí que todos descobriram que João Teobaldo foi apenas uma peça de um triângulo amoroso!

Fonte: Livro: História de São Gonçalo do Pará

MANOEL AMARAL

O CAPETA

O capeta, o Demo, Demônio, Chifrudo, Gênio do Mal, Espírito das Trevas, Satanás, assim era chamado.

Os meninos morriam de medo quando as mães diziam:
_ Vou te entregar pro Beiçudo, não aguento mais suas traquinagens.
Não só as crianças, mas na década de 40 e 50 até os adultos sentiam um friozinho ao lembrar-se do Belzebu, do Lúcifer, do Gênio das Trevas, ou Anjo mau.
O Anjo Rebelde, Bruxo do Inferno, Cão-Tinhoso, Pé-de-pato, Rabudo, Sarnento, eram os nomes que as famílias bem conheceriam e usavam comumente no linguajar diário.
Ao pronunciar qualquer um desses nomes todos tremiam e as histórias eram as mais terríveis.
Tinha uma em que o Anjo Decaído era bonito e chegou até a tirar uma moça para dançar, num baile na zona rural, queria namorá-la e casar-se, está no cancioneiro popular.
Tempo ruim era associado ao Maligno, até peste de aves ou animais era coisa do Coisa Ruim.
O Tinhoso estava presente em tudo, até nas festas religiosas

Fonte: Livro: História de São Gonçalo do Pará

MANOEL AMARAL

OSVANDIR E OUTRAS HISTÓRIAS

SEXTA- FEIRA SANTA, GATO PRETO,
SEXTA-FEIRA 13 E O FIM DO MUNDO

“A superstição é a barreira dos tímidos,
o refúgio dos fracos e a religião dos covardes.”

Tamires

Todos tinham medo de Sexta-feira da paixão. Era uma tristeza que começava na Quinta-feira depois do meio dia. Dava para ouvir o canto dos pássaros e o zumbir das abelhas.

A mula sem cabeça ficava marchando nas cabeças das crianças e nas de alguns adultos.

Passar debaixo de escada, ver gato preto na sua frente e sair de casa na Sexta-feira 13, era coisa de louco.

A superstição era muito cultivada na década de 50, e olha que não tinha TV.

Alguns pássaros também eram considerados agourentos: urubus, acauã, morcegos e corujas. Quando a acauã cantava próximo de uma casa era sinal de falecimento de alguém da família. O mês de agosto era o pior do ano.

As tragédias das Guianas, Tim Jones envenenou várias pessoas, aqueles lunáticos do cometa Houtek, nos EUA, tudo não passou de superstição, o mundo não acabou naquela época e nem vai acabar tão cedo.

Há uma semana os jornais, revistas, TVs e rádios anunciaram o FIM DO MUNDO para o dia 11-8-1999, Quarta-feira, e o pior que a Sexta-feira seguinte era 13, mês de agosto. Muito azar junto!
Mas passou a Quarta-feira, eclipse na Europa e Ásia e um sol de rachar mamonas no Brasil e nada mais aconteceu. Sexta-feira 13 chegou, sol lindo no horizonte. Nenhum sinal de FIM DO MUNDO, pelo contrário, um bom dia das 6:00 às 18:00 horas, pouco movimento nas ruas.
Final de semana, todos cidadãos (moradores na cidade) pegaram a estrada e foram para zona rural (hoje sítio).

Chegou dia 14 e o susto passou, o mundo não acabou, vamos esperar mais 1000 anos (3000), porque 2000 já era.

14-8-1999

MANOEL AMARAL
Fonte: Vide jornais diários da data.

DOR DE CABEÇA?
USE VERAMON!

Saíram do baile quase de manhã, uma dor de cabeça de rachar. Haviam tomado todas, inclusive doses de conhaque São João da Barra. As bebidas e as batidas da fábrica de bebidas Naná, de Divinópolis, enchiam a festa. A cerveja Brahma, rara, tinha como único distribuidor na região, um Sangonçalense, que vendia até para Divinópolis. O tradicional vinho Sabiá, mesmo falsificado, estava nas mesas. As mulheres de longos vestidos, quase todos de cor escura. Os homens de terno de casimira azul marinho ou preto, camisa branca e gravata fina. Corria os fins da década de 50. A alta sociedade estava lá, o baile foi ali na antiga casa do Geraldo Mourão, Rua Cel. Pedro Teixeira com Av. Divinópolis.

O barulho era grande pelo assoalho de grossas tábuas, a orquestra Cassino de Sevilla tocava tangos, boleros, mambos, valsas e as vezes arriscava um chá, chá, chá.
Os rapazes beberam muito, como disse, a Av. Divinópolis, ainda sem calçamento, ali nas proximidades da Rua São José, havia um enorme buraco e um poste de madeira, encurvado, carcomido pelo tempo, quase caindo. O primeiro rapaz não viu buraco nenhum, caiu. O outro tentou tirá-lo e também foi parar lá no fundo.
Foi uma dificuldade tirar dois bêbados daquela cratera.
Amanheceu, a dor de cabeça não tinha fim. Passaram numa farmácia para comprar bicarbonato e Veramon que era para dor de cabeça.
Quando subiam pela Av. Divinópolis resolveram dobrar a esquina da Rua São José para comprar cigarro, na venda da Praça Benjamim Constant, depois seguir pela Rua da Fábrica de Tecidos.
O comerciante avisou que só tinha Saratoga, o pior de todos, compraram assim mesmo.
Comeram uma lingüiça Maria Rosa, mesmo seca, engasgando, custou a descer.
A dor de cabeça foi indo embora e estômago melhorando. Mais três quilômetros pela frente, era Domingo, não tinha importância, podiam chegar tarde em casa.
Quando estavam chegando no portão da fazenda, um lembrou:
_ Puxa! Esquecemos as tintas Guarany que a mãe encomendou …

MANOEL AMARAL

OSVANDIR E O BENZEDOR

AGUARDENTE, FEITIÇOS E ENCANTOS
“Naquela noite sombria Osvandir só
tinha como companhia o medo”

Naquele dia parece que tudo ia dar errado. Era mês de agosto. O céu cinzento pela fumaça das queimadas, sem presença de chuvas.

Aquele ar parado, quase nenhum passarinho a cantar, apenas as corujas denunciavam um mau agouro, arriscando um pio noturno.

Alguns urubus percebiam carniça, descendo em voo espiral.

Lá para os lados da Catumbeira o fogo engoliu todo canavial.

No engenho, o carro cheio de cana caiana, com quase uma tonelada de peso, desprendeu-se da orelha do cabeçalho do carro de bois, num movimento brusco da junta de bois, a chaveta foi em cima do dedão do pé do Sr. Antonio e quase o partiu em dois.

Os tanques de garapa azedaram. Nova tentativa e nada! Sem líquido para alambicar, não haveria cachaça para vender.

Alguém lembrou:
__ Só pode ser feitiço!
__ Deixa de bobagem, gente! É pura coincidência, retrucou o tio de Osvandir.

Até a Joana, benzedeira afamada, foi lembrada, pela fama de fazer feitiços e encantamentos.

No meio do azarão que corria por aquelas bandas, até o caçulinha da família sofreu uma queda de um cavalo e acabou quebrando um braço.

Corre daqui, corre dali e alguém citou um conhecido benzedor que morava em outra cidade.

Januário, muito conhecido na região, era procurado por gente de toda parte, para solução de suas doenças, falta de dinheiro e todos tipos de problemas.

Tudo ficou acertado: o Joaquim ou o José, iriam aquela cidade buscar o benzedor.

Um dia se passou na fazenda e os fatos continuavam acontecendo. Um enxame de maribondos grandes e pretos atacou a boiada. O Veludo, o mais famoso boi de touradas da cidade, também foi picado e desceu em disparada rumo ao ribeirão, escorregando no capim mumbeca, indo parar na lagoa, ficando apenas com os dois chifres branquinhos de fora d’água.

O homem da magia branca havia chegado e assim que pôs os pés na entrada da fazenda disse que sentiu um friozinho no corpo.

A primeira medida foi benzer os pastos contra bichos peçonhentos.

Sacou de seu velho embornal um crucifixo diferente, que chamava de Cruz de Caravaca e foi rezando:
__ Milagroso São Bento, fervoroso Servo de Cristo, pelo vosso poder afastai deste caminho todos os animais venenosos e peçonhentos.
__ São Bento, protegei-nos – responderam todos os acompanhantes.

Cada lugar da fazenda foi devidamente investigado.

Atrás do paiol foi encontrado um rolo de cabelo enterrado próximo de um velho pau de aroeira.

No brejo de onde vinha a água para o engenho uma garrafa com um líquido viscoso e verde também foi achada.

As orações continuaram:
__ Glorioso São Sebastião e São Jorge, São Lázaro, São Roque, São Benedito, Santos Cosme e Damião; todos vós bem-aventurados Santos do céu, que curais e aliviais os enfermos, intercedei junto ao Senhor Deus pelo servo Antônio, todos os seus filhos e netos. Vinde gloriosos Santos em meu auxílio. Fechem-se os olhos malignos, emudeçam as bocas maldosas, fujam os maus pensamentos e desejos.
__ Por esta Cruz serão todos defendidos, completou.

E por três vezes riscou uma cruz no chão, terminando com as seguintes palavras:
__ Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

E todos responderam:
__ Para sempre seja louvado.

O Carlinhos, que estava na época de namoro, não queria nada com rezas e benzições, lia na sala da sede da fazenda o livro “Como se fazer Amar”, de C. Anger, pequenos livros populares (livros de bolso), que eram comprados pelo reembolso postal por CR$20,00 cada um.

Entre os livros tinha os de passatempo e diversão de palavras cruzadas, outros de ocultismo e outros mais de mágicas e hipnotismo.

A coleção de Manuais Práticos traziam aquelas enrolações como: Fórmulas para Ganhar Dinheiro, Regras para Vencer na Vida e outras bobagens como 1001 Informações Úteis.

Na coleção de ocultismo tinha um livro que interessou ao benzedor Januário, era “O Verdadeiro Livro de São Cipriano”. Tínhamos alguns livros de poesia de J.G. de Araújo Jorge, que fazia sucesso na época e outro de Modelos de Cartas de Amor.

Mas o homem do surrado chapéu de lebre, nariz aquilino e terno de brim, continuava benzendo aqui e acolá. Quando se aproximava das 18 horas mandou acender sete velas e colocou para queimar folhas secas de palmeira ou coqueiro que foram bentas na última Semana Santa, no Domingo de Ramos.

No outro dia tudo foi preparado conforme orientação do homem que tentava desfazer os possíveis malefícios.

Os tanques de garapa, foram lavados com sabão de coco e caldo de limão capeta. As canaletas de madeira e metal que iam das moendas do engenho até aos tanques foram varridas das sujeiras e também lavadas.

Alguns litros de pinga contaminados também foram eliminados. Os barris foram limpos por dentro e por fora.

O primeiro teste foi um sucesso! Logo que a garapa desceu para os tanques, com 24 horas de descanso para a fermentação, tudo voltou ao normal.

O Joaquim ficou satisfeito ao ver as espumas nos tanques de fermentação, era sinal que o material para alambicação estava muito bom. Quando viu aquele líquido branquinho descer da serpentina, deu pulos de alegria. Daí a alguns momentos a nova pinga “Palmeira”, a preferida de todos, aparecia no fino cano de cobre, pronta para engarrafamento. A primeira, da cabeça, deu 21º (vinte e um graus), estava com ótimo cheiro e gosto.

Vários litros foram alambicados naquele dia, a título de experiência.

O Senhor Januário ficou em São Gonçalo por alguns dias, visitando amigos e parentes. Recebeu notícia que tudo voltara ao normal na Fazenda do Fumal.

Antes de seguir para sua cidade, o Benzedor foi consultado e procurado por muitas pessoas.

Benzeu gado à distância com uma velha oração, para preservar o gado ou rebanhos de pestes ou pragas.

Um negro velho queria oração para fechar o corpo, ele indicou a de São Jorge, contra inimigos, adversários e desafetos.

Numa parte desta oração dizia o seguinte: “Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge, para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me enxerguem e nem pensamentos eles possam ter para me faze mal. Armas de fogo ao meu corpo não alcançaram, facas e lanças se quebrarão, sem meu corpo chegar, cordas e correntes se arrebentarão, sem meu corpo amarrar. Estenda-me o seu escudo e as poderosas armas, defendendo-me com sua força e com a sua grandeza de poder dos meus inimigos carnais e espirituais…”

Uma mulher se dizia vítima de bruxaria e feitiçaria; o nosso solicitado mago disse para ela rezar a oração a São Cipriano:
__ Bem aventurado São Cipriano confio em sua sabedoria e bondade, venho implorar a vossa proteção contra quaisquer malefícios, bruxedos, invocações, necromancias, que os magos negros, feiticeiros ou feiticeiras, bruxos ou bruxas e adivinhos, homens e mulheres…

A partir daí não pudemos ouvir mais nada pois o José e o Joaquim gritavam lá na rua que era hora de voltar para a fazenda.

MANOEL MARAL

A GRIPE ESPANHOLA

A GRIPE ESPANHOLA
“Não hay medicina para el miedo”
Provérbio Escocês
Logo depois da 1ª. guerra mundial, já na década de vinte, a gripe espanhola matou muita gente.
Em S. Gonçalo Velho, distrito de Pará de Minas a gripe ou peste, como era conhecida, assolou a região. O cemitério não comportava tantas covas.
Nos Povoados de Braúna, Campo Alegre, Prata, Quilombo, Venâncios, Moinhos e Curral, em toda a zona rural, em geral, os velhos e as crianças eram os primeiros a tombarem.
Muitos se salvaram como foi o caso do Senhor Marciano, pai do Senhor Matozinho Silva, lá do Povoado de Braúnas.
Numa manhã de junho ele amanheceu tossindo e com febre alta, ficou uma semana doente, cada dia piorando mais. Não saiu da cama. Dizia que tinha fogo por dentro. Os intestinos ardiam, queimava o estômago. Não conseguia nem fumar.
Os sintomas eram muito parecidos com a gripe comum: febre alta, cansaço, dores musculares, tosse, fadiga, surgiram pessoas com vômitos e diarréias.
Só uma água geladinha que vinha da grota, era aceita pelo corpo.
A dor de cabeça aumentava, ficava latejando. As juntas doendo e fogo por dentro.
O médico receitou alguns remédios e os chás caseiros também, nada adiantou, o seu corpo só debilitando.
Naquela manhã, depois de várias noites em claro, tomou uma decisão.
_ “Mulher, prepare uma cuia cheia de sal amargo com água da grota”
A mulher lá foi buscar a água, desceu com dificuldade as trilhas da fazenda encheu a cabaça e subiu o morro. Em casa procurou a cuia, pegou o vidro de sal amargo, tirou umas quatro colheres pôs junto da água.
Senhor Marciano bebeu aquela “coisa ruim”, que desceu a garganta abaixo como bombeiro apagando o fogo. Foi “tiro e queda” no outro dia o homem estava de pé na cozinha, as 5 horas, querendo o café da manhã.
Sua esposa fez logo um cafezinho, trouxe o queijo e biscoitos. O homem devorou tudo, depois daquelas férias do estômago…
As dez horas já queria o almoço. Um franguinho caipira foi abatido, o angu e o quiabo já estavam à mesa.
_ “Meu pai comeu até não poder mais, não teve mais nada, viveu o resto de seus dias sem nenhuma doença grave”, afirmou o nosso amigo Matozinho.
MANOEL AMARAL

OSVANDIR E A GRIPE SUINA (A)

Capítulo VI
O NEGÓCIO DO MEDO
“O medo é a maior das doenças,
porque paralisa o corpo e a mente.”
(Avô do Osvandir)

Osvandir acaba de receber mais um e-mail sobre a Gripe Suína (A -H1N1), repassa para que todos continuem analisando-os:

“Sabiam que o vírus da gripe das aves, foi descoberto há mais de 10 anos, no Vietnã?
Sabiam que desde então morreram apenas 100 pessoas em todo o mundo, em todos estes anos?
Sabiam que os norte-americanos foram os que alertaram sobre a eficácia do Tam… como preventivo?
Sabiam que o Tam… apenas alivia alguns sintomas da gripe comum?
Sabiam que a sua eficácia perante a gripe comum está questionada por grande parte da comunidade científica?
Sabiam que o governo brasileiro divulgou que tem estoque do remédio Tam… para atender a 9 milhões de pessoas?
Sabiam que perante um SUPOSTO vírus mutante como o H5N1, o Tam… apenas aliviará a doença?
Sabiam que quem comercializa o Tam… é o laboratório Roche (de origem Suíça, mas cuja fábrica nos EUA é uma das maiores do mundo).
Sabiam que quem comprou a patente do Tam… em 1996, foi a GILEAD SCIENCES INC.
Sabiam que o Presidente da GILEAD SCIENCES INC, hoje o seu principal acionista é DONALD RUMSFELD, ex Secretário da Defesa dos EUA.
Sabiam que a base do Tam… é o anis estrelado?
Sabiam que a ROCHE foi quem ficou com 90% da produção mundial desta planta.
Sabiam que as vendas do Tam… passaram de 254 milhões de dólares em 2004 para 1000 milhões em 2005?
Dá para imaginar quantos milhões mais, pode ganhar a ROCHE nos próximos meses, se continuar o negócio do medo?
Ou seja, o resumo da história é o seguinte: Os amigos da América decidem que um fármaco como o Tam… é a solução para uma pandemia que ainda não aconteceu.
Que este fármaco não cura nem a gripe comum.
O vírus não afeta o homem em condições normais.
Rumsfeld vende a patente do Tam… à ROCHE e esta lhe paga uma fortuna. ROCHE adquire 90% da produção do anis estrelado, base do antivírus.
Os governos de todo o mundo ameaçam com uma pandemia e compram da ROCHE quantidades absurdas do produto.
Estaremos loucos ou somos idiotas?”
Osvandir achou este texto meio estranho, mais parece uma propaganda. Verifiquem que o nome do remédio contra a gripe aparece em quase todos os parágrafos. Repetiram o dito nome por dez vezes. Não seria a lei da repetição para fins de fixação? O nome ainda estava grafado em letras maiúsculas…
Acho que somos uns idiotas, divulgando mundo afora, de blog em blog o nome do remédio. Um ótimo meio de propaganda gratuita!
Lembram de lançamento de filmes, séries (Lost)? Eles dizem que houve um vazamento de informação sobre umas cenas e patati patatá enquanto isso nós, bobos aqui, vamos divulgando aquilo tudo, o que não passa de um golpe publicitário dos produtores.

MANOEL AMARAL

OSVANDIR E A GRIPE SUINA

OSVANDIR E A CONSPIRAÇÃO
Capítulo V
A FARSA

Osvandir está sempre recebendo e-mails de amigos. Esta semana recebeu este, que repassa para apreciação de todos.

Gripe Suína – Uma Farsa?
Por defeito profissional eu gosto de números e apanhei algumas surpresas com a gripe suína. Falava-se que o número de mortos já tinha ultrapassado a centena e meia e saiu um artigo da Organização Mundial de Saúde a informar que eram 16.

Curiosamente na mesma página da NET em que eram referidos os números da OMS, continuava a insistir-se nas 156 mortes.

A verdade, não sei, mas este artigo lança algumas suspeitas…
E os negócios das farmacêuticas envolvem BILIÕES …
Basta usar um pouco a imaginação , para tirar conclusões pessoais .
Sinceramente desejo ,que o vírus seja mais fictício do que real …
Nota : Qualquer vírus da gripe, mata mesmo… !!! A probabilidade de ser mortal é que não é das mais elevadas…

Pessoal, antes de qualquer coisa, gostaria de deixar bem claro que moro na Cidade do México [sou de São Paulinho] e estou vivendo toda essa tensão sobre a suposta gripe suína. Hoje recebi um e-mail que está circulando na internet de que a gripe suína [influenza] é uma farsa.
Ou seja, esta história da gripe suína foi inventada pelos governantes dos países para desviarem atenção do povo dos problemas reais. Por isso, decidi traduzir este texto do Espanhol ao Português para que vocês leiam e tirem suas próprias conclusões. O texto oferece muitas
razões para se duvidar desta gripe.

“No dia 2 de Abril, deste ano, durante a reunião do grupo do G7, integrado por USA, Reino Unido, Canadá, Alemanha, Itália e Japão, se concluíram o seguinte: 1) a economia mundial necessitava uma mudança;

2) o FMI destinaria 500,000 milhões de dólares para ajudar às economias emergentes (países pobres dispostos a colaborar). Pois bem, os dados estavam no ar; 3) Logo veio a reunião privada do presidente Obama e Felipe Calderón [presidente do México] no dia 16 e 17 de Abril.

Coincidentemente, na sexta-feira, dia 23 de Abril, o presidente do México, Felipe Calderón, convocou uma reunião de emergência com seu gabinete, e pela noite o secretário de saúde, José Ángel Córdoba Villalobos, anunciava em cadeia nacional a aparição do vírus da influenza, e as medidas imediatas, como, por exemplo, a suspensão das aulas em todos os níveis na Cidade do México e no estado do México.

No dia 24 de Abril, o G7 declarava que a economia mundial deveria estar em marcha este ano, e que se lançariam todas as ações necessárias. Finalmente, segunda-feira, dia 27 de Abril, a empresa farmacêutica Sanofi Aventis anuncia que injetaria 100 milhões de Euros em uma nova planta de vacinas e doaria 236,000 doses ao México como apoio ao controle da influenza.

De todo o anterior, tiramos as seguintes conclusões:

1)Há 2 anos a indústria farmacêutica [Sanofi Aventis] a nível mundial tinha problemas financeiros pela baixa venta de remédios;

2) Se não se cria guerras, se cria [ou se inventa] doenças [“a economia mundial deveria se por em marcha”];

3) O México seria um perfeito trampolim para lançar a doença da influenza. Daqui [do México, é óbvio] sairiam turistas a diferentes partes do mundo. E curiosamente, os países que dizem ter doentes infectados pelo vírus da influenza, estiveram no México. E os países que estão reforçando a segurança sanitária são os países que integram o G7. Que curioso, não? O que acontecerá na semana que vem? Muito provável será a suspensão das atividades em todas as empresas da Cidade do México e em algumas outras cidades da República Mexicana. Já as aulas estão suspendidas até o dia 06 de Maio, onde o governo fará uma análise da farsa e verá [convenientemente] que siga sem aulas;

4) Pare para pensar qual é o assunto mais falado e comentado neste últimos dias: a influenza ou a crise financeira? Isto, de antemão, é um alívio para o Banco Mundial e para as bolsas do mundo.

Em outras palavras, essa história do vírus da influenza é uma farsa que os governos do mundo inventaram para desviar a atenção do povo dos problemas reais pelos quais a sociedade verdadeiramente está passando.

Vocês se lembram das histórias passadas, como, por exemplo, do chupacabras, do fim do mundo, ano 2012, Planeta X e dos óvnis?

Pois é, amigos, tudo isso foi invenção dos governos para distrair a atenção de suas populações e encobrir certas coisas para que a sociedade não se interasse.

Vemos as notícias nas TVs e vemos como as ventas das farmácias cresceram [remédios e máscaras se vende como nunca]. Imagina como devem estar rindo as pessoas [governantes] que inventaram isso ao verem as pessoas pelas ruas da Cidade do México, amedrontadas com suas máscaras. Alguém pode objetar que a Cidade do México estaria perdendo muito com estas paralisações. Não. Pois, para isso existe o fundo que destinou o FMI. Agora imagine os lucros da farmacêutica a nível mundial. Isso é algo para se pensar.

O presidente do México sempre está anunciando que tantas pessoas já morreram em decorrência da gripe suína, porém [o autor deste texto que é mexicano, se pergunta] onde estão os mortos e onde estão concentrados os doentes? Estes dados os governo mexicano não menciona.

Coloco os seguintes pontos para reflexão:

1) Se realmente é tão contagiosa essa gripe, como e onde estão as famílias dos mortos? [ninguém sabe];

2) Se a influenza suína é uma mutação do vírus original dos porcos, então o início da infecção deveria ter começado no campo não na cidade;

3) Por que não mostram alguma entrevista com algum doente contagiado?

[realmente nunca mostraram. Vi que entrevistam a familiares, dizendo que seu familiar está doente e que já está estável graças aos medicamentos; porém, se o familiar esteve em contato direto com o vírus, então, por que não fica doente ou em quarentena?] ;

4) Por que até agora não disseram o nome do antivírus que está “curando” as pessoas doentes? Alguém conhece algum doente real?

Para quem diz que Osvandir só fala besteira seria bom darem uma olhada nestes sites:
http://www.dihitt.com.br/noticia/gripe-suina–uma-teoria-da-conspiracao-explica-muita-coisa#lermais

http://rodrigoenok.blogspot.com/2009/05/gripe-suina-foi-desenvolvida-em.html

http://blogcasamata.blogspot.com/2009/04/gripe-suina-bioterrorismo-ou-acaso.html

E estes vídeos completam as teorias do Osvandir:
http://www.sintrascoopa.com.br/?p=1635

MANOEL AMARAL

OSVANDIR E A GRIPE A

OSVANDIR E A GRIPE “A” NO MÉXICO

Capitulo IV
A MUTAÇÃO
Hoje, vamos apresentar somente vídeos para vocês conhecerem mais sobre a Gripe “A”. Em especial um completo trabalho do site de Ana Luisa Cid, onde encontrarão depoimentos das primeiras pessoas atacadas pela gripe. Tem o vídeo, mas se clicar no canto inferior direito, verá o texto da mesma matéria, em espanhol.

OSVANDIR E A GRIPE ”A” NO MÉXICO

Capítulo III
PANDEMÔNIO

Pandemônio significa “confusão total”.
São aquelas situações em que cada um diz uma coisa,
todo mundo discute e parece que ninguém se entende.
O silêncio dos que desistem e se calam é
o grito de vitória de todos os demônios.
Max Gehringer

Osvandir estava já de partida do México, mas resolveu verificar se havia no noticiário alguma aparição de Discos Voadores mais recentes, naquelas regiões do País.

Numa rápida pesquisa na internet encontrou vária aparições de ufos no México nos meses de janeiro a abril de 2009, com algumas imagens bem interessantes. Vale a pena ver os vídeos a seguir:
http://colunistas.ig.com.br/area51/tag/disco-voador/

http://www.realufos.net/2009/02/ufo-mexico-feb-2009.html

http://usuariovirtual.blogspot.com/2009/02/misterio-no-mexico-ovni-com-forma.html

http://www.youtube.com/watch?v=6WeDpjYNLkQ

OSVANDIR E A GRIPE SUINA (A)

Capítulo II
O PÂNICO

“Mesmo depois de tudo que os cientistas aprenderam sobre a gripe,

desde a catastrófica pandemia ocorrida entre 1917 e 1919,
uma coisa continua a mesma: a natureza previsivelmente
imprevisível dos vírus responsáveis por ela.”

Já dizia o avô do Osvandir que o medo é o nosso pior inimigo. Mas a boataria sobre o México continua em todos os jornais do mundo, sem dó nem piedade.
Muitos desejam mesmo é o pânico, com objetivos financeiros, é claro!

O povo simples, com a D. Maria, no seu dia-a-dia, não encontra mais no mercadinho os produtos que deseja.

A internet já está explorando os incautos internautas, vendendo remédio contra a Gripe A, em sites clandestinos.

“O que se vê são pessoas assustadas lotando postos de saúde, buscando vacinas e estocando máscaras e remédios.”

“O pânico assume dimensões preocupantes e se configura uma urgência psicológica.”
“A grande maioria das pessoas, cerca de 70%, fica como que letárgica, sem reação, sem orientação.”

“O imaginário popular se contamina muito rapidamente. As pessoas acabam desenvolvendo um comportamento coletivo neurótico que não ajuda em nada”, “Comportamento exagerado de pânico e de fantasias mais catastróficas como a da humanidade ser dizimada” conforme alerta Juliana Borges.

Osvandir segue seu destino para “uma comunidade da região montanhosa do centro do México, no estado de Veracruz, é suspeita de ter gerado o surto do vírus da gripe suína que afeta todo o país, como denunciam seus habitantes e rejeitam as autoridades locais.”

E ele leu mais na internet: “O ministro da Saúde mexicano, José Ángel Córdova, considerou que não seria correto querer culpar por esses casos a comunidade de La Gloria, onde existe uma grande exploração de porcos.””No entanto, foi descoberto que outro menor contraiu o vírus da gripe suína e sobreviveu, no que seria o primeiro caso da doença no país.Segundo a empresa de consultoria americana Veratect Consulting, que realizou estudos sobre esses casos, um deles correspondia à influenza suína: o de uma criança de quatro anos chamada Edgar Hernández.” (Bol Notícias)

Vide o vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=_zKJUO9XCms&feature=related

A comunidade procurada por Osvandir fica localizada no Estado de Veracruz é La Gloria. Possui apenas uns 3.000 habitantes, localizada entre montanhas.

O foco principal da doença, a própria população sabe, são algumas fazendas de criação de porcos que existem na região.

O fedor se espalha por dezenas de metros da região. Deve estar tudo contaminado, o ar, a terra, os porcos, o milho, a ração, a água…

No início de março algumas crianças começaram a sentir alguns sintomas parecidos com os da gripes, é o que diz alguns moradores da região, quando foram entrevistados por Osvandir.

Algumas delas sofriam de problemas respiratórios que foram agravados com outros sintomas da gripe.

João Manuel, um dos moradores daquelas redondezas diz o seguinte:
__ Há anos somos incomodados por terríveis cheiros vindos da fazenda.

Os donos da fazenda dizem que os animais estão todos vacinados e seguem todas as regras sanitárias do município e as leis federais. Afirmam que os fiscais sanitários não encontraram nada de anormal na sua criação de porcos na sua última visita.

Até Barack Obama, o presidente dos EUA, já disse:
“it’s not a case for alarm, but it’s a case for concern”: (“não há razão para alarmes, há razão para preocupação”).

Mas o povo do mundo inteiro está alarmado e muito preocupado.

A preocupação é tanta que um Prof. João Vasconcelos Costa, Doutor e agregado em Medicina (Microbiologia), de Portugal disse que: “Os vírus hoje viajam de avião, trata-se de um tipo de vírus contra o qual há dezenas de anos que não há qualquer resistência imune, nem há vacinas rapidamente disponíveis.”

Osvandir ficou sabendo mais ainda quando leu o blog do cientista:
“Já imagino o que vai haver por aí de pânico em relação ao consumo decarne de porco! Mesmo que a gripe fosse suína, não era pela carne que se transmitiria. Mas, como chamei a atenção, “suína” é neste caso umareferência enganosa, tem a ver só com a origem. Quem a vai ter são oshumanos, não os pobres suínos.”

O site do Professor tem vários artigos sobre a gripe e num deles diz:
“Todas as grandes pandemias de gripe tiveram origem no porco, como esta (em alguns casos, como agora se esperava, na Ásia, com passagem prévia das aves para o porco): a espanhola, a asiática, a de Hong Kong.”

“O que aparece é um novo vírus humano – insisto, humano, transmissível de homem a homem – com origem no porco mas no outro lado do globo, no México. Também não é um H5N1 e por isto, como eu e muitos escrevemos na altura, era tolice investir em vacinas contra um vírus que ninguém sabia o que viria a ser – mas sim um H1N1, desaparecido da história da virologia há quase um século. Foi o tipo de vírus que causou a terrível pandemia de 1918, a espanhola, que matou mais gente na Europa do que a guerra mundial que tinha terminado pouco antes.”

É melhor todos irem direto para a página do citado Professor:
http://jvcosta.planetaclix.pt/moleskine.html#10

E bom fim de semana!

MANOEL AMARAL

FONTE DE PESQUISAS

http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/
http://www.jornalotempo.com.br/
http://www.uol.com.br/
http://volperine.multiply.com/
http://www.carlosbracho.com/
The Guardian e da AP
João Vasconcelos Costa ( Portugal). Peste Suína
http://jvcosta.planetaclix.pt/moleskine.html#10
Atila Lamarino, Doutorado em evolução de HIV-1.
Eliana Márcia Martins Fittipaldi TORGA, www.defesacivil.mg.gov.br
Jared Diamond – Livro: Armas, Germes e Aço – Os Destinos das Sociedades Humanas (Veja outros livros deste autor)
Reinaldo José Lopes – Globo – Pestes Animais
Arsénio de Pina – www.asemana.cv/ – Gripe A
http://realidadeoculta-novo.blogspot.com/
portal.Saude.gov.br – Muita Informação para viajanteshttp://www.vaicomtudo.com/2009/04/gripe-suina-sintomas.html -Sintomas Gripe

OSVANDIR E A GRIPE SUINA (A)

Cap. I
A PANDEMIA
Pandemia é o nome que damos para
uma epidemia generalizada
.

Osvandir foi rápido até o aeroporto de Belo Horizonte e seguiu para São Paulo, Aeroporto de Congonhas onde seguiu para o México, City, as 13,00 horas, pela American Aierlines.

Reservou passagem de volta para o dia 15 de maio, totalizando a ida e volta o valor de R$3.335,00, parcelados suavemente.

Osvandir ficou pensando na farra das passagens aéreas, aquele “festival de pilantragens que deputados e senadores vêm promovendo com o nosso dinheiro”, nas palavras de Revista Veja de 29/04/2009.

Vários deputados viajando com filhas, esposas, netas, bisnetas, avós, primos e todos os parentes mais próximos, para paises longínquos, fazendo turismo com o dinheiro do povo. Ou então pagando contas de celulares de filhos e parentes e empregados domésticos de gabinete.

Estão confundindo o público com o privado, paises como os EUA só pagam as passagens de ida e volta a suas origens, nada mais.

E o Congresso não aprova nada de importante, por isto estão no fundo do poço, brigando ao invés de legislar.

Osvandir tirou aqueles pensamentos nefastos da cabeça, já que ele mesmo teria que arcar com o pagamento das despesas de viagem e estadia nos dias que passaria no México.

Avião vasio, quase nenhum passageiro, todas as aeromoças muito solicitas, atendendo a todos a qualquer momento. Dotado de muita modernidade, que Osvandir ainda não conhecia. Vários aparelhos de TV ligados, à disposição dos passageiros. Impossível dormir na viagem. Muitos filmes, reportagens e nada sobre a Gripe Suína, agora chamada de Gripe “A”.

Aeropuerto Internacional de la Ciudad del México, Benito Juárez, já estava a vista.
Uma longa pista de pouso refletia suas luzes e sinais. Muitos aviões cruzando o espaço aéreo.

Osvandir, de repente lembrou de um avião que teve um pouso forçado em Guadalajara, com 108 passageiros, no dia 28 de abril passado, ficou preocupado.

Mas a American Aierlines, tem um bom passado, poucos acidentes e muito bem cuidada na área de revisão dos aviões, tudo parece novo.

Apenas um pássaro passou de raspão nas turbinas, mas não teve nenhuma conseqüência maior. O pouso foi tranqüilo, sem nenhum problema para os passageiros.

Na entrada dos portões, cada um recebeu uma máscara azul para se proteger contra a temida gripe e um boletim com informações.

Osvandir seguiu para a fileira de táxis, perguntou sobre hotéis, mais próximo do aeroporto.

Mostraram-lhe um guia com vários hotéis no centro da cidade. Osvandir optou por um com linhas mais modernas, porém com preços bem baixos.

O taxista foi direto para o endereço escolhido, fez um preço especial, sem nem mesmo ser solicitado. Deve ser pela falta de passageiros.

Ao descer do veículo recebeu um cartão pessoal de Manuel, o prestimoso motorista, agradeceu-lhe as gentilezas e disse que ligaria se precisasse.

Dois carregadores de malas já estavam na porta do hotel prontos para capturar mais um turista, em tempo de vacas magras.

O número do apartamento foi meio surpreendente 313. É um número que quase ninguém gosta. No entanto já nos dizia Monica Buonfiglio que “o 13 representa o recomeço, já que é o número do sistema organizado e do término. Este número é o símbolo do determinado e particular, associado à finalização (benéfica).”
E continuava:
“O número 13 está associado a Morte e é considerada uma das mais intrigantes cartas do Tarot. O número 13 é negativo e fatalista para alguns; para outros, é um número de sorte. Sugere transformação, renovação e transmutação. Esta carta não significa necessariamente uma mudança negativa. Pode estar ligada a fatos agradáveis: casamento, nascimento, viagem para outro país.”

Mas como estava num país desconhecido e devido às circunstâncias, resolveu se precaver. Nada de extravagâncias, alimentação balanceada, muita salada, menos carnes. Muito suco e água.

Nas ruas, Mexicanos da capital ,estão todos assustados com a gripe suína. O clima da Cidade afetada pela epidemia, é desolador. Muitas escolas não têm aulas, jogos de futebol e outros esportes foram cancelados. Até cinema está proibido. Nos restaurantes não se vê viva alma, tudo abandonado. Diminuíram até os beijos.

Osvandir resolveu viajar para o interior no epicentro onde gerou a primeira morte pela gripe.

E no Jornal Diário do México uma constatação da OMS:

No exportamos influenza: OMS
Ginebra.- La Organización Mundial de la Salud (OMS) reconoció ho
que no todos los casos de influenza humana que se están reportando
son “importados” de México, pues la gente viaja por todo el mundo y se
verán casos relacionados con diferentes países. ‘No creo que
todos los casos relacionados con iajes (e influenza) provengan de México,
al menos el día de hoy nos hemos enterado de un caso relacionado con viajes a
Estados Unidos’, respondió a Notimex este martes el director adjunto de la OMS,
Keiji Fukuda. Diário do México – 06/005/2009

MANOEL AMARAL
Leia os outros capítulos:

FONTE DE PESQUISAS

http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/
www.jornalotempo.com.br
www.uol.com.br
http://volperine.multiply.com/
João Vasconcelos Costa ( Portugal). Peste Suina
Atila Lamarino, Doutorado em evolução de HIV-1.
Eliana Márcia Martins Fittipaldi TORGA, www.defesacivil.mg.gov.br
Jared Diamond – Livro: Armas, Germes e Aço – Os Destinos das Sociedades Humanas

(Vejam outros livros deste autor)
Reinaldo José Lopes – Globo – Pestes Animais
Arsénio de Pina – www.asemana.cv/ – Gripe A

OSVANDIR & HARRY POTTER NO BRASIL

ENTREVISTA COM HARRY POTTER

Num barzinho da cidade, Osvandir resolveu fazer uma mini-entrevista com Harry, antes de sua partida:
1 – Quem é Tom Riddle? Tom Riddle é Voldemort, o Bruxo das Trevas, que matou os pais de Harry. Chamado pelos bruxos normalmente de Você-Sabe-Quem. Ele também é um “sangue-ruim”, mas tem ódio disso. Se tornou um bruxo poderoso com o idealismo de criar uma raça pura. Dividiu sua alma em sete partes para se tornar imortal pois tem medo da morte.

2 – Quem foi Dumbledore? Dumbledore foi o maior bruxo de todos os tempos. Também diretor da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts durante anos, aonde preparou Harry para a batalha final – para derrotar Voldemort.
3 – Quem são os “Trouxas” ? Os “Sangue-ruins”? Trouxas são pessoas normais, que não são bruxas. “Sangue-ruins” são pessoas que tem um dos pais bruxo e o outro “Trouxa”.
4 – Quando Harry nasceu? Ele nasceu em 30 de Julho de 1980.
5 – Como JKR teve a idéia de criar HP? De acordo com ela, Harry simplesmente apareceu em sua cabeça, enquanto ela fazia uma viagem de trem para Londres.
6 – O que é Orcrux? Horcrux é o objeto aonde se deposita uma parte da alma, para que o objeto possa arranjar um modo de voltar à vida após a morte do indivíduo. Voldemort dividiu sua alma em sete, sendo uma delas o Diário que pertenceia a Gina em Harry Potter e a Câmara Secreta. O Diário sugava a alma da Gina enquanto ela o usava. Quando Gina morresse, Voldemort voltaria.
7 – Nome dos livros: HARRY POTTER e a Pedra Filosofal – HARRY POTTER e a Câmara Secreta – HARRY POTTER e o Prisioneiro de Azkaban – HARRY POTTER e o Cálice de Fogo – HARRY POTTER e a Ordem da Fênix – HARRY POTTER e o Enigma do Príncipe – HARRY POTTER e as Relíquias da Morte
8 – Nome dos Filmes já lançados: HARRY POTTER e a Pedra Filosofal – HARRY POTTER e a Câmara Secreta – HARRY POTTER e o Prisioneiro de Azkaban – HARRY POTTER e o Cálice de Fogo – HARRY POTTER e a Ordem da Fênix. Filmes que vão lançar: – HARRY POTTER e o Enigma do Príncipe – HARRY POTTER e as Relíquias da Morte (parte 1) – HARRY POTTER e as Relíquias da Morte (parte 2)
9 – Quem são os “Comensais da Morte”? Comensais da Morte são seguidores do Lord das Trevas, Voldemort. É um exército de Bruxos que seguem seus ideais a comando de Voldemort.
10 – Em que época HP foi para Escola da Magia, tinha quantos anos? Foi para Hogwarts pela primeira vez quando tinha onze anos, em 1991. O ano letivo começa em Setembro, e acaba em Maio do ano seguinte.
11 – Quantos anos ele tem hoje? Todos estão com 29 anos. Hermione Granger faz aniversário junto comigo (19 de Setembro de 1980), Rony Weasley faz aniversário em algum dia de março, nasceu em 80 também. Dumbledore morreu com quase 120 anos, em 1997.
12 – Como fazer para não misturar o ator do cinema com o personagem dos livros? No cinema eles são bonitos xP
13 – Qual a mensagem final da série para os jovens? Harry Potter deixa a mensagem sobre o amor e a amizade, que é a coisa mais importante que há. Nos ensina sobre a morte, dizendo que ela é como dois amigos separados pelo oceano, mas que vivem uns nos outros mesmo com a distância. Também nos ensina que a morte não é o fim, e quem nós amamos continuam a nos amar.
“Afinal, para a mente bem organizada, a morte é a próxima grande aventura.”
Harry Potter e a Pedra Filosofal
THALLES/Manoel